Internacional

Índia: explodiu a raiva dos trabalhadores da iPhone após quatro meses sem salário

Neste sábado, os trabalhadores dirigiram sua raiva contra as instalações do grupo taiwanês que fabrica equipamentos de iPhone para a Apple. Eles denunciam salários não pagos e longas jornadas de trabalho.

terça-feira 15 de dezembro de 2020| Edição do dia

Neste sábado, os trabalhadores dirigiram sua raiva contra as instalações do grupo taiwanês que fabrica equipamentos de iPhone para a Apple. De acordo com relatos da imprensa local, os trabalhadores da fábrica de Iphone do grupo taiwanês Wistrom Infocomm Manufacturing tombaram veículos e quebraram vidros nas instalações localizadas nos arredores da cidade de Bangalore, no sul.

Os trabalhadores relatam quatro meses de salários não pagos e são obrigados a fazer horas extras. Segundo o jornal The Times of India, a fábrica tem cerca de 2.000 trabalhadores, e a maioria deles participou do protesto após o fim do turno da noite.

Um trabalhador disse à TOI que "Embora se paga a um engenheiro graduado um salário de 21.000 rúpias ($ 285) por mês, seu salário foi reduzido para 16.000 ($ 217) e depois para 12.000 ($ 162) por mes. O salário mensal dos não graduados foi reduzido para 8.000 rúpias ($ 108). "Na sexta-feira à noite, os funcionários começaram a discutir sobre seus salários em seus apartamentos e alguns alegaram ter recebido apenas 500 rúpias em suas contas bancárias. A raiva se transformou em violência quando o turno terminou, acrescentou o trabalhador."
O protesto foi reprimido e cerca de 100 trabalhadores foram presos pela polícia.

Segundo o jornal citado, o grupo Wistron recebeu do governo 43 acres na área industrial de Narasapura. Um porta-voz do grupo Wistron disse que "Seguimos a lei, estamos ajudando as autoridades em sua investigação". Por sua vez, a partir dos Estados Unidos, a Apple se isentou da responsabilidade, dizendo que "eles se dedicam a garantir que todos em sua cadeia de suprimentos sejam tratados com dignidade e respeito".

O secretário da central sindical AITUC disse que a culpa é da "exploração brutal dos trabalhadores e das condições das ’fábricas de suor’ da empresa".

Esta explosão de trabalhadores não é um raio em um céu sereno, mas muito pelo contrário. Ocorre em meio a protestos camponeses contra três leis que liberalizam o setor agrícola, que já duram 19 dias e continuam se intensificando.

Nesta segunda-feira, ocorreram mobilizações de pressão, principalmente com o corte de vias de acesso à capital indiana. Uma das principais organizações camponesas contrárias à reforma, a AIKS, insistiu que, apesar das diferentes rodadas de negociações com o Executivo, "a revogação dessas leis é a única forma de suspender os protestos".

Na sexta-feira passada, juntou-se ao protesto da Bangalore Metropolitan Transport Corporation (BMTC), da Karnataka State Road Transport Corporation e de outras empresas estatais. A greve foi ratificada na segunda-feira, apesar de um apelo do sindicato KSRTC, afiliado ao sindicato majoritário AITUC, para voltar ao trabalho.

O governo do nacionalista Narendra Modi está promovendo leis trabalhistas que buscam flexibilizar ao extremo trabalho e reduzir salários, o que já causou uma greve que foi acatada por mais de 200 milhões de pessoas.

Busca passar uma série de reformas neoliberais em um esforço acelerado para transformar a imagem do país com promessas de desregulamentação para favorecer os empregadores industriais.

Modi também busca destruir o atual sistema agrícola, permitindo a abertura e entrada de grandes transnacionais do agronegócio. Isso gerou descontentamento entre os trabalhadores agrícolas e suas famílias. Cerca de 500 milhões de pessoas trabalham direta e indiretamente no setor agrícola e 50% da população, de 1,3 bilhão de habitantes, depende desse setor para sobreviver.

A repressão policial contra os agricultores que protestavam na rodovia Delhi-Jaipur, nos arredores de Delhi, deixou cerca de 20 camponeses detidos, que foram libertados uma hora depois, depois que centenas de agricultores foram mobilizados para sua localização.

O Governo Modi tem desenvolvido um forte perfil nacionalista, xenófobo e racista para com os muçulmanos, paquistaneses e, aproveitando também o confronto com a China, para tentar fundir uma unidade nacional reacionária para avançar no ataque aos trabalhadores. Modi aproveitou a pandemia para fazer planos de liberalização do campo e com leis trabalhistas de caráter neoliberal. O coronavírus, por sua vez, atingiu fortemente a Índia, colocando-a em segundo lugar no mundo em número de casos e mortes.

Essas explosivas manifestações de trabalhadores da cidade e do campo mostram as dificuldades do governo indiano para avançar em um ataque frontal às conquistas históricas da classe trabalhadora e dos trabalhadores agrícolas da Índia.




Tópicos relacionados

Ataques a Salários   /    Narendra Modi   /    Trabalhadores   /    Internacional

Comentários

Comentar