Sociedade

Hipócrita Crivella se desculpa após afirmar que culpa das enchentes é da falta de higiene

Prefeito afirmou que os alagamentos seriam um problema de higiene da população carioca.

terça-feira 3 de março de 2020| Edição do dia

Um dia após culpar "grande parte da população" pelos estragos causados pela chuva, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse nesta terça-feira, 3, que "talvez tenha" se expressado mal e pediu desculpas.

Na segunda-feira, 2, ao visitar o bairro de Realengo (zona oeste) tremendamente prejudicado pela chuva que atingiu o Rio desde sábado, 29, Crivella disse que "a culpa é de grande parte da população, que joga lixo nos rios frequentemente". Revoltado, um morador não identificado lançou uma bola de lama contra o prefeito, atingido na cabeça e no ombro.

O evangélico ainda afirmou que os alagamentos seriam um problema de higiene, demonstrando o preconceito que o prefeito tem com as regiões mais pobres do Rio.

Apesar das desculpas hipócritas a fim de limpar sua cara com a população, ele reforçou novamente o problema do lixo: "Talvez eu tenha me expressado mal e quero até pedir desculpas, mas o apelo que faço é que a gente evite colocar lixo nas encostas", disse.

Se há um problema de lixo, ele vem das grandes empresas que, apesar das avançadas tecnologias, ainda jogam quantidades de lixo exacerbadamente maiores do que o de toda a população, às custas de enchetes e perdas totais de rios e florestas, visando um maior lucro.

A humilhação e prejuízo da população do Rio de Janeiro e de vários estados do Brasil, como aconteceu também em São Paulo no mês de fevereiro, vem da falta de infraestrutura e investimento dos governos burgueses que alegam não ter verba, mas investem cada vez mais em policiamento que mata os negros todos os dias nos morros cariocas. Investem em pagar a histórica dívida pública, mecanismo de saque do imperialismo nos países semicoloniais.




Tópicos relacionados

Enchentes   /    Marcelo Crivella   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar