ASSÉDIO

Justiça de SP abre investigação sobre assédio de Fernando Cury a Isa Penna

Justiça de SP autorizou a abertura de investigação contra Fernando Cury (Cidadania) com relação ao assédio praticado em sessão pública na Assembleia Legislativa de São Paulo contra deputada Isa Penna (PSOL).

terça-feira 19 de janeiro| Edição do dia

Foto: Carol Jacob/Alesp

Ao fim de 2020, o deputado machista Fernando Cury (Cidadania) assediou a deputada Isa Penna (PSOL) em plena sessão pública da Alesp. Hoje, dia 18/01, o desembargador João Carlos Saletti acatou pedido feito pelo Ministério Público de São Paulo e determinou a oitiva de onze parlamentares que presenciaram o fato, como o presidente da Alesp, Cauê Macris (PSDB), Carlos Eduardo Pignatari (PSDB), Erika Malanguinho (PSOL) e Professora Bebel (PT).

"É inadmissível que uma mulher – ainda mais em seu ambiente de trabalho, e dentro de um órgão público – seja desrespeitada dessa forma. Mais ainda, é revoltante a tranquilidade que o requerido mostra ao cometer um crime contra a liberdade sexual de sua colega de trabalho, num ambiente público e televisionado", disseram as advogadas Danyelle Galvão e Mariana Serrano responsáveis por mover o Inquérito Policial.

O Esquerda Diário veio denunciando o assédio provocado por Fernado Cury e colocando sempre a necessidade de construir uma luta organizadas das mulheres contra a direita golpista e reacionária que ataca cotidianamente as mulheres, responsável pela opressão política e de gênero e pela restrição da liberdade sob seus corpos.

Nós, do MRT e do Pão e Rosas, não depositamos qualquer confiança em uma saída dada pelo judiciário, pois esse judiciário é o mesmo que fez parte do Golpe de 2016, responsável por encarcerar milhares de jovens negros sem julgamento e aprovar absolvições como o caso de Mari Ferrer, no qual o empresário André Camargo foi inocentado ao utilizar do recurso absurdo de "estupro culposo". Expressamos, mais uma vez, toda solidariedade à deputada Isa Penna e nos inspiramos na luta de classes das mulheres contra a opressão machista para avançar em conquistas, como o imenso exemplo dado pela argentinas com a legalização do aborto recentemente aprovada pelo Senado do país.




Tópicos relacionados

ISA PENNA   /    Assédio   /    Mulheres   /    Machismo   /    Poder Judiciário

Comentários

Comentar