Política

PRIVILÉGIOS DAS FORÇAS ARMADAS

Imunes à carestia de vida, Forças Armadas licitaram R$ 66,5 milhões em filé mignon e salmão

Enquanto população pobre passa fome e forma filas para comer pelo menos um pão, as Forças Armadas esbanjam milhares de toneladas de filé mignon e salmão.

sexta-feira 19 de março| Edição do dia

Em 2020, as Forças Armadas abriram licitações para a compra de R$ 47,8 milhões de uma das carnes mais nobres, o filé mignon. Outros R$ 18,6 milhões estavam direcionados para a compra de 438,8 toneladas de salmão.

As duas mil toneladas de filé mignon foram divididas entre os militares. O Exército licitou 823,9 toneladas, a Marinha com 247,8 e a Força Aérea 187,3 toneladas. O Ministério da Defesa pediu 2,7 toneladas e a Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel), estatal controlada pelos militares, 200 kg de filé.

Talvez te interesse: Enquanto o povo passa fome, Exército vai ganhar R$80 mil com bonecos tipo Rambo

O filé mignon e o salmão são dois alimentos que passam longe da mesa da imensa maioria da população. Enquanto os militares esbanjaram gastos milionários do dinheiro público para a compra de produtos como picanha, cerveja e carvão para seus churrascos, a população trabalhadora e pobre enfrentava o crescimento exorbitante do preço da carne, arroz e dos produtos mais básicos para a sobrevivência.

O ex-ministro da Saúde, General Pazuello, foi o líder militar que junto a Bolsonaro fizeram parte da catástrofe que hoje assola a população, através da pandemia, do desemprego e da fome.

Leia mais: Forças Armadas são investigadas por não oferecer leitos de hospitais militares durante pandemia

Os produtos requintados para um momento de desemprego recorde e com populações periféricas realizando menos de uma refeição por dia em média, foram denunciados por terem um sobrepreço de até 60%.

Entenda: A enrascada dos generais e a mão estendida de Lula




Tópicos relacionados

Inflação nos alimentos   /    Militares na política   /    Crise capitalista   /    Exército   /    Fome   /    Inflação   /    Forças Armadas   /    crise econômica   /    Política

Comentários

Comentar