Educação

GREVE SANITÁRIA EM BH

Fortalecer a greve da educação com assembleias unificadas de terceizados e concursados

Na live do Comando da Greve sanitária da educação municipal de Belo Horizonte na noite de ontem, 04, a professora Flavia Valle fez uma proposta: fortalecer a luta com medidas de unidade entre concursados e terceirizados.

quarta-feira 5 de maio| Edição do dia

Em greve sanitária desde o dia 26 de abril, os trabalhadores concursados da rede municipal de Belo Horizonte não estão se apresentando presencialmente nas escolas, conforme ditou autoritariamente a prefeitura de Alexandre Kalil, há três dias, e com isso sofrem ameaça de ter parte dos salários cortados. Os trabalhadores terceirizados da mesma rede optaram por não fazer uma greve, e sim paralisações esporádicas, devido ao risco de demissão, que é mais alto para os trabalhadores mais precários.

Mas apesar da divisão existente pela própria terceirização e das dificuldades em combinar as formas de repudiar o retorno inseguro de Kalil, os trabalhadores têm disposição de se unificarem e apoiarem uns aos outros. Se apoiando nessa disposição, e buscando contribuir para fortalecer a luta de efetivos e terceirizados, que têm o mesmo objetivo, a professora da rede estadual e militante do Grupo de Mulheres Pão e Rosas Flavia Valle fez uma sugestão na live do Comando de Greve que aconteceu na noite de ontem: assembleias e atos conjuntos de trabalhadores terceirizados e concursados.

Pode te interessar: Flavia Valle: "É urgente a solidariedade à greve sanitária da educação em BH"

Além disso ela, que junto ao Esquerda Diário tem acompanhado e apoiado ativamente a greve, disse que "desde a minha categoria da educação, na rede estadual, a gente também batalha para que o meu sindicato, que é o SindiUte, e a central sindical que ele é afiliado, que é a CUT, rompam a sua paralisia com Romeu Zema e com o Bolsonaro e que convoquem um plano de lutas da educação em Minas, que comece com mobilizações para cobrir de solidariedade, em primeiro lugar, a greve de vocês."

Veja a fala completa:

Recomendado: Porque os estudantes da UFMG devem apoiar a greve das educadoras contra Kalil?




Tópicos relacionados

Greve na educação de BH   /    Trabalhadores Terceirizados   /    Romeu Zema   /    Minas Gerais   /    Alexandre Kalil    /    Educação   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar