Economia

ECONOMIA INTERNACIONAL

Europa, muito atrás de EUA e China na recuperação econômica pós-pandemia

A economia mundial que está se recuperando da crise sanitária desencadeada pela covid-19, possivelmente experimentará uma forte recuperação desigual no médio prazo se, finalmente, o vírus e suas variantes forem neutralizados. No entanto, é claro que as desigualdades, a precariedade e os níveis de pobreza em escala global estão se aprofundando. O crescimento das potências imperialistas, aliás, expressa ritmos diversos e os países semicoloniais estão condenados a aumentar o sofrimento de suas populações, entre outras coisas, pela falta de vacinas. Este terreno fértil social e econômico anuncia novos surtos da luta de classes.

quarta-feira 26 de maio| Edição do dia

A economia da UE entrou em recessão durante o primeiro trimestre de 2021, com uma queda trimestral de 0,6%, que juntamente com a queda do trimestre anterior de 0,7%, conduziu a um agravamento significativo da situação econômica na Europa, quando parecia que tinha que começar a decolar. No ano de 2020 como um todo, a queda do PIB foi de 6,4% na UE e 6,8% na Zona do Euro, e 2021 começa com mais quedas na economia. A grande lentidão vacinação, uma gestão ineficaz contra os interesses das empresas farmacêuticas e seus compromissos de fornecimento de vacinas e políticas fiscais e monetárias menos ambiciosas do que nos Estados Unidos, atrasaram a recuperação econômica já se esperava pelo menos no início de 2021.

Em grande medida, a nova onda de infecções de inverno sofrida durante o primeiro trimestre (devido à variante britânica) tem contribuído para a nova queda do PIB na Europa, o que tem forçado a implementação de novos encerramentos da atividade económica, especialmente no serviço sector, muito importante em muitos países europeus. Por outro lado, os fundos europeus contra covid-19 sofreram atrasos devido à lentidão da máquina comunitária, de modo que os recursos da “Próxima Geração” ainda não foram liberados e, além disso, ainda há dois países que têm que aprovar o ajuda em seus parlamentos, requisito essencial para que esses recursos acabem chegando. Isso tem impedido a antecipação da esperada retomada, especialmente para as economias mais fracas do sul da Europa, como Portugal, Itália ou Espanha, que receberão os maiores montantes de recursos e dependerão mais deles e nas quais as quedas econômicas foram mais profundas. Portanto, é possível que seja atrasado ainda mais e com isso a recuperação como um todo possa sofrer maiores dificuldades.

No último trimestre, além disso, a economia alemã também caiu fortemente, recuando 1,7%, especialmente atingida pelas infecções de inverno do coronavírus e pela falta de suprimentos industriais, especialmente semicondutores, que paralisaram amplamente a atividade industrial, por exemplo, no setor automotivo. Além das dificuldades também no abastecimento de matérias-primas que têm experimentado forte demanda com o aumento da atividade econômica, principalmente na China e nos EUA.

Diante disso, o presidente norte-americano Joe Biden baseou sua estratégia de saída da crise sanitária em uma forte campanha de vacinação - aproximadamente 58% dos adultos americanos receberam uma dose e espera-se que exceda 60% durante o mês de maio - e um incremento expansionista histórico das políticas monetária e fiscal dos gastos públicos. Apesar disso, a economia norte-americana sofreu um decréscimo em 2020 de 3,5%, mas pelo menos caiu consideravelmente menos do que o colapso sofrido pela área do euro, que foi quase o dobro, 6,8%.

Em 2021, as diferenças econômicas a favor dos EUA em relação à Europa, parece que vão aumentar, dado que haverá um crescimento de 6,5% do PIB nos EUA, ante os 3,9% previstos para a área do euro, segundo o projeção feita pela OCDE. Essa política de Biden, por outro lado, tem suas ameaças: o déficit disparou para 14,9%, cerca de US $ 3,2 trilhões, e a dívida ultrapassou ligeiramente 100% do PIB anual. Além disso, a inflação subiu para 4,2%, não se sabe se temporariamente ou não. Os pacotes de ajuda pública dos EUA passaram a ser comparados por sua magnitude com aqueles que ocorreram em momentos históricos de crises sistêmicas e profundas encruzilhadas sociais, como o New Deal de Roosevelt da década de 1930 ou o "Great Society" de Lyndon B. Johnson da década de 1960, chegando a US$ 6 trilhões. No entanto, a economia dos EUA está finalmente saindo da crise pandêmica com força e deve crescer 6,4% em 2021. Porém, em abril gerou apenas 266 mil novos empregos - foram criados 770 mil em março - mantendo a taxa de desemprego em 6,1%.

A China, por outro lado, também saiu da prostração pandêmica antes, antecipando os EUA. Após o crash do colapso de 6,8% do PIB no primeiro trimestre de 2020, a China encerrou o ano com um crescimento do PIB de 2,3%, o menor valor em três décadas. Crescimento muito baixo para uma economia que vinha crescendo acima de 6% ao ano, mas foi a única das grandes economias do mundo que cresceu em um ano sobrecarregada pelos efeitos devastadores da pandemia global de covid-19. Em 2021, a economia chinesa manteve a trajetória de crescimento, também de forma bastante forte, atingindo um aumento de 18,3% no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano anterior. É o maior salto trimestral de sua história - há registros desde 1992 - embora logicamente a maior parte do número também seja uma consequência do declínio acentuado que experimentou durante a pandemia. Mesmo assim, excede em muito o crescimento dos Estados Unidos, e ainda mais da Europa que entrou em recessão, o que indica a força de sua recuperação. O ímpeto tem sido gerado pelo forte aumento da atividade industrial e pelo aumento do consumo interno. Apesar de tudo, as expectativas eram mais ambiciosas, já que os especialistas calculavam um aumento de 22%. A China tem realizado uma ação sanitária muito mais agressiva contra o vírus- isolando a população de forma mais severa e com medidas de mobilidade mais restritivas - então a incidência de pandemia tem sido menos aguda. Isso tem facilitado o retorno à trajetória de crescimento mais rápido no tempo, bem como a enorme importância do setor industrial que antes se recuperou e puxou a economia e a importante ajuda pública às empresas. O dinamismo, no entanto, desacelerou um pouco no início do ano, crescendo no primeiro trimestre de 2021 em 0,6%, quando no quarto trimestre de 2020 cresceu 2,4%. Isso indica uma certa desaceleração de sua economia em função da queda da produção industrial por falta de componentes, semicondutores, mal que atinge também a indústria chinesa, como também acontece na Europa, por não ter produção própria suficiente. desses elementos que na tecnologia de hoje são essenciais.

No entanto, deve-se notar que a China recuperou os níveis do PIB pré-pandêmico há alguns meses e que um crescimento robusto de 8,4% também é esperado para 2021, segundo o FMI, embora as autoridades chinesas tenham definido uma meta de pelo menos 6%. E por outro lado, os EUA, depois de cair 3,5% em 2020, já iniciaram a trajetória de crescimento e devem aumentar 6,4% neste ano, segundo relatório de projeção do FMI, superando assim o pré-pandêmico níveis durante 2021. No entanto, como dissemos, a economia da zona do euro afundou 6,6% em 2020, quase o dobro da dos EUA, e também neste ano, apesar da queda acentuada do ano anterior, crescerá menos do que seus concorrentes diretos, os EUA e a China, apenas 4,4 %. Assim, a economia europeia não ultrapassará os níveis pré-pandémicos até 2022. O Estado espanhol, segundo todos os analistas, não recuperará a sua situação pré-pandémica antes de 2023, sendo um dos que se espera que o faça mais tarde, como é muito afetado pela sua dependência do setor do turismo, o mais afetado e o mais problemático para manter a sua atividade em situações de pandemia.

A situação desfavorável para a UE, segundo o FMI, no que diz respeito aos seus principais concorrentes também perdurará, pelo menos, durante 2023, pois embora se espere que cresça um pouco mais do que a economia norte-americana, no entanto, dificilmente terá uma vantagem e, em todo o caso, insuficiente para recuperar o terreno perdido, um crescimento de 3,8% para a área do euro, contra 3,5% para os EUA.

Em todo caso, o crescimento econômico global como um todo não está isento das contradições que assolaram as economias imperialistas após a crise mundial de 2008, com a queda do Lehman Brothers e o declínio do “consenso” neoliberal como paradigma: crise climática, baixa produtividade e alto endividamento, fortalecimento do nacionalismo econômico, guerras comerciais, movimentos migratórios desencadeados pela miséria e a falta de perspectivas para amplas camadas da população mundial, e uma tendência à “estagnação secular” como características principais. Além disso, deve-se somar às fortes nuvens mencionadas que podem pesar seriamente a economia no médio e longo prazo, a incapacidade do sistema capitalista de vacinar a população mundial com a rapidez necessária para bloquear novas possíveis variantes do vírus que pode diminuir ou eliminar a eficácia das vacinas existentes, com o risco de novos bloqueios e encerramento de negócios.

