Economia

TRIBUNA ABERTA

G20: a solução da dívida

Reproduzimos a análise do economista marxista Michael Roberts publicada no site Sin Permisso sobre a cúpula do G20 e o problema da dívida.

segunda-feira 23 de novembro de 2020| Edição do dia

FOTO: G20

Neste fim de semana, aconteceu a cúpula dos líderes do G20, não fisicamente, é claro, mas virtualmente. Tendo a Arábia Saudita como o orgulhoso anfitrião, o conhecido bastião da democracia e dos direitos civis, o G20 se concentra no impacto da pandemia COVID-19 na economia global.

Em particular, os líderes estão alarmados com o enorme aumento nos gastos públicos gerado pela depressão, o que forçou os principais governos capitalistas a suavizar seu impacto nas empresas, grandes e pequenas, e na população trabalhadora em geral. As estimativas do FMI são de que o estímulo fiscal e monetário combinado nas economias avançadas foi equivalente a 20% de seu produto interno bruto. Os países de renda média em desenvolvimento não conseguiram injetar tantos gastos públicos, mas ainda assim alcançaram uma resposta combinada equivalente a algo entre 6% e 7% do PIB, de acordo com o FMI. Nos países mais pobres, entretanto, a reação foi muito mais modesta. Juntos, eles injetaram gastos equivalentes a apenas 2% de seu PIB, um número muito baixo, em reação à pandemia. Isso deixou suas economias muito mais vulneráveis ​​a uma recessão prolongada, que poderia jogar milhões de pessoas na pobreza.

A situação torna-se mais urgente à medida que as consequências da crise pandêmica começam a ser sentidas. Esta semana, a Zâmbia se tornou o sexto país em desenvolvimento a deixar de pagar ou reestruturar suas dívidas em 2020 e mais países são esperados nessa lista, conforme o custo econômico do vírus aumenta, mesmo que existam boas notícias sobre vacinas em potencial.

O Financial Times comenta que: "Alguns analistas pensam que mesmo grandes países em desenvolvimento como o Brasil e a África do Sul, ambos do G20, podem enfrentar sérios desafios na obtenção de financiamento nos próximos 12 a 24 meses."

Até agora, os governos do G20 pouco fizeram para prevenir ou amenizar esse iminente desastre da dívida. Em abril, Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, disse que as necessidades de financiamento externo dos mercados emergentes e dos países em desenvolvimento eram de "trilhões de dólares". O próprio FMI desembolsou US$ 100 bilhões em empréstimos de emergência. O Banco Mundial reservou US$ 160 bilhões para emprestar por 15 meses. Mas até o Banco Mundial reconhece que "os países de renda baixa e média precisarão de US$ 175 bilhões a US$ 700 bilhões por ano".

A única inovação coordenada foi uma iniciativa de suspensão do serviço da dívida (DSSI) introduzida em abril pelo G20. O DSSI permitiu que 73 dos países mais pobres do mundo adiassem pagamentos. Mas adiar pagamentos não é uma solução: a dívida permanece e mesmo se os governos do G20 mostrarem maior flexibilidade, os credores privados (bancos, fundos de pensão, fundos de cobertura e os “vigilantes” de títulos) continuam exigindo seu pedaço do bolo.

Nas economias desenvolvidas e em algumas economias de mercado emergentes, as compras de dívida do governo pelo banco central ajudaram a manter as taxas de juros em mínimos históricos e apoiaram os empréstimos públicos. Nessas economias, a resposta fiscal à crise foi massiva. No entanto, em muitos mercados emergentes altamente endividados e economias de baixa renda, os governos tiveram escopo limitado para aumentar os empréstimos, o que prejudicou sua capacidade de aumentar o apoio aos mais afetados pela crise. Esses governos enfrentam decisões difíceis. Por exemplo, em 2020, a proporção entre dívida pública e receita tributária atingirá mais de 480% nos 35 países da África Subsaariana elegíveis para DSSI.

Mesmo antes de a pandemia estourar, a dívida global atingiu níveis recordes. De acordo com o IIF, em mercados ’maduros’, a dívida ultrapassou 432% do PIB no terceiro trimestre de 2020, mais de 50 pontos percentuais ano a ano. A dívida global total chegará a US$ 277 trilhões no final do ano, ou 365% do PIB mundial.

Muito do aumento da dívida entre as chamadas economias em desenvolvimento ocorreu na China, onde os bancos estatais expandiram os empréstimos, enquanto os empréstimos de ’bancos paralelos’ aumentaram e os governos locais passaram a realizar um maior número de empreendimentos imobiliários e de infraestrutura utilizando a venda de terrenos para financiá-los.

Como resultado, muitos especialistas "ocidentais" acreditam que a China está entrando em uma grande crise de inadimplência que afetará seriamente o governo de Pequim e sua economia. Mas essas previsões têm se repetido nas últimas duas décadas, desde o pequeno "reajuste de ativos" após 1998. Apesar do aumento dos níveis de dívida na China, tal crise é pouco provável.

Em primeiro lugar, a China, ao contrário de outras grandes e pequenas economias emergentes com dívidas elevadas, tem uma enorme reserva em moeda estrangeira de US$ 3 trilhões. Em segundo lugar, menos de 10% de sua dívida está em mãos estrangeiras, ao contrário de países como Turquia, África do Sul e grande parte da América Latina. Terceiro, a economia chinesa está crescendo. Ela se recuperou da recessão pandêmica muito mais rápido do que as outras economias do G20, que ainda estão em recessão.

Além disso, se algum banco ou companhia financeira falir (e alguns faliram), o sistema bancário estatal e o próprio Estado estão prontos para socorrê-los ou permitir a "reestruturação". E o Estado chinês tem poder suficiente para reestruturar o setor financeiro, como mostra o recente bloqueio do planejado lançamento do ’finbank’ de Jack Ma. Diante de qualquer sinal sério de que o setor financeiro e imobiliário chinês está ficando "grande demais para quebrar", o governo pode e vai agir. Não haverá colapso financeiro. Mas essa não é a situação no resto do G20.

E o mais importante, globalmente, o aumento da dívida ocorreu não apenas na dívida do setor público, mas também no setor privado, especialmente na dívida corporativa. As empresas em todo o mundo aumentaram seus níveis de endividamento enquanto as taxas de juros eram baixas ou até zero. As grandes empresas de tecnologia fizeram isso para acumular dinheiro, recomprar ações para aumentar seus preços ou realizar fusões, mas as empresas menores, cuja lucratividade havia sido baixa por uma década ou mais, fizeram isso apenas para manter a cabeça fora d’água e continuar respirando. Esse grupo tem se tornado cada vez mais zumbi (ou seja, os lucros não são suficientes para cobrir os juros da dívida). Essa é a receita para uma eventual suspensão de pagamentos, quando os juros voltarem a subir.

O que deve ser feito? Uma solução oferecida é mais crédito. No G20, os funcionários do FMI e outros farão pressão não apenas por uma extensão do DSSI, mas também por uma duplicação da qualidade de crédito do FMI por meio de Direitos Especiais de Saque (SDRs). Este é um meio de pagamento internacional, como o ouro em certo sentido, e uma moeda fiduciária avaliada com base em uma cesta das principais moedas, como dólar, euro e iene, e emitida apenas pelo FMI.

O FMI os emitiu em crises anteriores e seus defensores dizem que deve fazê-lo agora. Mas a proposta foi vetada pelos Estados Unidos em abril. "SDRs significa dar aos países em desenvolvimento liquidez incondicional", diz Stephanie Blankenburg, diretora de financiamento e desenvolvimento de dívidas da Unctad. "Se as economias avançadas não chegarem a um acordo, todo o sistema multilateral estará praticamente falido."

Isso é verdade. Mas será que a solução é ainda mais dívida (desculpem, ’crédito’) que se acumula no topo da montanha existente, mesmo no curto prazo? Por que os líderes do G20 não concordam em cancelar as dívidas dos países pobres, e por que não insistem que os credores privados façam o mesmo?

Claro, a resposta é óbvia. Isso significaria enormes perdas globais para detentores de títulos e bancos, possivelmente desencadeando uma crise financeira nas economias avançadas. Em um momento em que os governos estão enfrentando enormes déficits orçamentários e níveis de dívida pública bem acima de 100% do PIB, eles enfrentariam um mega salvamento de bancos e instituições financeiras, à medida que o peso da dívida dos países emergente cobra seu preço nos mercados domésticos dos países desenvolvidos.

Recentemente, o ex-economista-chefe do Bank for International Settlements, William White, foi entrevistado sobre o que fazer. White é um discípulo veterano da escola austríaca de economia, que atribui as crises do capitalismo não às contradições inerentes ao modo de produção capitalista, mas à expansão "excessiva" e "descontrolada" do crédito, e isso acontece porque as instituições que operam fora do funcionamento "perfeito" dos mercados monetários capitalistas interferem na criação de dinheiro e juros, em particular os bancos centrais.

White culpa os bancos centrais pela iminente crise da dívida. "Eles seguiram políticas erradas nas últimas três décadas, o que levou ao aumento da dívida e à instabilidade cada vez mais perigosa no sistema financeiro." Ele continua: “meu ponto é: os bancos centrais criam instabilidades, então eles têm que salvar o sistema durante a crise, e com isso eles criam ainda mais instabilidade. Eles continuam atirando no próprio pé."

Há alguma verdade nesta análise, como até mesmo o Federal Reserve admitiu em seu último relatório sobre a estabilidade financeira nos Estados Unidos.

