PRIVILÉGIOS POLÍTICOS

Forças armadas compraram 700 toneladas de picanha e 80 mil cervejas com dinheiro público

Enquanto os trabalhadores recebiam um auxílio emergencial insuficiente e demissão em massa em 2020, Bolsonaro e os militares faziam churrasco com o dinheiro público.

quinta-feira 11 de fevereiro| Edição do dia

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasi

Um relatório apresentado a PGR por deputados do PSB mostra mais um escândalo nos gastos das forças armadas. Além dos 15 milhões de reais gastos para a compra de leite condensado e mais milhões para outros itens supérfluos, a denúncia mostra que os militares compraram mais de 714.700 kg de picanha e 80.016 unidades de cerveja.

Segundo o relatório, o Comando do Exército foi o que gastou com a compra de picanha. Os dados do Portal da Transparência mostram que o órgão adquiriu 569,2 toneladas da carne. A Marinha adquiriu 88 toneladas. No total, 76 processos licitatórios garantiram a compra de 714 toneladas do corte.

No momento em que a população sofria com os efeitos da pandemia, como as demissões em massa, o auxílio emergencial insuficiente, as condições precárias de trabalho com faltas de EPIs, o governo Bolsonaro e os militares gastavam milhões do dinheiro público para realizar churrascos e festividades.

Leia mais:R$ 15 milhões do leite condensado de Bolsonaro pagaria 2 parcelas de auxílio emergencial para 25 mil pessoas

Enquanto Bolsonaro e Paulo Guedes articulam ataques contra a classe trabalhadora, por meio de reformas e privatizações, e deixam a população à própria sorte na crise sanitária, com a desculpa de que o país está quebrado, gastos escandalosos e superfaturados foram feitos mostrando a irracionalidade das castas políticas privilegiadas, que não se importam com a vida dos brasileiros.

Leia também:Debatendo com Safatle: quais as armas para enfrentar as Forças Armadas do caos?




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Política   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    privilégios   /    Governo Bolsonaro   /    Exército

Comentários

Comentar