É preciso lembrar que os interesses econômicos das empresas farmacêuticas defendidos pelas grandes potências tornam extremamente difícil a imunidade de rebanho mundial. Não basta a liberalização das patentes, algo que Biden afirmou recentemente defender, embora outras potências como a UE não - o governo progressista espanhol foi contra ela durante muitos meses - mas sim toda uma política farmacêutico-industrial tem de ser desenvolvida, como liberar o conhecimento, as matérias-primas e os componentes que são usados ​​em sua fabricação e disponibilizar toda a infraestrutura e recursos necessários aos países pobres para realizar a vacinação em massa em escala global.

A pobreza extrema se expande e grandes fortunas disparam

As contradições sociais tornam-se prementes e extremas em todos os países, acentuadas pelo golpe da crise sanitária, econômica e social da pandemia a que o capitalismo global não tem conseguido dar uma resposta social, nem mesmo minimamente redistributiva. A pobreza aumentou exponencialmente, enquanto os mais ricos aumentaram muito sua riqueza. Isso abre novas perspectivas para possíveis surtos de revoltas sociais, especialmente nos estados onde há mais níveis de precariedade e pobreza, os elementos mais frágeis da cadeia de valor da economia mundial.

Também nos países imperialistas, aumentou a diferença de rendimentos, salários ou recursos entre os setores sociais mais privilegiados e a classe trabalhadora, mulheres e jovens. As medidas de sustentação das economias, em maior ou menor medida de acordo com as possibilidades da política fiscal de cada Estado, têm-se pautado na sustentação do tecido empresarial e financeiro, principalmente das grandes empresas, à custa de deixá-las ainda mais situação precária cada vez mais camadas da população. O surto social na Colômbia é o exemplo mais recente do que esperar. Após a tentativa do governo Duque de aplicar uma reforma tributária regressiva, desencadeou-se uma revolta com lutas radicalizadas nas ruas e greves de várias semanas, às quais o governo colombiano respondeu com repressão criminosa, mas cuja base é uma situação social de grave empobrecimento e miséria generalizada da maioria da população. A tendência geral é que haja muito mais surtos sociais em outros países.

O Banco Mundial já fez uma previsão sobre a situação da pobreza no final de 2020, observando que pela primeira vez em vinte anos a extrema pobreza mundial iria aumentar como resultado dos distúrbios gerados pela pandemia e agravados pela a força dos conflitos e da mudança climática, que já vinha corroendo o progresso na redução da pobreza há anos. Assim, indicou que entre 88 e 115 milhões de pessoas serão arrastadas para uma situação de extrema pobreza, chegando a um total de 150 milhões de pessoas afetadas pela extrema pobreza em 2021. É preciso lembrar que a extrema pobreza inclui a população que vive com menos de $1,90 por dia. Em 2020 já se sabia que esta situação de miséria absoluta afetaria entre 9,1% e 9,4% da população, de acordo com o “Relatório sobre Pobreza e Prosperidade Compartilhada”, o que implicou um retrocesso à situação registada em 2017. Tudo isto implica que pelo menos 1% da população mundial cairá na pobreza extrema durante a crise.

O outro lado disso são os enormes benefícios que as grandes fortunas mundiais experimentaram ao longo do desenvolvimento da crise pandêmica. Aquelas fortunas obscenas e infames em um mundo tão desigual e com enorme sofrimento e crescente miséria social para grande parte da população mundial dispararam, fazendo com que as 20 pessoas mais ricas do mundo acumulassem 1,77 trilhão de dólares durante a pandemia. (1,44 milhão euros) de ganhos. Mais do que o PIB do Estado espanhol, a quinta maior economia da Europa. O crescimento percentual foi de 24% em relação ao ano anterior, de acordo com o índice Bloomberg. Só Jeff Bezos, por exemplo, o homem mais rico do mundo, viu sua fortuna crescer em 2020 em 78,9 bilhões de dólares, um crescimento de 66,87%. E acumulando uma fortuna total de 193.700 milhões de dólares. Mas, em qualquer caso, o crescimento estratosférico das grandes fortunas foi generalizado, enquanto a pobreza se espalhou como uma trilha de petróleo para a maioria da população mundial.

Por todas essas razões, novas possibilidades se abrem para a luta de classes em escala mundial, por isso a necessidade de construir partidos revolucionários e trabalhar ardorosamente na perspectiva da reconstrução da Quarta Internacional se torna absolutamente inevitável e urgente.




Tópicos relacionados

Crise   /    Economia   /    Economia Internacional   /    União Européia   /    Crise do Coronavírus   /    Banco Central Europeu   /    COVID-19   /    Coronavírus   /    Crise capitalista   /    União Européia (UE)   /    crise econômica   /    Economia internacional   /    Europa   /    Estímulo econômico na Europa   /    Economia   /    Internacional

Comentários

Comentar