×

Crise no Líbano | Fortes manifestações em Beirute, há um ano da explosão do porto

Milhares de libaneses marcharam para marcar o aniversário da explosão do porto de Beirute, que matou mais de 200 pessoas e feriu 7.000 outras. O país está em uma espiral de múltiplas crises que milhões de pessoas não podem mais suportar.

quinta-feira 5 de agosto | Edição do dia

Em 4 de agosto de 2020, um gigantesco cogumelo fumegante acompanhado de faíscas, e logo em seguida uma onda de choque ensurdecedora sintetizava as múltiplas crises que atravessam o Líbano: uma economia em queda livre, desemprego profundo e gerações de corrupção endêmica entre a elite política, todas exacerbadas pela pandemia. O país vem experimentando um número recorde de mobilizações contra esta situação desde 2019, que ressurgiram durante as restrições contra o coronavírus e se mantiveram vivas desde então, com diferentes graus de freqüência.

Milhares de libaneses saíram às ruas de Beirute um ano após a catastrófica explosão do porto, exigindo justiça pelo motivo de haver produtos químicos explosivos armazenados na capital. Essa explosão de 552 toneladas de nitrato de amônio deixou 214 pessoas mortas, cerca de 7.000 feridos, 300.000 libaneses desalojados de suas casas e danos estimados em até US$ 6 bilhões.

Este aniversário serviu como um novo catalisador para mobilizar milhares contra o coração do problema. A repressão não demorou muito a chegar. Os jovens resistiram na linha de frente com toda a experiência acumulada de anos de luta em Beirute e em outras cidades.

A repressão deixou dezenas de feridos, seis dos quais tiveram que ser hospitalizados, informou a Cruz Vermelha local, citada pela agência de notícias AFP. A algumas centenas de metros de distância, em paralelo, uma missa estava sendo realizada perto do porto em homenagem às vítimas da enorme explosão que destruiu bairros inteiros da capital libanesa.

Cartazes gigantescos com duras críticas às autoridades foram pendurados nas fachadas destruídas de edifícios em frente ao porto.

"É aqui que começa nosso fim e nosso começo", dizia um dos cartazes, que ocupou cinco andares de um prédio de apartamentos.

Isto reflete o cansaço de uma juventude que habita uma cidade que une diferentes nacionalidades, etnias e religiões. Estes jovens conseguiram romper as diferenças impostas pela elite política para dividir as massas com base em suas disputas por cotas de poder.

Por quê? No Líbano há um modelo particular de governo no qual as posições políticas devem ser compartilhadas igualmente entre as frações etnico-religiosas muçulmanas (sunitas e xiitas) e cristãs do país, que foi acordado no final da guerra civil de 1975-1990. A crise política e econômica é a mais grave desde então, pois a moeda local perdeu quase todo seu valor em relação ao dólar americano (1 dólar por 18.000 libras esterlinas no mercado negro).

Todos já experimentaram em primeira mão a incompetência do governo que levou à desvalorização da libra - devido a um forte rebaixamento das agências internacionais de classificação de risco e a uma dívida externa que é líder mundial - inflação rápida de mais de 150% e desemprego maciço. Esta queda dramática no valor da moeda e a hiperinflação mergulhou mais da metade da população abaixo da linha de pobreza com 77% dos lares não tendo alimentos ou dinheiro suficiente, de acordo com um relatório da UNICEF de 1 de julho. O combustível é escasso, enquanto um punhado de capitalistas especula sobre seu preço, criando um ciclo inflacionário e um déficit energético.

Famílias ricas e de classe média estão fugindo do país, incluindo muitos profissionais, como relata o The New York Times, onde centenas de milhares estão chegando aos hospitais, já desmoronados, intoxicados pelo mau estado dos alimentos, que perdem suas condições de armazenamento no frio, já que a eletricidade se tornou um luxo que poucos podem pagar. A população só pode desfrutar de 3 horas de luz por dia, enquanto a noite se transforma em escuridão.

Doze meses após a explosão, ainda não houve responsáveis culpados e o impasse político deixou o país sem um governo em funcionamento. O colapso econômico do Líbano é tão grave que o Banco Mundial o descreveu como uma das piores crises econômicas dos últimos 150 anos.