Os ativos do banco central do G7 aumentaram US$ 7 trilhões em apenas oito meses, em contraste com o aumento de US$ 3 trilhões em 2009, após o colapso do Lehman Brothers em 2008. O Fed admite que a economia mundial estava em apuros antes pandemia e precisava de mais crédito: "Após uma longa recuperação global da crise financeira de 2008, a perspectiva de crescimento corporativo e lucros enfraqueceu no início de 2020 e tornou-se mais incerta." Mas enquanto as injecções de crédito geraram uma “diminuição dos custos financeiros que reduziram o peso da dívida”, estimularam uma maior acumulação de dívida que, juntamente com a diminuição da qualidade dos activos e dos padrões de subscrição de crédito mais baixo, “significa que as empresas estão cada vez mais expostas ao risco de uma grande recessão econômica ou de um aumento inesperado das taxas de juros. Portanto, os investidores se tornaram mais suscetíveis a mudanças repentinas no sentimento do mercado e um endurecimento das condições financeiras em resposta a choques."

Na verdade, as injeções do banco central adiaram o problema, mas não resolveram nada: “As medidas tomadas pelos bancos centrais visaram restaurar o funcionamento do mercado e não resolver as vulnerabilidades subjacentes que fizeram com que os mercados ampliassem o estresse. O sistema financeiro continua vulnerável a outra tensão de liquidez, à medida que as estruturas e mecanismos subjacentes que deram origem à turbulência permanecem em vigor. ”Portanto, o crédito foi adicionado ao crédito anterior e a única solução é mais crédito. White defende outras soluções. Ele diz: “Não há como voltar a qualquer forma de normalidade sem lidar com o superendividamento. Este é o elefante na sala. Se concordarmos que a política dos últimos trinta anos criou uma montanha cada vez maior de dívidas e uma instabilidade crescente no sistema, então temos que lidar com isso."

Ele oferece “quatro maneiras de se livrar do excesso de inadimplência. Primeiro: famílias, empresas e governos tentam economizar mais para pagar suas dívidas. Mas sabemos que isso o leva ao paradoxo keynesiano da poupança, no qual a economia entra em colapso. Portanto, esse caminho leva ao desastre. ” Portanto, nada de“ austeridade ”.

A segunda maneira: “tentar sair do superendividamento por meio de um crescimento econômico real mais forte. Mas sabemos que o superendividamento impede o crescimento econômico real. Claro, devemos tentar aumentar o crescimento potencial por meio de reformas estruturais, mas é improvável que esta seja a solução mágica que nos salvará.” White diz que esta segunda maneira não pode funcionar se o investimento produtivo for muito baixo devido ao fardo de a dívida ser muito alta.

O que White omite aqui é o baixo nível de lucratividade do capital existente que impede os capitalistas de investir produtivamente com crédito adicional. Por "reformas estruturais", White se refere a demitir trabalhadores e substituí-los por tecnologia e destruir o que resta de direitos e condições de trabalho. Isso poderia funcionar, diz ele, mas não acredita que os governos vão implementá-lo com determinação suficiente.

White continua: "Isso nos deixa duas formas restantes: crescimento nominal mais alto, isto é, inflação mais alta, ou tentativa de se livrar da inadimplência por meio de reestruturação e cancelamento." Uma inflação mais alta pode muito bem ser uma opção, à qual as políticas keynesianas / MMT levariam, mas na verdade implica que a dívida é paga em termos reais, reduzindo o padrão de vida para a maioria das pessoas e reduzindo o valor real dos empréstimos feitos por bancos. Os devedores ganham às custas dos credores e do trabalho.

White, mesmo sendo um bom economista da escola austríaca, opta por cancelar dívidas. “Isso é o que eu recomendo altamente. Abordar o problema, tentar identificar dívidas inadimplentes e reestruturá-las da maneira mais ordenada possível. Mas sabemos como é extremamente difícil reunir credores e devedores para resolver isso de forma cooperativa. Nossos procedimentos atuais são completamente inadequados.” Na verdade, além do fato de que o FMI-G20 e o resto não têm ’estrutura’ para fazer isso, essas instituições líderes não querem causar um colapso financeiro e uma depressão mais profunda ’pagando’ a dívida, conforme proposto por funcionários do Tesouro dos EUA durante a Grande Depressão da década de 1930.

Em vez disso, o G20 concordará em estender o plano de adiamento do DSSI, mas não cancelará nenhuma dívida. Ele provavelmente nem concordará em expandir o fundo de SDR. Ele espera progredir às custas dos países pobres e de seu povo; e trabalhadores em todo o mundo.

Michael Roberts Blog: https://thenextrecession.wordpress.com/




Tópicos relacionados

Economia Internacional   /    Crise econômica Mundial   /    G20   /    Crise capitalista   /    Economia   /    Internacional

Comentários

Comentar