Cultura

CULTURA

Exposição 3 - Esquente Meu Corpo

segunda-feira 17 de abril de 2017| Edição do dia

Vibra em meu intimo a voz de um animal, a roda, o circulo, a vozes em coro, a união em um estado fractal. Por fora estruturado por cinzas, de corpo julgado, meus olhos fogem da cara do policial. Não me cultivaram ou cuidaram de mim, estatelado no asfalto.

- o sol esquenta os miolos, o corpo queima –.

O fogo do inferno é trocadilho para as repressões: “O INFERNO É AQUI”ou “o inferno são os outros”; “minha vida é um inferno”; “Queimada na fogueira, pelo fogo do inferno”.

Tenho sede, fome, me sinto sozinho, recebo olhares tortos nas ruas, respiro e, muitas vezes, sou ofendido.

Tambor instrumento musical do tipo membranofone, consistindo de uma membrana esticada, oprimida, violentada, quando percutida pode gerar som estrondoso poderoso...

Tambor parte rotativa que abriga munições.

Escuto os tambores que fazem o corpo dança, escuto o descarregar dos tambores, escute o som dos tambores.

Percutir o meu corpo- tambor, descarregar o corpo-tambor, reconhecer a potencia do corpo- margina,corpo-hematoma, corpo-bomba, arma visual, corpo-metafisico, metalinguístico, metedor, fuderengo, fudido,transgressor, escavador e sorrateiro corpo que foge de qualquer padrão, revista, classificados, TV, corporação.

Escuto o som dos tambores. Escuto os tambores. O meu corpo transgressor. Escute os tambores.

Escute o som dos Tambores, vértebra por vértebra. És merecedora e jamais deixar ser subjugada por aqueles que saíram do aperto dos seus continentes e foram conquistar.

Conquista pode ser também um roubo, assim eles chapéus, cartolas, togas, nos mostraram: roubar pode ser encarado como Conquista – caso seja branca a historia.

Escuto o som das suas vértebras, do seu corpo, ter em mãos as munições, reconhecer a beleza, a tua beleza, a beleza somente sua, as dunas do corpo, abriga o verão no corpo, o teu vulcão. Escuto tambor no corpo, reverberando vértebra por vértebra a força do braço trabalhador, a força da bixaria, da transgressão. Escuto suas garras arranhando a casca, quebrando as cascas, quebre as correntes, arregace, destrua, desconstrua, jogue gasolina e seja o fogo. Escuto o sol.

- Escute as explosões Solares, seja o sol. Exploda! -

Escute os tambores, os bits, os ritmos e poemas que vem do seu povo. Escute o seu povo, não se olhe pelos monóculos burgueses. Vértebra por vértebra OCUPE.

Ocupe os lugares, ocupe todos os territórios. Não oculte sua dor. Não entre na embalagem. A dor do outro. A melanina é pigmento de união e não de vergonha. Liberte-tu-liberte-ela. Liberdade é artigo de luxo acoplado ao carro, à classe, a pele, a gênero, a sexualidade.

- Tomar de volta em grandes goles à liberdade -

Escrito: Marcelo Magalhães
Modelo: Kaerni Inreak
Desenho: Ana Tereza Retz




Tópicos relacionados

Poesia   /    Cultura

Comentários

Comentar