×

Miséria capitalista | Governo Bolsonaro coloca mais de 2 milhões de famílias na extrema pobreza

Já são mais de 14 milhões de famílias na extrema pobreza no Brasil. A insegurança alimentar aumentava desde o governo Temer, e a inflação e desemprego do governo Bolsonaro colocam na extrema pobreza 2 milhões de famílias, o maior número registrado desde 2012.

segunda-feira 27 de setembro | Edição do dia

Imagem: Paula Fróes/BBC

Segundo os dados do Cadastro único do governo federal (CadÚnico), entre janeiro de 2019 e junho de 2021, desde o início do governo Bolsonaro, 2 milhões de famílias com renda reduzida caíram para a extrema pobreza.

Em dezembro de 2018, o número era de 12,7 milhões de famílias, em junho de 2021 o número passou a 14,7 milhões. O número é o maior registrado desde o início dos registros, em agosto de 2012. Além disso, o IBGE já havia identificado durante o governo Temer, entre 2017 e 2018, um aumento significativo de 33% na insegurança alimentar.

- Brasil: A irracionalidade capitalista da fome no “celeiro do mundo”

Se encaixam na extrema pobreza famílias com renda per capita de até R$89 mensais, se encontrando em insegurança alimentar recorrente. O número de famílias na pobreza, com renda per capita de R$90 a R$178 mensais, chega aos 2,8 milhões.

A renda dessas famílias é quase dez vezes menor que o salário mínimo, que ainda assim é insuficiente no clima de inflação e desemprego atual: segundo o Dieese, a cesta básica teve variação média de 22%, e o salário mínimo deveria ser de R$5422, cinco vezes maior que o valor atual.

Leia também: 2/10: derrotar Bolsonaro com um programa operário para que os capitalistas paguem pela crise




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias