Internacional

ESTADOS UNIDOS

Frustrada uma suposta conspiração de extrema direita para sequestrar a governadora de Michigan

O FBI desarma um grupo de pessoas ligadas a uma milícia de extrema direita. Eles foram presos e acusados com base em informações do FBI, de planejamento do sequestro e possível assassinato da governadora de Michigan, nos Estados Unidos, a democrata Gretchen Whitmer.

sábado 10 de outubro| Edição do dia

Na quinta-feira, o tribunal federal de Michigan acusou formalmente seis pessoas de conspiração por tentativa sequestro da governadora e de outras autoridades, enfrentando agora uma sentença de prisão perpétua.

Ao mesmo tempo, o estado de Michigan acusou crimes relacionados ao "terrorismo" contra outro grupo de sete membros da milícia "Wolverine Watchman", uma organização de supremacistas de extrema-direita infiltrada pelo FBI.

De acordo com a agência de inteligência interna, membros da milícia adquiriram armas, fiscalizaram a governadora em sua casa e treinaram para sequestrá-la ou assassiná-la junto com outros membros do governo do estado de Michigan antes das eleições de 3 de novembro.

Segundo a procuradora-geral de Michigan, Dana Nessel, em entrevista coletiva, os réus pertenciam à milícia "Wolverine Watchman", tinham a intenção de instigar uma guerra civil no país, enfrentando acusações relacionadas a "terrorismo e conspiração para cometer um sequestro ”. O plano dos membros da milícia, infiltrados por informantes do FBI, era julgá-la por "traição" em um esconderijo em uma parte remota de Wisconsin e não descartaram a possibilidade de acabar com sua vida.

Whitmer criticou, sem nomeá-lo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por não rejeitar categoricamente a violência de grupos de extrema-direita durante os distúrbios raciais que abalaram o país inteiro e nos quais algumas milícias intervieram violentamente contra os manifestantes antirracistas.

“Quando nossos líderes se encontram, encorajam ou confraternizam com terroristas domésticos, eles legitimam suas ações e são cúmplices”, disse a governadora no comunicado.

Mais explícita foi a deputada democrata Rashida Tlaib, de raízes palestinas, que lembrou um tweet publicado por Trump em 17 de abril que dizia: "Michigan Livre!", supostamente dirigido a militantes de extrema-direita que se opunham às medidas de confinamento e distanciamento decididos pelo governador para conter o vírus, e que provocaram o fechamento da economia.

O grupo ao qual os detidos pertenciam nasceu neste verão após uma reunião com mais de uma dezena de pessoas em Ohio que tinham a intenção de criar uma milícia autônoma, de acordo com o Detroit Free Press.

Pode te interessar também: https://www.esquerdadiario.com.br/Policia-e-milicias-de-direita-uma-longa-historia-de-conluio-nos-EUA

Em julho, de acordo com a versão do FBI, o grupo de extrema-direita planejava sequestrar ou matar a governadora em sua casa de férias na ilha de Mackinac, Michigan, já que consideravam que para tomar o Capitólio do estado, seriam necessários mais de 200 milicianos. De acordo com o FBI, membros do grupo tentaram obter mapas e plantas da casa de férias do governador para executar o plano em outubro.

A governadora Whitmer tem sido alvo de críticas de grupos conservadores e milícias de extrema-direita desde que decidiu impor o fechamento da atividade comercial e aglomerações no estado como medidas para conter a pandemia COVID-19. Por isso, as milícias armadas decidiram protestar nesta primavera no Capitólio do Estado, sede do Legislativo, contra a governadora e contra o que consideraram uma violação de seus direitos constitucionais.

Resposta de Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou a governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, horas depois da notícia. Trump, que criticou o "trabalho terrível" de Whitmer durante a pandemia, recebeu o crédito por descobrir o complô contra a governadora, a quem ele também acusou de ser "ingrata".

O presidente tweetou que "meu" Departamento de Justiça e a Polícia Federal impediram um perigoso complô contra ela.

"A governadora Whitmer de Michigan fez um trabalho terrível. Ela fechou seu estado para todos, exceto para as atividades de barco do marido. O governo federal tem ajudado muito o grande povo de Michigan", tuitou Trump, referindo-se a uma declaração do Marido da governadora.

“Meu Departamento de Justiça e a Polícia Federal anunciaram hoje que frustraram um perigoso complô contra a governadora de Michigan. Em vez de agradecer, ela me chama de supremacista branco, enquanto Biden e os democratas se recusam a condenar a Antifa, os anarquistas, saqueadores e a máfia que incendiaram cidades governadas por democratas ", continuou Trump.

O presidente continuou seu argumento. "Não tolero NENHUMA violência extrema. Defender TODOS os americanos, mesmo aqueles que se opõem e me atacam, é o que sempre farei como seu presidente!"

Na campanha ... coisas acontecem

O FBI há muito tempo espia o grupo de extrema-direita do Michigan. Menos de um mês antes das eleições nos Estados Unidos, a ação contra este grupo levanta suspeitas de que não foi acidental. No quadro dos conhecidos confrontos entre o FBI e o Pentágono com o governo Trump, o presidente já enfraquecido após o debate com Biden e sua semana de quarentena por covid-19 , essa operação de alto impacto na mídia poderia ser mais um golpe.

No entanto, Trump é muito hábil em escapar desses ataques de associação à extrema-direita. Depois do debate presidencial, foi muito criticado pela opinião pública, pela mídia e pelas redes sociais - sua principal fonte de poder - por suas falas se referindo aos grupos de ultradireita pedindo-lhes que "fiquem alertas", se negando a criticar milícias de suprematistas brancos, então Biden continua a tirar vantagem dessa fenda para criticá-lo.

Em suas últimas declarações, ele buscou se distanciar da ação de grupos extremistas de direita autônomos nos Estados Unidos, já que esse problema que mostra a crescente polarização social na sociedade americana se infiltrou também na disputa pela Casa Branca.




Tópicos relacionados

Joe Biden   /    Extrema-direita   /    Donald Trump   /    Internacional

Comentários

Comentar