PODCAST FEMINISMO & MARXISMO

Feminismo & Marxismo: veja as obras e artigos citados nos episódios de junho

sábado 27 de junho| Edição do dia

Bom dia, boa noite, boa tarde. Seja lá a hora que vocês estejam lendo isso. Depois de pedidos sobre as referências citadas pela Diana Assunção, apresentadora do podcast Feminismo & Marxismo, e pelas convidadas dos episódios, produzimos mensalmente compilados das obras e textos citados para quem busca se aprofundar.

Ao final de todo mês, divulgamos uma matéria pelo Esquerda Diário com as referências citadas, por ordem de episódio. Esperamos que aproveitem, leiam e sigam ouvindo e compartilhando o nosso podcast.

Episódio 16: A precarização tem rosto de mulher negra

• A precarização tem rosto de mulher - Iskra

Como poucos dessa área, aponta uma perspectiva de combate a essas mazelas do capitalismo, a partir das experiências de organização e luta das mulheres terceirizadas da Dima em 2005, da empresa chamada União em 2011 e da Higilimp, em 2013, todas experiências dentro da Universidade de São Paulo. O livro traz também um dossiê internacional de luta de classes que traz as experiências de luta das trabalhadoras terceirizadas da limpeza ferroviária na França, da luta contra a terceirização e a herança de Pinochet no Chile e do movimento estudantil sul-africano que, em aliança com os trabalhadores precários da Universidade da Cidade do Cabo, impuseram na luta a efetivação destes. O livro foi relançado esse ano pela Editora Iskra.

• Podcast Peão 4.0 do Esquerda Diário.: episódio sobre Juventude Precarizada

Ver essa foto no Instagram

PODCAST Peão 4.0 | A juventude precarizada na linha de frente Fala guerreira e guerreiro! Nesse episódio do Peão 4.0 mostramos um pouco da realidade dos jovens trabalhadores precários que são parte da linha de frente na pandemia. Contamos com a participação especial de uma trabalhadora de call center, que é da rede internacional do Esquerda Diário na Argentina e nos conta sobre a importante experiência de organização que muitos jovens trabalhadores estão fazendo nesse país, através do movimento "A Rede" ("La Red", em castelhano). Acompanhe e envie também as denúncias do seu local de trabalho para o Esquerda Diário. Disponível no Spotify, AudioBoom, Apple Podcasts, Deezer, Facebook e Youtube. #trabalhadores #juventude #lared #trabalhoprecario #jovens #pandemia #covid19 #coronavirus #callcenter #telemarketing

Uma publicação compartilhada por Esquerda Diário (@esquerdadiariooficial) em

• Rebelde ou precarizada, Nicolás del Caño - Editora Ariel

Relata o processo em que os trabalhadores de aplicativos estão fundando seu próprio sindicato, e colocam uma pergunta que quer apontar pra um futuro muito distinto desse: “Se esta é a economia do futuro, como pode ser que trabalhemos em condições tão precárias? Se este é o futuro da economia, vamos ter que construir os sindicatos do futuro."

Nicolás del Caño fala sobre o livro, em entrevista para o Esquerda Diário aqui

Episódio 17: O Feminismo em Marx

"[...]opinamos que o feminismo em Marx é que ele nos deu as bases pra entender o funcionamento do capital e sua relação com o patriarcado - e também com o racismo - a utilidade do trabalho reprodutivo pra reprodução da força de trabalho e tantos conceitos que são fundamentais pra nortear e permitir que estas teorias sejam utilizadas hoje por nós como um "guia pra ação"

• O filme "Jovem Marx", Raoul Peck

Aos 26 anos, Karl Marx embarca para o exílio junto com sua esposa, Jenny. Na Paris de 1844, ele conhece Friedrich Engels, filho de um industrialista que investigou o nascimento da classe trabalhadora britânica. Dândi, Engels oferece ao jovem Marx a peça que faltava para completar a sua nova visão de mundo. Entre a censura e a repressão, os tumultos e as repressões políticas, eles lideram o movimento operário

Manifesto Comunista, Karl Marx

O Capital, Karl Marx

A Ideologia Alemã, Karl Marx

Texto "Nós mulheres, o proletariado" da Andrea D’Atri e Celeste Murillo
Em meio ao ressurgimento do movimento feminista em escala internacional, o debate sobre as relações entre patriarcado e capitalismo volta à cena, em diálogos não sem controvérsias entre feminismos e esquerdas anticapitalistas, marxistas e socialistas.

Episódio 18: O stalinismo e a questão da mulher

"A burocracia representa de modo pleno o fenômeno da dialética das conquistas parciais: identificação do objetivo e dos meios, do indivíduo burocrático e da organização, do objetivo histórico a atingir e da própria organização, tornando-se essa identificação uma causa profunda de atitude conservadora, suscetível de se opor muito violentamente aos interesses do movimento operário". Ernest Mandel

• A Revolução Traída, Leon Trotsky.

“Por que Stalin venceu?” Este excelente livro, escrito por Leon Trotsky é uma de suas principais obras onde elabora sobre a URSS em luta política com a burocracia stalinista.
Disponível online

Testamento Político de Lênin

• Mulher, Estado e Revolução, Wendy Goldman - Boitempo e Edições Iskra

Livro que sempre aparece por aqui, da Boitempo, em parceria com a Edições ISKRA, publicou o premiado livro A Mulher, o Estado e a Revolução: política da família soviética e da vida social entre 1917 e 1936. Escrito por Wendy Goldman, historiadora e professora da Universidade Carnegie Mellon (EUA), dos sobre a Rússia e a União Soviética, a obra examina as mudanças sociais pela qual passou a sociedade soviética e, principalmente, as mulheres, nas duas primeiras décadas pós-revolução.

• Teoria Revolução Permanente, Leon Trotsky.

Embate direto com a teoria stalinista da Revolução em um só país.
Colocada em seguida, na Internacional Comunista, foi considerada decisiva no desenvolvimento da revolução chinesa, determinando resoluções da máxima importância, relacionadas com a luta revolucionária nos países do Oriente.

Disponível aqui

• Estratégia Socialista e Arte Militar - Emílio Albamonte e Matías Maiello

Livro publicado pelas Edições Iskra este ano compila diversos debates sobre estratégia revolucionária.

Campus Virtual do Esquerda Diário

Episódio 19: 51 anos depois e Stonewall é ainda uma revolta

"[...]Como disse a nossa camarada Julia Wallace do Left Voice, se foi preciso acabar com a escravidão para acabar com os capitães do mato, será preciso acabar com o capitalismo para acabar com a policia. Por isso, temos que ter claro que a luta pela emancipação da nossa sexualidade e de gênero se trata de criar as condições materiais, culturais e políticas para que isso aconteça, sentar as bases de uma verdadeira libertação sexual contra as desigualdades existentes, contra a objetificação dos corpos e do desejo."

• Origem da Família, da propriedade privada e do Estado, Engels.

A origem da família, da propriedade privada e do Estado, escrito por Friedrich Engels em 1884, apresenta uma análise crítica dos modos de organização da vida social. Levando em consideração as relações entre os sexos para além da biologia, Engels trata da opressão de gênero e do papel do casamento e da autoridade masculina na constituição da sociedade capitalista.

Disponível online

• A invenção da heterossexualidade, John Ned Katz

O autor defende a ideia de que a heterossexualidade não é uma disposição natural dos seres humanos, mas sim um conceito, uma construção social e histórica, e como tal deve ser analisada.

• Capitalismo y identidad gay”, John D’Emilio.

Sobre a forma como o capitalismo providenciou as condições necessárias pro surgimento de identidades homossexuais e uma nova concepção de expressão sexual que podem servir para desmantelar a família nuclear, que é mantida pelo capitalismo através de uma relação mútua e contraditória.

Disponível em espanhol

Até a próxima! Curtam e compartilhem!




Tópicos relacionados

dossiê marxefeminismo   /    Feminismo   /    PODCAST   /    Marxismo

Comentários

Comentar