×

ORIENTE MÉDIO | Greves de fome e crise econômica no Líbano

A raiva explodiu na cidade de Tripoli, no norte do Líbano, devido à deterioração acelerada das condições de vida desde 2019, enquanto o país afunda em uma crise econômica e social.

segunda-feira 5 de julho | Edição do dia

O país dos cedros no passado foi um exemplo de estabilidade e crescimento econômico, costumava ser a chamada "Suíça do Oriente Médio". Mas a guerra civil que terminou em 1990 destruiu essa imagem e, nos últimos dois anos, a instabilidade política aliada a uma crise social e econômica transformaram o pequeno país numa bomba-relógio sistemática.

No dia 29 de junho, o governo libanês aumentou os preços dos combustíveis em conformidade com o compromisso da semana passada de cortar subsídios. Esta medida teve como objetivo aliviar a escassez de combustível em todo o país, mas afeta diretamente os usuários mais pobres ao ter um impacto na geração de eletricidade e no preço de todos os produtos básicos. O Líbano é um país que vive no escuro, não tem mais de 3 horas de energia elétrica por dia em alguns bairros e 6 horas em média em todo o território.

Nas últimas semanas, a cidade de Trípoli, ao norte, tem se manifestado contra essas condições de vida, onde alimentos e remédios também são escassos. O governo teve que enviar o exército para reprimir os protestos que invadiram edifícios públicos e bancos. No 30 de junho, milhares saíram às ruas para enfrentar a força repressiva do Estado fazendo com que as tropas libanesas recuassem, transformando os atos em uma verdadeira revolta social. Os manifestantes, fartos de viver sob uma inflação galopante que ultrapassa os 150%, não recuaram dos disparos de munição real dos soldados enviados para conter a ira popular.

Em cidades como Al-Tal, os jovens manifestaram-se com armas de fogo disparando para o ar. Eles também exigiram o fechamento de bancos e empresas em protesto contra a deterioração das condições de vida. Nas cidades de Tabbaneh e no bairro de Al-Barani, armas de fogo também foram utilizadas nos protestos com grande indignação devido à falta de combustível, falta de energia e preços exorbitantes.

Além disso, nas áreas consideradas entre as mais pobres do país, a indignação invadiu a população com a morte de uma criança em decorrência de cortes de energia que desligaram sua máquina de oxigênio. Além disso, alguns hospitais estão adiando cirurgias para economizar suprimentos médicos vitais, como anestésicos.

A capital, Beirute, e grandes cidades como Sidon, também viram fortes protestos nos últimos dias sobre a escassez de combustível nos postos de gasolina onde as chamadas "linhas da vergonha" foram formadas. Os manifestantes bloquearam estradas queimando pneus e lixo nas ruas para montar barricadas. Os confrontos entre a polícia e os manifestantes deixaram quase 20 pessoas feridas apenas na cidade de Trípoli, no norte do país. Para o prefeito da cidade “a situação está descontrolada”.

Para acalmar as águas, o parlamento libanês aprovou na quarta-feira um subsídio em dinheiro para famílias com dificuldades econômicas. A medida paliativa custará 556 milhões de dólares por ano e poderá permitir o levantamento de um programa de subsídios de 6.000 milhões de dólares para bens básicos. Cada família elegível para o programa receberia cerca de 93 dólares por mês, de acordo com a Reuters. No entanto, a escassez de divisas no país não anuncia que seja uma medida sustentável.

Uma crise orgânica crescente

O Líbano está em uma situação de crise orgânica cujo ponto de partida pode ser estabelecido no início de 2019. Desde então, vários ministros caíram e ainda não conseguiram formar um governo no parlamento. O Banco Mundial, em junho, classificou a crise econômica do país entre as mais graves e piores desde meados do século 19, criticando o fracasso oficial na implementação de políticas que amenizem a situação desde a eclosão da primeira crise. O mesmo relatório constatou que o produto interno bruto do país caiu de $55 bilhões em 2018 para apenas $33 bilhões em 2020, com o PIB per capita caindo cerca de 40%.

A libra libanesa está em alta. Para cada dólar, o libanês deve pagar entre 17.000 e 18.000 de libras no mercado negro. Já o Banco Central retém os dólares em uma espécie de “cerca” para evitar a crise de reservas. Isso atinge milhares de famílias que vivem de auxílios enviados do exterior por milhões de trabalhadores, que viram parte de seus salários, distribuídos em diversos países do mundo, principalmente na França.

A pobreza extrema triplicou desde 2019, quando a economia estava se aproximando de um precipício. Para muitas famílias, serviços básicos como saúde, eletricidade, água, Internet e educação estão quase fora de alcance. Mas isso teve pouco impacto sobre os políticos que tentam proteger um sistema de clientelismo que segue linhas sectárias. Isso minou a governança que estava nas mãos das principais famílias e políticos emergentes da guerra civil de 1975 a 1991. A indignação geral passa pela corrupção endêmica, onde o patrocínio étnico-religioso está na ordem do dia.

Entre as principais fontes de corrupção estão os contratos essenciais do Líbano, cobrindo importação de combustível, geração de eletricidade, telecomunicações, biometria e passaportes. Por exemplo, um dos negócios de empresários ligados ao governo, passa pela retenção de combustíveis e remédios nos navios para aumentar as margens de lucro para serem vendidos a preços mais altos na Síria.

Esta situação arrastou o país para sucessivas crises políticas abertas. A explosão em 2020 de um armazém com quase 3.000 toneladas de nitrato de amônio - um produto químico às vezes usado para fazer explosivos - não foi um cisne negro que explodiu na cara da elite política libanesa, mas fez parte de uma parte da escalada de uma crise não resolvida no país , aprofundando a situação. Diante da catástrofe, o então primeiro-ministro Hassan Diab renunciou ao cargo e, desde agosto de 2020, nenhum governo foi formado no país.

No Líbano, a eletricidade é cortada por longas horas, às vezes ultrapassando as 21 horas diárias, além do racionamento imposto pelos proprietários de geradores de bairros por falta de combustível, interrompendo o trabalho em hospitais ou outros locais.

Essas crises coincidem com o aumento da taxa de desemprego, da inflação, da interrupção no abastecimento de um grande número de medicamentos e do aumento dos preços dos alimentos em sua maioria importados, o que tem acelerado a propagação da pobreza em grande escala. Metade da população vive agora abaixo da linha da pobreza, de acordo com as Nações Unidas.

A isto acrescenta-se que o colapso financeiro pode comprometer a sustentabilidade do Exército, ferramenta fundamental que mantém unidas as diferentes facções do país desde os Acordos de Taif que permitiram a reunificação nacional. Nesse sentido, vários altos comandos do Exército deram o alerta de que a situação está gerando instabilidade.

Todos esses elementos mostram que está se desenvolvendo no Líbano uma crise orgânica difícil de resolver. Os protestos estão aumentando e ocorrem em todas as regiões do país, o que significa que tanto no sul de maioria xiita, no centro crítico maronita e no norte sunita, eles têm como alvo o governo sem entrar - como faz a casta dominante - em confrontos entre grupos étnicos religiosos.

No último dia 17 de junho, milhares de trabalhadores libaneses participaram de uma greve geral convocada pelos sindicatos que paralisou a economia do país, exigindo respostas à situação, ridicularizando a casta política. Embora o governo tente silenciar os protestos com subsídios à miséria, os levantes regionais mostram uma foto do que pode acontecer nos próximos dias onde as massas exigem mais do que migalhas. Como disse um ativista do Movimento Futuro, residente de Trípoli, Mustapha Alloush, "o que está acontecendo é apenas o começo."




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias