Internacional

ESTADO ESPANHOL

Estado Espanhol: Mais de 200 organizações chamam uma "greve de aluguel". Suspensão do pagamento agora!

Inicia-se um novo mês e grande parte do povo trabalhador está se perguntando como pagar a luz, água, gás? E, acima de tudo, como pagar o aluguel?As medidas anunciadas por Pablo Iglesias não afetam os interesses do banco nem suspendem os aluguéis. Mais de 200 organizações chamam uma "greve de aluguel".

quinta-feira 2 de abril| Edição do dia

Chega o dia primeiro de abril, dia em que milhares de famílias afetadas pela crise do coronavírus se veem obrigadas a pagar alugueis impagáveis. O governo ignora suas demandas de suspensão do pagamento do aluguel. Além disso: prioriza que todos os aluguéis de imóveis continuem sendo cobrados a preço de outro, como se a economia não tivesse parado, e pretende que milhares de pessoas se endividem para pagá-los. Diante disso, somos obrigados a convocar uma greve de aluguel para todos os afetados pelo coronavírus. Quem não cobra, não paga. Se a economia produtiva parar, a economia rentista também”.

É assim que começa o Manifesto para chamar uma greve de aluguel nesta quarta-feira, 1º de abril, que eles publicam desde segunda-feira, 29 de março, promovidos por mais de 200 organizações entre os PAHs, sindicatos de inquilinos e outras organizações e sindicatos.

Os aluguéis subiram formando uma bolha gigante que praticamente levou a "trabalhar para pagar o aluguel", uma vez que uma em cada quatro pessoas vive de aluguel e o custo pode representar mais da metade do salário ou de um salário inteiro. Em cinco anos, os preços médios aumentaram 50% em todo o Estado espanhol, enquanto a renda média por pessoa entre 2014 e 2018 aumentou apenas 8,9%. Isso também levou à expulsão da classe trabalhadora das grandes metrópoles para a periferia, já que já é impossível pagar um apartamento para alugar em cidades como Barcelona ou Madri.

Estamos em um cenário de profunda crise social. Três semanas após a disseminação do coronavírus no Estado Espanhol, estima-se que mais de um milhão de demissões tenham sido realizadas após a declaração do estado de emergência. Mais um milhão e meio de ERTEs: dois milhões e meio de trabalhadores sem trabalho, cobrando 70% de seus salários. Isso sem levar em conta o grande número de contratos precários ou sem contrato, como trabalhadoras domésticas, que a sua maioria também foi demitida sem benefícios.

Medidas governamentais continuam salvando bancos e endividando trabalhadores
E as medidas "sociais" do governo? Isolamento e pobreza. Enquanto exigem “esforço coletivo” sob o discurso “fique em casa” do governo, que secretamente culpa e responsabiliza as pessoas pela crise social e de saúde, como se toda a solução para essa catástrofe tivesse começado e terminado exclusivamente na atitude individual dos pessoas confinadas.

Mas não. Muitas são as organizações que, através das redes sociais ou no local de trabalho, começam a se organizar e romper com esse ideal individualista. Caixas de resistência de trabalhadores domésticos e assistenciais, o sindicato manteros fabrica roupas e máscaras, trabalhadores de diferentes fábricas e serviços paralisaram a atividade laboral na demanda de medidas de segurança sanitária e muitos outros exemplos. Agora eles estão se organizando diante do grave problema dos aluguéis.

"Se milhares de pessoas não pagam a cobertura da greve e de um mesmo movimento, ninguém pode fazer nada contra nós. Por outro lado, se enfrentarmos a situação individualmente, ficaremos mais pobres, com mais dívidas e mais vulneráveis. Portanto, mais do que nunca, é necessária a solidariedade de todos. O governo não fez nada para proteger todas as pessoas que não poderiam pagar. Nós nos organizamos, entramos em greve e apresentamos uma caixa de resistência que precisará da solidariedade de toda a sociedade ”, dizem eles no Manifesto de convocatória da greve de aluguel.

A organização contra despejos não é nova, a bolha imobiliária que rasga as famílias dos trabalhadores com aluguéis caríssimos, fraudes bancárias e milhares de apartamentos vazios nas mãos de bancos, milhares de famílias sem o direito ao teto. Os PAHs lutam contra isso há anos, sindicatos de inquilinos junto com outras organizações sindicais.

Sem ir mais longe, em Barcelona, em novembro de 2019, foi realizado um Congresso da Habitação, no qual participaram mais de mil pessoas. Lá eles aprovaram exigências como: acabar com as expulsões, a regulamentação dos preços de aluguel em função da renda e a expropriação de fundos de bancos, fundos de abutres e grandes proprietários.

Hoje, essas mesmas organizações em todo o estado, juntamente com cerca de 200 outras organizações, estão pedindo uma "greve de aluguel" em 1º de abril devido à suspensão de aluguéis e hipotecas durante o período de confinamento. No Manifesto, eles explicam que “Em muitos casos, os não pagamentos são inevitáveis e ocorrerão em 1º de abril, independentemente do que fazemos: em uma semana, recebemos milhares de mensagens que o corroboram. Com a greve, fornecemos a única resposta possível a todas essas pessoas: uma resposta coletiva, que diz que eles não estão mais sozinhos e os convida a participar de uma luta para impedir que alguém tenha que enfrentar dívidas ou despejos. "

Nesta terça-feira, o governo, na boca de Pablo Iglesias como vice-presidente de Direitos Sociais e da Agenda 2030, prometeu medidas nesse sentido que se afastam da solução dessa realidade dramática e também das demandas que surgem da convocação para a greve de aluguel.

Não propôs a suspensão dos aluguéis, mas microcréditos para inquilinos e alívio da dívida de até 50% para inquilinos em casas pertencentes apenas a grandes proprietários. Também inclui uma paralisação de despejos, mas apenas por seis meses, no período de estado de alarme.

Ele propôs a distinção entre proprietários grandes e pequenos na aplicação dessas medidas, quando 80% dos proprietários são particulares e apenas 20% são empresas. E ele propôs ajuda direta em alguns casos, sem especificar como ou quando, junto com promessas vazias como "Se a situação ocorrer em que existem inquilinos que finalmente não podem pagar [os créditos], o Estado não os deixará retidos".

Longe de atingir os interesses dos bancos que têm a propriedade de milhares apartamentos, mas a proposta é focada em "empréstimos" para continuar pagando os aluguéis, ou seja, mais dívidas com o banco no futuro para as pessoas que trabalham. E longe das medidas que ameaçam a especulação, a intervenção de todas as casas nas mãos de fundos de abutres, bancos e qualquer prática rentista parasitária. Isso também é valorizado pelos organizadores da greve de aluguel em uma nova declaração.

A convocação para a "greve de aluguel" convida todos aqueles que estão vendo sua renda cair ou entrarem em situação de precaridade, mas ainda são obrigados a pagar aluguéis a preços exorbitantes, a se juntarem à greve".

É necessário exigir a suspensão dos aluguéis para aqueles que foram demitidos ou que dependiam de contratação por horas ou trabalho e serviço, bem como aqueles afetados pela ERTES. Além disso, a suspensão do pagamento de aluguel para pequenas empresas que tiveram que fechar devido à pandemia, mas precisam alugar um local e não podem pagar.

E, além da suspensão do pagamento, é necessário controlar os preços dos aluguéis, de acordo com os níveis gerais de renda, conforme proposto pelas organizações pelo direito à moradia ou aos sindicatos.




Tópicos relacionados

Estado Espanhol   /    Coronavírus   /    Luta de Classes   /    Greve   /    Internacional

Comentários

Comentar