O atual primeiro-ministro libanês Najib Mikati declarou recentemente que recebeu o apoio necessário da União Européia para a crise no país e acrescentou que "estou certo de que os Estados Unidos também estarão abertos para apoiar".

Segundo Telam, "cerca de 40 chefes de Estado e de governo e diplomatas participaram hoje de uma conferência em Paris organizada pela França e pela ONU na esperança de levantar centenas de milhões de dólares em ajuda ao Líbano para atender suas crescentes necessidades humanitárias". Joe Biden anunciou "cerca de 100 milhões de dólares em nova ajuda humanitária" para o Líbano, enquanto seu homólogo francês Emmanuel Macron prometeu 100 milhões de euros.

Isto é hipocrisia total. As guerras no Oriente Médio, principalmente na Síria e no Iraque, são em grande parte da responsabilidade das intervenções do imperialismo norte-americano (responsável pelo desmembramento do Estado iraquiano) juntamente com seus aliados da OTAN, incluindo a França, que levaram ao desalojamento de milhões de pessoas que se refugiaram em países como o Líbano. Por um lado, isto tem colocado uma enorme carga econômica sobre o país, resultando em uma das maiores populações de refugiados do mundo, e com ela altos índices de miséria e pobreza.

Neste sentido, o crime social da explosão teve um enorme impacto sobre a população de refugiados, pois eles dependiam da logística do porto. Foi o principal centro de abastecimento através do qual a ONU e outras organizações enviaram suprimentos para mais de 11 milhões de pessoas dependentes de ajuda na Síria. Sua destruição dificultou o transporte de ajuda para aqueles que mais precisavam dela, tanto dentro como fora dos limites da cidade de Beirute.

Nos últimos meses, o Líbano sofreu um aumento de 220% nos casos de coronavírus. Os hospitais estavam no máximo de sua capacidade, 111 vilarejos e cidades em todo o país estavam fechadas. A renúncia do governo após a explosão agravou ainda mais esta situação, aprofundando as tensões entre os partidos políticos, pois temia-se que o Hezbollah assumisse o poder após a última renúncia de Saad Hariri.

Mesmo com a ajuda de Estados como a França, pouco mudou. O presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro líder estrangeiro a visitar o Líbano após a crise, e lançou uma iniciativa francesa que dependia da mesma classe política culpada pelas crises que o país enfrenta hoje, Vohra escreveu em junho para o Foreign Policy. O plano de Macron exigia a formação de um novo governo tecnocrático, eleições antecipadas e reformas pelo menos no setor elétrico para fornecer às pessoas um fornecimento adequado de energia e pôr fim aos protestos em massa que deixaram o governo na corda bamba.

Até 1943, o Líbano estava sob mandato francês (onde os cristãos maronitas, não os muçulmanos, eram privilegiados), mas desde o fim da guerra civil, a França tem desempenhado principalmente o papel de intermediário ocidental entre o Líbano e a comunidade internacional para levantar fundos para o relançamento econômico do país, assegurando sua base no Oriente Médio. Ao mesmo tempo, tenta, com a ajuda dos EUA, combater a influência do Hezbollah e seus aliados, como o Movimento Amal, que estão próximos ao Irã.

De forma mais ampla, a região tem sido atingida desde a primavera árabe de 2011, com respostas contrarrevolucionárias que levaram a guerras civis e à ascensão do Estado Islâmico, bem como à frequente instabilidade em termos sociais e geopolíticos. Vários anos de múltiplas crises levaram a uma resposta em massa em toda a região contra os planos de ajuste e a crescente degradação das condições de vida, criando um terreno fértil para novas erupções violentas.

Como um manifestante expressou durante o dia: "Tenho medo. Eu tenho medo do meu governo. Este governo pode facilmente nos matar, realocar nossa cidade, nos deixar sem eletricidade, sem nenhum bem. Receio que amanhã algo mais será mal administrado, e amanhã poderá ser minha vida em jogo".

"Acho que os libaneses finalmente entenderam que só juntos podemos fazer mudanças".




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias