Teoria

MULHERES NEGRAS

Iskra lança “Mulheres negras e marxismo” e traz contribuições para a emancipação das mulheres negras

O novo lançamento das Edições Iskra conta com a organização de Letícia Parks, Odete Assis e Carolina Cacau, e traz uma série de contribuições para a luta revolucionária contra o peso da exploração e opressão que pesa sobre as mulheres negras no capitalismo.

segunda-feira 1º de março| Edição do dia

Após os impressionantes levantes do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) nos EUA, no mundo todo esse ódio se alastrou, com protestos massivos em diversos países e no Brasil servindo como alento para a mobilização dos entregadores de aplicativos - uma categoria precarizada composta majoritariamente por jovens negros.

É nesse clima, e no país com a maior população negra fora da África, que as militantes do Quilombo Vermelho e do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT) se deram o desafio de escrever e organizar o livro “Mulheres negras e marxismo”, com debates iniciais sobre alguns dos principais temas que percorrem a vida das mulheres negras.

Dividido em quatro partes, o livro aborda distintos aspectos do combate das mulheres negras.

Em “Mulheres negras na linha de frente”, quatro combates históricos em que elas tomam a primeira fileira da luta são discutidos: textos sobre o Black Lives Matter nos EUA, a revolução haitiana, a luta contra o apartheid na África do Sul se somam a uma entrevista com Ericka Huggins, que foi parte do Partido dos Panteras Negras na década de 1970.

Na segunda parte, “Mulheres negras e o mundo do trabalho”, mais quatro textos abordam como se dá a questão da exploração capitalista sobre as negras no Brasil, passando pela anatomia da classe trabalhadora, a questão da terceirização, o imenso exército proletário das empregadas domésticas, e ainda resgata a voz de Carolina Maria de Jesus, mulher negra e favelada que com a publicação de seus diários em “Quarto de despejo” projetou em todo o mundo seu grito de revolta contra a absurda condição de vida das mulheres negras no Brasil. Por fim, uma entrevista com Mirtes Renata Santana, mãe do jovem Miguel, morto ao cair de uma janela em decorrência da negligência da patroa de Mirtes, Sari Corte Real.

A terceira parte do livro, denominada “Mulheres negras e estratégia socialista”, aprofunda debates fundamentais sobre a perspectiva marxista e revolucionária para encarar a guerra contra a barbárie capitalista que se impõe sobre os trabalhadores e, com ainda mais força, sobre sua porção feminina e negra. A questão da identidade negra no Brasil, debatendo com concepções como as do colorismo, marca a abertura da sessão, que prossegue com um debate absolutamente imprescindível sobre a questão do papel repressivo do Estado por meio da polícia, acompanhada de uma leitura sobre o conceito de Achille Mbembe de “necropolítica”.

Há ainda depoimentos de mulheres negras que viveram na pele o papel assassino da polícia.

Nessa terceira parte do livro, aparece o debate sobre a interseccionalidade e como o marxismo encara os cruzamentos entre exploração e opressão, entre racismo e machismo, e sobre o punitivismo penal, problematizando que tipo de estratégia é necessário fortalecer para que possamos combater a raiz da miséria que nos é imposta - a divisão da sociedade em classes que é fruto do capitalismo.

A última parte do livro apresenta pequenas biografias de grandes mulheres, lutadoras negras que são exemplos inspiradores para as imensas tarefas históricas que nos aguardam: Sojourner Truth, grande militante abolicionista e pelos direitos das mulheres; Harriet Tubman, lutadora abolicionista que conseguiu auxiliar centenas de negros escravizados a escaparem e conquistarem a sua liberdade nos EUA; Rosa Parks e seu desafio às leis segregacionistas; e também as lutadoras dos quilombos no Brasil, Dandara, Aqualtune Palmares e Luiza Mahin.

O lançamento das Ediçõe Iskra sem dúvida é uma contribuição importante para esses debates imprescindíveis que fortalecerão o combate das mulheres negras e do conjunto da classe trabalhadora por emancipação. Aproveite o preço especial de pré-venda, por R$ 25 diretamente no site da editora.




Tópicos relacionados

VIDAS NEGRAS IMPORTAM   /    Mulheres Contra Bolsonaro   /    negras e negros   /    panteras negras   /    Mulheres   /    mulheres negras   /    Teoria   /    [email protected]   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar