ABSURDO

Jovem afirma que PM a agrediu com garrafada no rosto durante massacre de Paraisópolis

No domingo (1º), 9 jovens tiveram suas vidas arrancadas pelas mãos da polícia assassina de João Doria (PSDB). Dentre os feridos está uma Jovem que levou 50 pontos no rosto e alega ter sido agredida por PM.

quarta-feira 4 de dezembro de 2019| Edição do dia

A adolescente, uma das 12 feridas, afirma que foi agredida por um policial militar na madrugada de domingo. A estudante de 17 anos levou 50 pontos no rosto, além dos diversos hematomas e inchaços, inclusive nas costas, onde diz ter sido agredida com cacetete.

A moradora da Zona Oeste de São Paulo diz ter ido ao baile com o namorado, e está traumatizada segundo a mãe. De acordo com relatos a afirmou que a filha teria sido atacada ao tentar ajudar outra jovem que estaria caída no chão e era chutada por um PM.

“Ela afirmou foi ter ouvido bombas atiradas pela PM e também tiros de balas de borracha”, disse a mãe.

Esses relatos começam a aparecer após o massacre cometido no baile do DZ7, em Paraisópolis (um dos maiores bailes funk do país), que causa dor e revolta, onde nove vidas foram interrompidas e dezenas de feridos são vítimas da repressão de um Estado racista e assassino. Toda essa revolta é intensificada devido as declarações do governador de São Paulo, Doria, dizendo que PMs serão "preservados" e irá garantir impunidade aos policiais do massacre de Paraisópolis. Existem também indícios de que os jovens foram asfixiados até a morte e não pisoteados como afirmam os policiais.

Isso demonstra como se trata de uma política de repressão do Estado racista e não um acidente como tentam mostrar. Exigimos a apuração do caso e que as investigações sejam acompanhadas e fiscalizadas rigorosamente por representantes dos direitos humanos, movimentos sociais e organismos da classe trabalhadora para que os policiais envolvidos não sejam acobertados.




Tópicos relacionados

Massacre de Paraisópolis   /    Paraisópolis   /    Juventude    /    Juventude trabalhadora   /    Racismo   /    João Doria   /    Violência policial

Comentários

Comentar