×

Privatizações | Guedes quer privatizar e entregar a Petrobras e o BB nas mãos dos empresários em 10 anos

segunda-feira 27 de setembro | Edição do dia

O ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes. declarou durante evento da International Chamber of Commerce (ICC) Brasil, que o plano econômico para os próximos 10 anos é avançar com as privatizações de forma irrestrita, citando diretamente a Petrobras e o Banco do Brasil, as duas estatais que o ministro sonha em rifar e entregar para as mãos dos grandes empresários imperialistas.

Guedes disse que a ideia é que o estado brasileiro se transforme em um “controlador de despesas”, atraindo investimentos privados e acelerando a desestatizações e reforçando o programa social. Também pretende mudar o regime previdenciário para capitalização, o que vimos o resultado desastroso desse regime no Chile.

Pode te interessar No Chile, mais um casal de aposentados se suicidam devido a precarização da Previdência

“Falhamos com as privatizações? Não andamos no ritmo que gostaríamos, mas privatizamos R$ 240 bilhões em 2 anos e meio”, disse o ministro, acrescentando que até o momento as operações envolveram subsidiárias, mas que “as grandes empresas”, como os Correios, vêm agora.

A Petrobras e o Banco do Brasil são as estatais mais cobiçadas pelos capitalistas. Não a toa, o imperialismo norte americano, através da Lava Jato, iniciou suas operações na Petrobras, o principal patrimônio público do país, visando o desmonte da empresa e abrir mais espaço para a Shell e o mercado financeiro. O Banco do Brasil também vem sofrendo o desmonte há anos e tem 50% dos seu patrimônio nas mãos de acionistas.

As privatizações que Guedes se orgulha tanto de ter realizado, geraram mais desemprego e precarização dos postos de trabalho, com menos direitos e salários menores. Enquanto isso a população passa fome com a alta dos alimentos, cestas básicas chegando a quase um salário mínimo. Junto com as reformas, como a da Previdência, pavimentaram o caminho para a explosão da inflação e do desemprego, o que foi aprofundado principalmente durante a pandemia e a crise capitalista que está em curso há mais de 10 anos.

Veja também: Mil dias de governo Bolsonaro: 600 mil mortes, 14 mi de desempregados, fila por osso, e devastação ambiental




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias