Sociedade

Greve do Clima 25S: contra o capitalismo que destrói o Pantanal, a natureza e nosso futuro

As queimadas no Pantanal só aumentam e já alcançam mais de 15% do bioma. A depredação do meio ambiente vem se aprofundando com governos como o Bolsonaro que deixam bem claro como priorizam a proteção dos lucros capitalistas do agronegócio à proteção ambiental. Neste 25 de setembro está sendo convocada uma Greve pelo Clima, chamamos a todos a participarem, virtual e/ou presencialmente.

terça-feira 22 de setembro| Edição do dia

Nesta sexta-feira, 25, diversas cidades pelo mundo estão confirmando participação e convocação no Ato Global pelo Clima diante de toda a crise e degradação do meio ambiente que vem se aprofundando devido a ganância capitalista que não para de invadir reservas, desmatar florestas e queimar biomas inteiros.

No Brasil ganha proporções mais profundas quando vemos que há semanas o Pantanal, bioma único no mundo, vem sofrendo com queimadas nunca antes vistas. A fumaça, fruto da queimada, já alcança mais de 4 mil quilômetros, atingindo mais de 5 países.

O governo Bolsonaro, desde ano passado, seu primeiro ano de governo, já deixou bastante claro como sua política está ao lado do agronegócio e ambição capitalista, não se importando com nenhuma política de proteção ambiental, como vimos com as queimadas na Amazônia há um ano e agora com esta destruição do Pantanal.

O ministro Ricardo Salles chegou a dizer que a gestão Bolsonaro deveria aproveitar a pandemia e atenção para outros temas, para “passar a boiada”, sucateando órgãos de fiscalização das matas e florestas. Agora em setembro declarou que defende o uso do chamado “fogo preventivo” como forma de diminuir matéria orgânica acumulada no Pantanal.

Infelizmente, entretanto, a degradação ambiental não ocorreu somente no governo Bolsonaro, mas é parte da história do nosso país, rico em biomas e longas extensões naturais. O agronegócio, que se fortaleceu profundamente nos últimos anos e governos, tem prioridade em relação às terras brasileiras, mesmo que isso signifique desmatamento, queimada, extinção e destruição.

Diante disso tudo, o dia 25 de setembro está sendo chamado em diversas regiões do planeta e aqui no Brasil ganha contornos especiais. A juventude que vê seu futuro sendo negado, seja pelos ataques neoliberais que nos tira o direito de se aposentar, de ter direitos e condições trabalhistas dignas, seja pelo ataque à natureza que destrói a natureza, rifando o planeta das futuras gerações. A ativista adolescente Greta Thunberg está na linha de frente de convocar esta greve mundial pelo clima, declarando que “neste 25 de setembro outra vez faremos greve pelo clima e o faremos de formas diferentes, dependendo de como esteja a situação pelas restrições da covid-19 nas ruas, seja virtualmente, seja fisicamente com distanciamento social”.

Nós da Juventude Faísca estaremos nas ruas neste dia defendendo o futuro da juventude que se vê ameaçado pela sede capitalista que em nome do lucro do agronegócio e de grandes empreiteras e empresas, destrói a natureza, nos priva da possibilidade de conhecermos biomas e paisagens únicas. Estaremos gritando contra as queimadas que o governo Bolsonaro não somente despreza e diminui, como é conivente. Chamamos todos os jovens, trabalhadores e população em geral a participar das mobilizações, virtuais e/ou presenciais, nesta sexta-feira, 25 de setembro.

Confira aqui evento do ato convocado para São Paulo às 17h no 25 de setembro




Tópicos relacionados

greve global pelo clima   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Agronegócio   /    Sociedade   /    Meio Ambiente   /    Juventude

Comentários

Comentar