×

Luta indígena | Julgamento do Marco Temporal é suspenso novamente após Augusto Aras se declarar contra

O procurador geral da República, Augusta Aras, declarou-se contrário à tese do Marco Temporal, a qual vem sendo denunciada pelos diversos povos indígenas que se levantaram contra esse ataque. O julgamento foi novamente adiado.

quinta-feira 2 de setembro | Edição do dia

Foto: Gabriel Paiva

O julgamento a respeito da tese do Marco Temporal teve início na última semana, sendo adiado para esta. Após sua continuidade nesta quarta, dia 1º, e hoje, dia 2, onde foram ouvidas 39 sustentações orais, o julgamento foi novamente adiado depois da manifestação da Procuradoria Geral da República e a votação dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deve ser retomada na próxima quarta, dia 8.

Augusto Aras, procurador-geral da República, manifestou-se no STF contrariamente à tese do Marco Temporal. Segundo Aras declarou, ele acredita que o direito dos indígenas em relação à terra é “originário” e que cada caso deve ser analisado individualmente.

Saiba mais: Marco Temporal: os Guardiões da Natureza x o Agronegócio devastador

O Marco Temporal é um enorme ataque aos direitos dos povos indígenas, que vêm sendo violentados, assassinados e expulsos de suas terras há séculos. Nas últimas semanas, os indígenas ocuparam Brasília e fecharam rodovias, mostrando o caminho e a disposição para a luta contra o governo Bolsonaro, defensor da tese, e o judiciário racista.

Pode lhe interessar: Plano de luta junto dos indígenas para derrubar o Marco Temporal de Bolsonaro, STF e agronegócio




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias