Internacional

CORONAVÍRUS

França: A manutenção das atividades não-essenciais atiça a luta nas empresas

À medida que a epidemia do Coronavírus continua a se espalhar e comprometer os sistemas de saúde das regiões atingidas, as patronais começam a aplicar a retomada das atividades não-essenciais. Uma dinâmica que atiça a revolta dos trabalhadores e faz emergir uma conflituosidade diretamente no território das empresas.

sexta-feira 3 de abril| Edição do dia

Foto: La Voix du Nord

Produção não-essencial: uma paralisação massiva no setor, mas com inúmeras atividades ainda em curso

As duas primeiras semanas de confinamento foram marcadas por significativas mobilizações de trabalhadores de setores da indústria que estavam bastante distantes dos últimos movimentos sociais, da siderurgia à aeronáutica, de automóveis até transportes. Bombardier, Toyota, Chantiers de l’Atlantique, PSA, Airbus e subcontratantes, Alstom, Renault Trucks ... Em muitas fábricas, os trabalhadores tiveram que impor à gerência a interrupção da produção, contra os desejos dos que querem preservar seus lucros a todo custo.

Esse movimento fundamental, que pode ser encontrado também em outros setores, como a logística, desenvolve padrões e dinâmicas semelhantes em cada um de seus casos. Geralmente, a iniciativa veio da base - cuja ansiedade e determinação em interromper o trabalho surpreenderam os sindicatos - que forçou o fechamento de uma grande parte das indústrias em poucos dias. "Produzir caminhões é a única coisa que eles têm em mente" , "Não queremos arriscar nossa pele para produzir transatlânticos" , "Os gerentes têm o direito de home office e temos o direito de morrer": Em todo lugar é esse o mesmo estado de espírito que se afirma diante da crise da saúde, uma recusa em ser "bucha de canhão" para manter os lucros de chefes e acionistas em meio a uma epidemia. Uma paralisação em massa da atividade, que pode ser vista olhando as estatísticas de atividade dos setores industriais das últimas semanas, que caíram acentuadamente.

No entanto, essa paralisação de muitas empresas e subcontratantes não impediu que determinadas plantas mantivessem sua produção a qualquer custo. Assim, na Alstom, se um certo número de plantas foram fechadas, outras foram mantidas em operação de acordo com as relações de força locais. Na STMicroelectronics Crolles, a empresa continua a impedir o fechamento solicitado pela CGT [sindical francesa], expondo muitos funcionários, geralmente precarizados, à epidemia para produzir microprocessadores destinados principalmente a… smartphones. Ignorando tudo, enquanto a epidemia continua a se desenvolver, com um recorde de 499 mortes em 24 horas na terça-feira à noite, as direções das empresas começam a considerar o retorno.

Com o apoio do governo, as patronais das empresas querem iniciar o retorno!

Recordando os números da atividade industrial nas últimas semanas, o La Tribune relata:

"No setor de metalurgia/mineração, que normalmente representa 10% do PIB industrial em valor, a atividade entrou em colapso. Representou apenas 2% do PIB durante as duas primeiras semanas de confinamento (semanas 12 e 13). A France Industrie espera que esta semana aumente, atingindo uma atividade entre 3% e 4%. Em eletrônica/eletricidade (7% do PIB industrial), a recuperação não está programada. É até mesmo uma linha plana (2% do PIB nas três primeiras semanas de confinamento). No setor aeronáutico/ferroviário/naval (6% do PIB industrial), a atividade caiu brutalmente para 1% durante as duas primeiras semanas de confinamento. Espera-se uma recuperação muito leve esta semana (1,5%). Na indústria automobilística (4,8% do PIB industrial), setor em que a produção está quase parada (15 unidades fechadas pela PSA e 12 pela Renault, ou seja, 69.000 funcionários no total), a recuperação das fábricas permanece extremamente gradual: 0,5% do PIB, depois 1% e, finalmente, uma previsão de 1,5/2% para esta semana. Finalmente, o setor de engenharia mecânica (4% do PIB industrial) caiu para 1% do PIB durante as duas primeiras semanas de confinamento e pode se recuperar para 1,5% nesta semana."

Na maioria dos setores da indústria, é uma dinâmica de recuperação que as patronais pretendem iniciar. E se isso vem sendo limitado, é menos por causa do desejo dos patrões de restringir a atividade do que por causa de restrições objetivas: queda nos pedidos, interrupção no fornecimento, funcionários em licença médica, funcionários precários em desemprego parcial ou simplesmente a recusa dos trabalhadores em retornar. De fato, o retorno frequentemente enfrenta oposição de trabalhadores, como foi o caso na semana passada na PSA Valenciennes, que teve que desistir de reabrir, ou na aeronáutica, onde os sindicatos da Airbus e seus subcontratantes começam a se coordenar para se opor ao retorno da atividade.

Para iniciar a recuperação, as diretorias, no entanto, se beneficiam de um apoio significativo: do governo, que mantém voluntariamente a ambiguidade sobre a natureza das atividades que devem ser mantidas, enquanto não convoca diretamente a retomada de atividades desnecessárias como a construção civil. De Bruno Le Maire a Christophe Castaner, obviamente passando por Emmanuel Macron, comemorando a "segunda linha", todo o governo está se esforçando para apoiar a necessidade de continuar produzindo, voluntariamente unindo setores "essenciais" e "estratégicos" para a economia. E diante das dúvidas dos trabalhadores que levam à abstenção e aos pedidos de licença em cascata, Muriel Pénicaud [ministra do Trabalho] está contente agitando a perspectiva de "fichas práticas" não-vinculativas, para sobretudo não apressar as patronais.

Governo e empregadores andam de mãos dadas para colocar lucros acima de nossas vidas: uma demonstração implacável

No entanto, o limite dessa estratégia comum do governo e das patronais é que aparece mais claramente do que nunca o alinhamento de seus interesses para fazer com que a economia tenha precedência sobre a luta contra a pandemia. Se os movimentos recentes se centraram em uma oposição ao governo - eventualmente percebido como "servindo os ricos" - desta vez os conflitos tenderam a mudar para o campo das empresas.

Embora os chefes tenham sido os grandes poupados do movimento Coletes Amarelos, em conexão com a composição social do movimento que compreende uma minoria de artesãos e pequenos chefes, as administrações de muitas empresas aparecem aqui mais preocupadas com seus interesses do que os interesses de seus funcionários. "Essa epidemia acordou as pessoas! Muitos funcionários são ingênuos e agora as máscaras caíram. Geralmente, a gerência consegue acalmá-los, mas hoje eles vêem que, quando confrontados com uma história de vida e morte, não têm qualquer consideração. Até os funcionários mais dóceis percebem que não há consideração da gerência”. Observa um trabalhador da Idex, uma empresa de ar-condicionado. Um discurso escutado em muitas empresas.

Uma divisão redobrada pela clara diferença de situação entre trabalhadores da linha de frente, caixas, correios, ferroviários, operários, prestadores de serviços, livreiros, entregadores e todos os seus executivos, gerentes seniores ou chefes que se beneficiam do trabalho a distância. A ponto de fazer Stanislas Guérini, do LREM, temer que o antagonismo entre as duas franças seja revelador: "o de apartamentos de dois quartos e o de mansões de férias, o de trabalhadores do campo e o do home office" ou, para usar os termos de Jérôme Sainte-Marie, para quem a situação amplia "um pouco mais a divisão entre, por um lado, o bloco de elite formado em torno do macronismo e, por outro lado, um bloco popular em formação".

Uma dinâmica rica em potencial para os revolucionários e para todos os oprimidos e explorados que terão que lutar durante e ao final da pandemia para se recusar a serem obrigados a pagar pela crise e para começar a lançar as bases de uma outra sociedade, dirigida por aqueles que estiveram no centro da luta contra a epidemia.

Este artigo foi originalmente publicado no portal Revolution Permanente. Tradução para o Esquerda Diário: Caio Reis.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Classe Trabalhadora   /    Emmanuel Macron   /    Movimento Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar