Internacional

CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

França: rumo a uma greve geral política contra Macron?

Um ano após o início do movimento dos colete amarelos, abre-se uma nova etapa. Tudo indica que a greve geral de 5 de Dezembro na França, convocada contra a reforma da previdência de Macron, será sem precedentes em décadas.

Juan Chingo

Paris | @JuanChingoFT

quarta-feira 4 de dezembro de 2019| Edição do dia

Tudo indica que a greve geral de 5/12 na França será sem precedentes após décadas. Com os novos ares subversivos respirados pelos coletes amarelos, a luta de classes na França, articulada através da greve geral com uma tendência renovável (prorrogável) em parte dos principais bastiões do movimento operário como os ferroviários e a RATP (transporte metropolitano de Paris), pode dar um novo salto. Um ano após o início do movimento do colete amarelo, abre-se uma nova etapa, a reunificação de uma parte importante do mundo do trabalho num terreno de classe. Até onde irá esta nova etapa? Isso será decidido na luta viva das classes nos próximos dias.

Um longo processo de preparação imposto pela base

A greve massiva da RATP no passado dia 13 de setembro impôs o calendário: os trabalhadores decidiram fazer uma greve renovável a partir do dia 5 de dezembro obrigando os sindicatos, incluindo os mais reformistas como a UNAS, a aderir. Este processo se consolidou e deu um salto depois das ações surpresa na SNCF (empresa ferroviária nacional), tanto a greve nacional espontânea após um acidente como a greve selvagem nos centros de manutenção que paralisaram algumas linhas importantes como o centro de Chatillon na região parisiense. Estes elementos de transposição dos coletes amarelos ao movimento operário obrigaram o principal sindicato do setor ferroviário, a CGT Cheminots, a juntar-se ao apelo a uma greve renovável. Por sua vez, há a continuidade, por mais de nove meses, da luta dos serviços de emergência hospitalar, que conseguiram nuclear a todo o pessoal hospitalar nas manifestações de 14 e 30 de novembro, um fato histórico que demonstra a situação catastrófica em que se encontra o hospital público, acompanhado de um enorme apoio da população. Há também processos de politização e luta (que vão de mãos dadas com uma forte agitação) nos funcionários da educação pública após o enorme choque causado pelo suicídio da diretora de escola Christine Renon, assim como pelo fato de que os professores serão um dos setores que mais perderão com a (contra) reforma das aposentadorias.

Esses processos de politização e luta vão além do mundo do trabalho, como se viu com a grande comoção gerada nas universidades com a imolação de um jovem estudante em Lyon, que trouxe à tona o enorme problema da precariedade estudantil. Soma-se a isso a bem sucedida marcha popular contra a islamofobia, apesar de toda a calúnia e propaganda contra ela por parte da maioria da classe política e da mídia dominante, assim como a marcha massiva contra a violência contra as mulheres, no último sábado, 23 de novembro, que pode anunciar uma renovação do movimento feminista.

Todos estes processos ocorrem dentro de um ano do surgimento da revolta dos coletes amarelos que abriu um antes e depois na luta de classes na França.

A novidade é que, como Raymond Soubie, antigo conselheiro social de Nicolas Sarkozy no Le Monde, salienta: "O protesto, tanto na SNCF como na RATP, é em grande parte dirigido pelas bases. Os sindicatos dão a sensação de correr atrás dos seus aderentes e de não o domínio pleno e total do movimento. Em 5 de dezembro e nos dias seguintes, este mesmo fenômeno continuará. A extensão da greve depende disso.

Tendências à politização

Tendo perdido a batalha sobre as "virtudes" da reforma, o Governo utilizou e abusou de um método clássico, denunciando o carácter corporativo do conflito, alegando que os sectores motores da próxima greve - ou seja, a SNCF e a RATP - beneficiam de regimes especiais que têm em conta a natureza insalubre do seu trabalho e por isso conseguem uma aposentadoria antecipada. O "cheminot bashing" (ataque aos trabalhadores ferroviários) tornou-se um lema do macronismo ao descrever grotescamente os trabalhadores ferroviários como trabalhadores "privilegiados", que apenas defendem seus benefícios especiais. Mas, ao contrário da reforma ferroviária do primeiro semestre de 2018, em que esta propaganda isolou os ferroviários, desta vez foi menos eficaz, pois a contra-reforma da previdência diz respeito a todos os trabalhadores. É que, por detrás de uma falsa promessa de igualdade de todas as pensões, o Governo omite elementos centrais da sua reforma, como o sistema "baseado em pontos", que é uma fonte de preocupação para todos. Muitos trabalhadores interpretam esta ambiguidade como prova de que algo nefasto está vindo. E eles estão certos!

Mas, ao mesmo tempo, o governo enfrenta um escândalo social generalizado que se acumulou ao longo de muitos anos. A revolta dos coletes amarelos foi o primeiro vulcão adormecido a entrar em erupção e seu impacto despertou forças entre as classes trabalhadoras como um todo.

Nas discussões entre ativistas para a preparação da greve, como no diálogo dos Coletes Amarelos, o que emerge cada vez mais como tema de discussão é o modelo de sociedade para o qual queremos ir. Muitos trabalhadores dizem claramente que não querem uma sociedade onde não haja saúde nem educação, que não querem este destino nem para os estudantes nem para os seus filhos. Cada vez mais a contra-revolução social neoliberal se choca com as aspirações profundas dos explorados e oprimidos, e a rua é o único canal para expressá-la alto e forte. É esta última que o governo teme. Como Cécile Cornudet escreve no jornal patronal Les Echos: "Ao estigmatizar os regimes especiais como tem feito há alguns dias, usando epítetos como ’chorões’ e ’corporativistas’, [o governo] não corre o risco de inflamar os sindicatos que os defendem? Sim, mas é isto que ele quer. Mais valem os sindicatos mobilizados pelas aposentadorias do que uma multidão zangada, sem objetivo, sem estrutura, quase amarela [em relação aos coletes amarelos]. Dez dias antes de 5 de Dezembro, a equipe do Macron prefere a peste à cólera. Acaba de escolher a estratégia da tensão. O grande debate e as medidas a favor dos Coletes Amarelos não mudaram nada. A crise social está a tornar-se ainda mais perigosa, uma "crise moral" e democrática, que está a corroer o país. O povo não vai mais votar, não acredita em nenhum discurso, seja ele político ou sindical, não encontra nenhum canal para expressar seu mal-estar. Ou melhor, apenas um: a rua.

Tendências para a generalização

À medida que nos aproximávamos do dia 5 de dezembro, inúmeros setores sindicais aderiram à data imposta pelos grevistas da RATP em setembro passado. A Federação [dos trabalhadores] das Indústrias Químicas - CGT convoca a greve do dia 5 e a reconduzir o movimento em assembleia geral. Os sindicatos Force Ouvriere [Força Operária] (FO) e SUD têm a mesma posição. Isto inclui, naturalmente, as refinarias, mas também muitas empresas. Recordemos que em 2010 os trabalhadores das refinarias foram o motor da batalha contra a reforma previdenciária de Sarkozy, e que terminou em uma derrota devido à incapacidade de superar o retorno à ordem das lideranças sindicais quando o conflito mostrou sinais de radicalização. Todas as federações de caminhoneiros pedem uma greve a partir do dia 5, exceto a CFDT. Na educação, são as organizações sindicais minoritárias que pedem uma greve renovável a partir de 5 de Dezembro: SUD-éducation, CGT-FERC e FO. Por sua vez, a FSU (Federação Unitária dos Sindicatos) permanece firme em uma jornada de um dia no 5, ainda que entre os trabalhadores do ensino médio, seu principal sindicato (SNES), não exclua completamente a prorrogação da greve. A Federação de minas e energia da CGT, por seu lado, chama a uma greve no 5 de Dezembro e a assembleias gerais para decidir sobre a continuidade do movimento e as ações a realizar no mesmo dia. No transporte aéreo, os onze sindicatos da Air France chamam à greve no dia 5 e alguns já preveem prorrogar, como o pessoal de terra alinhado na CGT e FO. Do lado dos portos, o CGT Ports et Docks [trabalhadores portuários] pede uma greve de 24 horas, embora não tenha levantado nada sobre sua continuidade. O Coletivo Interurgências, que lidera a luta dos serviços de emergência dos hospitais, convocou recentemente para participar no dia 5 de Dezembro. A greve também afetará os coletores de lixo em muitas das principais cidades como Paris, Montpellier e Marselha, com tendência a continuar nos dias seguintes. Como vemos, uma enorme frente está se preparando, embora a enumeração esteja longe de ser exaustiva.

Embora este nível de conflito seja surpreendente, especialmente em comparação com os dois primeiros anos de Macron, onde os sindicatos tiveram dificuldades devido à sua política desmobilizadora, a novidade da situação atual é outra. Aparentemente, pela primeira vez em décadas, os chamados a parar estão se multiplicando nas empresas privadas. Segundo David Gistau, secretário confederal da CGT ao L’Expres: "Recebemos mais de mil chamados à greve no setor privado, em áreas totalmente diferentes umas das outras (...) Entre os que já anunciaram sua mobilização: o setor agroalimentar com mais de 300 chamados à greve, em Carambar, Perrier, Haribo por exemplo. O setor metalúrgico também disse estar presente com 200 chamados, bem como transporte privado com caminhoneiros e o setor comercial com Carrefour, Géant ou Casino.

