Educação

ABSURDO

Governo do estado do Rio gasta com papai Noel enquanto professores amargam quase seis anos de congelamento salarial

O secretário de educação Pedro Fernandes anunciou nas redes sociais um convite para alunos e professores assistirem a chegada do papai Noel de helicóptero no Maracanã com a secretária de educação bancando o transporte, o que provocou a revolta entre os professores da rede que já estão há quase seis anos com o salário congelado.

quinta-feira 19 de dezembro de 2019| Edição do dia

Na busca de se consolidar no papel de relações públicas do governo Witzel, o secretário de educação Pedro Fernandes partiu para uma jogada demagógica, revivendo o antigo evento da chegada do papai Noel de helicóptero no Maracanã. A “chegada do papai Noel” foi um evento criado nos anos 50 pelo jornal O Globo e financiado pela Coca-Cola, que teve seu ápice nos anos 70 e foi encerrado no final dos anos 80, com algumas tentativas de revivê-lo ao longo da década de 90 e no início dos anos 2000. No final das contas tratava-se se uma grande publicidade tanto para as empresas envolvidas. E desta vez, quem estará fazendo publicidade?

Leia mais: Datafolha revela que mais da metade da população carioca rechaça a segurança pública de Witzel

Em um vídeo divulgado em inúmeros grupos de whatsapp de professores, o secretário anunciou o retorno do programa e que a secretaria de educação iria arcar com o transporte de alunos, professores e familiares em escola de todo o estado, como colocou a responsabilidade de organizar todo essa logística diretamente sobre as direções escolares justamente no momento de fechamento do ano, com os últimos conselhos de classe ainda acontecendo. “Eu sei que vai ser corrido...”, ironizou o secretário.

Esse anúncio veio logo após o fiasco da "expo feira do livro", que provocou um desgaste na imagem que o secretário vinha tentando construir ao expor milhares de profissionais da educação a uma série de humilhações para conseguirem usufruir de um vale-cultura de R$500,00. A repercussão do primeiro dia do evento foi tão ruim, que o secretário veio a público pedir desculpas. Mais do que isto, durante os conselhos de classe diversas escolas receberam visitas de representantes da secretária de educação que além de pressionar os professores para maquiarem os resultados das avaliações, também fazem propaganda do secretário.

Este anúncio, bem como os recentes eventos, estão provocando a inquietação entre os profissionais da educação, que observam a verba da secretaria ser utilizada para todo tipo de fim demagógico, atropelando inclusive o planejamento pedagógico das escolas, enquanto permanecem com o mesmo salário do primeiro semestre de 2014, tendo que se sobrecarregarem com GLPs para compensar as perdas com a inflação. É preciso canalizar indignação dos professores para construir um movimento desde a base capaz de romper a passividade das direções do SEPE e questionar este governo sanguinário, que tenta nos enganar com migalhas enquanto assassina nossos estudantes e precariza a educação.




Tópicos relacionados

Wilson Witzel   /    Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar