Política

CRISE MINISTERIAL

Fontes afirmam que Bolsonaro demitiu Azevedo e Silva em reunião que durou 5 minutos

segunda-feira 29 de março| Edição do dia

Após nota oficial de Azevedo e Silva, fontes próximas do ministério afirmam que Bolsonaro demitiu Azevedo e Silva e não foi um pedido de demissão. A reunião em que o presidente pediu o cargo teria durado apenas 5 minutos e logo depois o ministro publicou nota oficial. Em duas semanas, o general é o terceiro ministro a cair no governo Bolsonaro. O primeiro foi o general da ativa, Pazuello, deixando o cargo para Queiroga em meio ao caos sanitário no país.

Hoje, horas antes do anúncio de Azevedo e Silva, o olavista Ernesto Araújo também saiu. Agora espera-se anúncio do presidente sobre o nome que vai substituir o general. Ainda segundo as fontes de pessoas próximas do planalto, os nomes do General Braga Netto, que hoje ocupa a Casa Civil, estaria sendo cotado.

Saiba também: A chantagem de Lira e a ofensiva de “destrumpização” do governo

A crise do governo Bolsonaro, em meio à 3 mil mortes diárias e colapso nacional do sistema de saúde, agrava-se com trocas ministeriais. O centrão vem pressionando Bolsonaro, como vimos nas trocas do Itamaraty. Ao mesmo tempo, a escalada de militares no governo vêm somando à história do exército a responsabilidade pela enorme crise econômica e a barbaridade sanitária em que o país se encontra. Militares, Bolsonaro e governadores são enormes responsáveis por toda a crise que vivemos.

Leia mais: Saída de Ernesto Araújo: Bolsonaro nas mãos do Centrão

Em nota, que pode ser lida abaixo, Azevedo e Silva afirma que sempre "preservou Forças Armadas como instituições de Estado", o que gera suspeitas sobre o significado mais profundo da declaração. Há hipóteses também sobre em que medida a demissão estaria ligada a mais abertura ao centrão ou se seria uma troca de "seis por meia dúzia", colocando mais um militar no lugar.

Leia abaixo a íntegra do comunicado.

Nota Oficial

Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa.

Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.

O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira.

Saio na certeza da missão cumprida.

Fernando Azevedo e Silva




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Militares na política   /    Governo Bolsonaro   /    Exército   /    Política

Comentários

Comentar