Mas o mais novo e significativo é que não foram os representantes sindicais "... que tiveram que convencer os trabalhadores". Foram eles que vieram pedir a organização sindical. O mesmo acontece com a CGT, que tem recebido inúmeros telefonemas de colaboradores de empresas onde não estava estabelecida, solicitando detalhes sobre como fazer greve no setor privado. Diante do entusiasmo, disponibilizaram um kit explicando as modalidades desta ação, que foi distribuído em 2 milhões de exemplares".

E a própria CGT continua: "Embora o fenômeno seja raro devido à sua dimensão, também é raro devido à diversidade dos perfis dos trabalhadores provenientes de pequenas e médias empresas (PME), mesmo de empresas muito pequenas (EMP). Na verdade, é muito difícil fazer greve nestas empresas. Mais pressão, nenhum sindicato presente, uma relação mais direta com a chefia (...) cessar sua atividade pode ser prejudicial para eles".

Evidentemente, a revolta dos coletes amarelos, que marcou o espetacular despertar das camadas mais empobrecidas dos trabalhadores, despertou as consciências e penetrou enormemente nesses "desertos de sindicalização", que foram marginalizados durante décadas pelas burocracias sindicais. Um sintoma da profundidade e da potencialidade da situação.

Um confronto de contornos abertos

O 05/12 não será apenas um grande dia de luta, mas será também um momento de tomada de consciência e confiança, um momento para medir os passos dados coletivamente e verificar a força da classe trabalhadora. Resta ver o que acontecerá depois do dia 5, especialmente a partir de segunda-feira, 9 de dezembro, que aparece como o dia decisivo que determinará se o movimento se aprofundará para uma longa greve de natureza política.

Como dissemos, as lideranças sindicais chegaram até aqui empurradas pelas bases e porque o Governo, apesar de todas as suas hesitações, não lhes deixou outra alternativa. A grande concessão que as lideranças sindicais esperavam, a chamada cláusula "Gran Pere" (ou seja, a aplicação da reforma apenas aos novos ingressantes no mercado de trabalho), não entrou no texto. No entanto, mesmo a 26/11, na sua última reunião com o primeiro-ministro Édouard Philippe, Philippe Martinez, secretário geral da CGT, disse que há "uma saída para o Executivo" "se ele tiver boa vontade". No mesmo dia, Laurent Escure, secretário-geral da UNSA, uma das federações mais reformistas, mas que apela a uma greve ao contrário da CFDT, disse ao canal de televisão BMFTV que o governo deve rapidamente colocar uma oferta concreta sobre a mesa porque "Na ausência de uma resposta, o movimento pode continuar". É "um erro deixar que a crise social se instale", ameaçou o sindicalista. Porque "quando um movimento social começa, você sabe como ele começa, mas não sabe como ele termina. Segundo ele, "é responsabilidade do governo, seja antes do dia 5 ou depois do dia 5, desativar o campo minado desta situação. Porque a greve corre o risco de durar "vários dias, isso é certo.

Esta atitude das direções sindicais ilustra muito bem uma das possíveis saídas da greve geral, ou melhor, a atitude das burocracias sindicais para evitar um salto na luta de classes. Na década de 1930, discutindo com uma corrente inglesa sobre o "problema da greve geral", o revolucionário russo Leon Trotski apontou uma "categoria" de greve geral na qual "...a direção da greve previamente acorda, isto é, sem lutar, com o inimigo de classe qual será o curso e o resultado da greve". Em certas ocasiões, parlamentares e sindicalistas percebem a necessidade de fornecer uma válvula de escape para a raiva acumulada das massas, ou são obrigados a acompanhar uma mobilização que os superou. Nestes casos, esgueiram-se para o Governo e recebem autorização para liderar a greve geral, com a obrigação de pôr-lhe termo o mais rapidamente possível e de não causar danos aos bens do Estado. Às vezes, mas nem sempre, eles negociam algumas pequenas concessões que servem como folhas de figueira. Isto foi feito pelo Conselho Geral de Trade-unions (TUC) em 1926. Isto foi feito por Jouhaux em 1934. É isso que eles farão no futuro. O desmascaramento destas manobras desprezíveis nas costas do proletariado em luta é um componente necessário para a preparação da greve geral" ("A ILP e a Quarta Internacional"). Diante desta perspectiva, é fundamental multiplicar a pressão e o controle da base para evitar ao máximo esta traição e, se for impossível, pelo menos que o preço a ser pago pelas lideranças burocráticas do movimento operário seja o mais caro possível.

Os revolucionários e a greve geral

Mas se o principal perigo a enfrentar é o controle burocrático do movimento, as tendências a controlar a greve de base, a sua politização e a sua generalização abrem a possibilidade de outra perspectiva. O fantasma de um ataque como o de 1995 com o radicalismo dos Gilets Jaunes, é um espectro que assusta o poder. Expressar-se como uma "multidão muito zangada, sem objetivos, sem estrutura, quase amarela" (Cornudet) seria um sinal do carácter explosivo da situação.

Analisando a "tumultuada onda de greves que varreu a Espanha" em 1931, no início da revolução espanhola (1931-1939), o revolucionário russo afirmou que: "Para começar, é preciso deixar bem claro que esta explosão elementar e violenta de greves é a expressão inevitável do próprio caráter da revolução e, em certo sentido, sua base. A grande maioria do proletariado espanhol não tem a mais remota ideia do que é a organização. Durante a ditadura nasceu uma nova geração de trabalhadores que não têm a menor experiência política independente. Mas a revolução desperta - precisamente esta é a sua força - as massas trabalhadoras mais atrasadas, mais desprezadas, mais oprimidas. O seu despertar toma a forma da greve. Através da greve, as diferentes camadas das massas trabalhadoras tornam-se conhecidas, relacionam-se umas com as outras, experimentam as suas próprias forças e as do seu inimigo. Uma camada desperta e imediatamente contamina outra. A consequência disto é que a greve se torna absolutamente inevitável. Os comunistas não devem ficar alarmados, pois nisto consiste a força criadora da revolução. Só através destas greves, com todos os seus erros, os seus "excessos", os seus "exageros", é que o proletariado se levanta, se une num todo e começa a sentir-se e a conceber-se como uma classe, como uma força histórica viva. As revoluções nunca avançaram, sob o chicote de um cocheiro. Excessos, erros, sacrifícios, essa é a natureza da revolução" ("O papel das greves numa revolução").

Diante dessa possibilidade, que implicaria um salto real na luta de classes, o pior seria manter o imobilismo demonstrado no passado, ou uma política de oposição entre os comunistas revolucionários e o movimento real, redobrando ao enésimo a política testemunhal como foi, infelizmente, o caso de Lutte Ouvrière contra o movimento dos coletes amarelos. Com enorme validade, mesmo para correntes que afirmam ser revolucionárias como as que acabamos de mencionar, Trotski alertou os comunistas de seu tempo sobre esses erros e os aconselhou: "Se o partido comunista tivesse dito aos trabalhadores: ’Ainda sou muito fraco para poder liderá-lo, esperar um pouco, não se apresse, não dê o sinal de combate fazendo greve, deixe-me tempo para crescer! Ele teria ficado coberto de vergonha para sempre, as massas teriam acordado e passado por cima da sua cabeça, e em vez de crescer, ele teria se tornado ainda mais fraco. Prever corretamente um perigo histórico não significa que este possa ser evitado apenas com base no raciocínio. Os perigos só podem ser rejeitados com a força necessária. Para conseguir esta força, o partido deve lançar-se com todas as suas forças para este "movimento elementar" ou semi-elementar a ponto de evoluir; não para contê-lo, mas para aprender a conduzi-lo, para adquirir autoridade e força no próprio coração da luta".

Diante do potencial aberto pela greve a partir do dia 5, os revolucionários devem apostar na possibilidade de superar o controle das burocracias sindicais, que ao contrário de 1995 estão fortemente enfraquecidas, organizando desde o início assembleias de todos os grevistas, sindicalizados ou não, a formação de comitês de greve votados por eles, e a coordenação e centralização dos mesmos em nível regional e se possível nacional em assembleias gerais interprofissionais reais às quais os sindicatos estão subordinados e que têm o direito de falar todas as correntes que estão jogando para o triunfo da greve. É por isso que o êxito da terceira reunião dos trabalhadores da SNCF e da RATP, que teve lugar na Bolsa de Valores de Saint Denis no passado dia 27 de Novembro, é muito encorajador, apelando a uma coordenação interprofissional de todos os sectores em greve a 6 de Dezembro. Parafraseando Trotski diante do caso espanhol, os revolucionários "...não devem esquecer por um instante que os perigos inerentes ao processo revolucionário não podem ser evitados com prudente vigilância, mas apenas com audácia, audácia e mais audácia". Isto é o que aqueles de nós que escrevem e fazem o portal Révolution Permanente nos comprometemos a fazer.




Tópicos relacionados

Coletes Amarelos   /    Greve Geral   /    Internacional

Comentários

Comentar