Sociedade

FUTEBOL | MARADONA

"Gracias por haber jugado al fútbol". Até sempre, Maradona!

quinta-feira 26 de novembro de 2020| Edição do dia

"Gracias por haber jugado al fútbol", em português, "obrigado por ter jogado futebol". Há alguns anos atrás essa foi a resposta de Diego Armando Maradona quando perguntado quais seriam suas palavras em seu próprio velório. "Obrigado por ter jogado futebol. E obrigado à bola".

A partir de hoje, o mundo será um lugar diferente. Não apenas o futebol. O jogador da eterna polêmica entre Brasil e Argentina, o das jogadas inacreditáveis, dos títulos, da canhota mortífera. Mais do que isso, a idolatria incomparável que atingiu na Argentina e no sul da Itália, e que definitivamente bate nos apaixonados não apenas por um esporte, mas pelo que ele representa, como festa, e na alegria que ele proporciona.

Maradona não foi o maior jogador da história apenas pelo que fazia dentro de campo. Era, e ainda será, um símbolo de uma forma de viver o futebol. Recusou o dinheiro do River Plate para jogar no Boca Junior, clube do seu coração. Não teve sua história no futebol marcada pela passagem no gigante Barcelona, mas sim em Nápoles, onde conduziu o modesto Napoli a dois títulos italianos e uma Copa da Itália. Sua idolatria em Nápoles é tão grande que na semifinal da Copa de 1990, entre Argentina e Itália, disputada na cidade, tiveram que fazer campanhas para que a torcida local apoiasse a seleção italiana.

Fica marcado, por, como dizem alguns hermanos, ter "tocado o céu com as mãos", se atrevendo a driblar o time inteiro da Inglaterra em 1986, e cometendo o disparate de marcar o gol mais bonito da história do futebol, e um gol que o futebol dos tempos de hoje teria matado com o VAR e suas tecnocracias.

Dois gols que valiam um peso de uma guerra, e que marcaram a narração de Victor Hugo Morales, um grito e um choro de quem carregava o peso de 4 anos antes, na guerra das Malvinas. Como disse Diego em sua autobiografia "Me senti roubando a carteira dos ingleses." 4 anos depois, em um rápido movimento e uma grande dose de malandragem, Maradona vingava o cruzador Belgrano.

Oscar Ruggeri, ex-companheiro de Maradona na seleção argentina contou, na tarde desta quarta (25), na ESPN, que Maradona passou os últimos anos de sua vida buscando se sentir útil ao futebol. "En la cancha", dentro de campo, era onde queria estar. O último clube que treinou foi o Gimsnásia y Esgrima. Queria estar ali, ainda querido e sentindo-se necessário ao futebol. E pode apostar, que aos que amam o esporte para além do campo e das quatro linhas, a memória e o legado de Maradona sempre serão necessários e revisitados.

Maradona apenas era Maradona, seu amor pelo futebol, suas opiniões políticas fortes, sua torcida pelo Boca. Suas histórias partes da mística e da malandragem de um futebol que já se foi, como a água batizada contra o Brasil - que ele contava em rede nacional sem pudores nem meias palavras. E seguirá sendo. Como já escreveu Eduardo Galeano, "Diego Armando Maradona foi adorado não só pelos seus prodigiosos malabarismos, mas também porque ele era um deus sujo, pecador, o mais humano dos deuses. Qualquer um podia reconhecer nele uma síntese ambulante das fraquezas humanas"

Não morreu somente um ex-jogador de Boca, de Barcelona, de Napoli. Não morreu somente o maior craque argentino da história do futebol. Morreu um símbolo, uma representação viva do que é o futebol. Morreu uma parte da história do futebol uma parte da paixão pelo futebol.

Hoje a bola morreu. Hoje morreu o futebol. O vamos renascer toda a vez que assistirmos um pouco de Maradona. Renascer o futebol das arquibancadas, da alegria desenfreada que ele desperta, e da alegria que Maradona nos despertou com uma bola nos pés.




Tópicos relacionados

Diego Maradona   /    Esportes   /    Copa do Mundo   /    Argentina   /    Esporte   /    Futebol   /    Sociedade

Comentários

Comentar