Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Entrevista com Moisés García: "Há uma nova geração palestina pronta para responder a Israel e seus aliados"

Salvador Soler

Entrevista com Moisés García: "Há uma nova geração palestina pronta para responder a Israel e seus aliados"

Salvador Soler

A atualidade do massacre israelense contra a Palestina, segundo o professor da Universidade Autônoma do México Moisés Garduño García. O papel da extrema direita e da nova juventude que está se rebelando. Divulgamos esta entrevista em português, originalmente publicada pelo La Izquierda Diario.

O mal chamado conflito entre Israel e Palestina está novamente no centro do cenário internacional, devido aos ataques brutais do sionismo. La Izquierda Diario entrevistou Moisés Garduño García, professor da Universidade Nacional Autônoma do México sobre a situação atual e as perspectivas que ele vê para o futuro

Em seu último artigo na Foreign Affairs Latin America, você menciona as divisões políticas dentro dp próprio Estado de Israel e a divisão política entre a Autoridade Nacional Palestina e o Hamas. O que você pode nos contar sobre isso?

A divisão política israelense apresenta um impasse onde Netanyahu, do partido de direita Likud, está totalmente envolvido. Houve quatro processos eleitorais em menos de dois anos nos quais não houve possibilidade de Netanyahu formar um governo de unidade. Recentemente, o presidente israelense deu à oposição a possibilidade de formar um governo interno, o que levanta a questão se Netanyahu continua no poder, aproximando-se cada vez mais às acusações de corrupção e, se isso tivesse se consolidado, então Netanyahu poderia ter ficado de fora do governo israelense cena política. Nesse sentido, segundo intelectuais como Ilán Pappe, o próprio Netanyahu poderia ter provocado os árabes em Jerusalém com o despejo do bairro Sheik Jarrah, para evitar que a oposição criasse uma espécie de governo de emergência ou para que se adiasse tudo. A questão é que é possível que isso tenha saído do controle pela enorme resposta do povo palestino e também pelos mísseis lançados pelo Hamas em resposta às medidas repressivas das forças israelenses feitas em Jerusalém contra os manifestantes.

No que se refere à política interna da Autoridade Nacional Palestina (ANP), o governo de Mahmoud Abbas tem recebido muitas críticas nos últimos anos, principalmente por não ter conseguido convocar eleições, ou seja, não houve um processo político de transição. Mas, acima de tudo, ele foi amplamente criticado pelo nível de colaboração com o governo israelense em termos de segurança e até por reprimir manifestações de militantes palestinos na Cisjordânia ocupada. Isso pode ser visto quando Abbas convoca as eleições de 2021 e as adia por temor de que uma figura como Marwan Barghouti (conhecido como o palestino Mandela, líder da primeira e da segunda Intifadas), segundo várias pesquisas, possa obter 48% dos votos. O que torna provável que Abbas perca a presidência, mas também muito do peso legislativo, em detrimento de outros pequenos partidos, mas também do Hamas, que é o outro partido de oposição mais bem organizado contra a ANP. Nesse sentido, temos um adiamento das eleições palestinas que está tornando visível a pouca legitimidade de Abbas. É por isso que o Hamas não tem nada a perder ao lançar esses mísseis, ele tenta canalizar essa raiva contra o ANP e é por isso que realizou este último registro de violência em Gaza contra as Forças de Defesa de Israel (IDF).

Um possível cenário de intervenção militar em Gaza poderia gerar uma nova união entre os palestinos?

A famosa divisão intra-palestina foi amplamente criticada. Na verdade não foi, creio eu, a nova intervenção em Gaza, mas a política de despejo se deu em Sheik Jarrah, e essa conexão dos palestinos de ’48 (como são chamadas as famílias palestinas que vivem em Jerusalém Oriental) está crescendo uma ponte de conexão. Pois quando se trata de Jerusalém é quando os palestinos se unem, independentemente da área geográfica, ideológica ou política em que se encontram. Refiro-me aos refugiados, os da Cisjordânia, de Gaza, os da diáspora (Estados Unidos, Chile e outras partes do mundo), os que exigem o direito de regresso. Em outras palavras, essas frações de palestinos ao redor do mundo se unem em torno de Jerusalém e do que ela representa como a capital histórica do povo palestino. Então, é claro, o ataque militar em Gaza aguça os sentimentos de identidade palestinos, especialmente por causa da raiva causada pelo uso insolente da força, por isso desperta muitas paixões. Lembre-se de que é um conflito totalmente assimétrico, uma relação de poder assimétrica. Existe um Estado, que é Israel, ocupando um povo, o palestino. Nesta relação, existem muitas relações de ação direta onde, embora haja o uso de foguetes por organizações como o Hamas ou a Jihad Islâmica, nunca será possível pesar da mesma forma que 80 aviões de guerra que patrulham atualmente a Faixa de Gaza, destruindo residências, edifícios, edifícios de imprensa, etc. E isso não é dito por mim, é dito pelas mesmas Nações Unidas que denunciaram a política de assentamentos, ou organizações como a Human Right Watch que usam o conceito de Apartheid para descrever o que está acontecendo com essa política de anexação e ocupação.

No mesmo artigo o senhor menciona que se as manifestações se estendem até a Cisjordânia, a ANP pode ser fortemente questionada. Você poderia elaborar um pouco sobre isso? Qual é o papel dos jovens? Você sabe qual é a proporção secular e quantos muçulmanos? Pensando se existe a possibilidade de o Hamas vencer eleitoralmente na Cisjordânia. Essas manifestações parecem ter sido auto-convocadas. Você sabe que grau de organização tem a juventude?

Pode ser que haja custos políticos, como mencionei antes. O governo de Mahmoud Abbas está passando por uma das piores crises políticas. A colaboração da ANP com Israel foi criticada e a colaboração das polícias também é amplamente criticada. Portanto, de acordo com pesquisas produzidas pela mídia palestina, é improvável que Abbas consiga defender a presidência da ANP. Com o qual estamos chegando a um ponto em que estamos vendo o surgimento de uma nova geração palestina, que está politizada, que está revoltada, não só com Israel, mas também com aqueles que colaboram com ele, e vemos que agora mesmo eles estão tendo uma preferência eleitoral por Marwan Bargouthi, e que goza de ampla legitimidade por ter saído da prisão como um dos líderes mais consistentes da resistência palestina. Ele tem legitimidade, popularidade e carisma, e desde a prisão conseguiu se posicionar acima de qualquer candidato à presidência em caso de eleições na Palestina.

Se as manifestações se espalharem para a Cisjordânia, a ANP terá que suprimi-las. Dessa forma a ANP e sua própria posição política em relação ao conflito seriam colocadas em xeque. Veríamos Israel intervindo militarmente em Gaza e na Cisjordânia, além do IDF que já vimos reprimir em Jerusalém, também veríamos as forças de segurança do ANP suprimindo manifestantes críticos de seu governo na Palestina. Essas são as formas de organização desses jovens palestinos da nova geração e sua conexão com os palestinos de ’48 que haviam sido historicamente ignorados e rotulados de colaboracionistas

Por que o IDF chamou os reservistas? O que isso pode significar?

Isso tem a ver com um ato que também está relacionado à propaganda que está sendo gerada dentro de Israel, é uma questão de emergência nacional em que Tel Aviv usa o contexto para gerar coesão interna e apelar aos jovens para apoiarem medidas que eles considerem de segurança nacional. Na verdade, isso não acontecia desde 2014. Estamos em um novo capítulo de medição de forças que está nos mostrando praticamente duas coisas. Um, que Israel continua com sua política de ocupação, independentemente de Netanyahu estar cambaleando no poder. E dois, que movimentos como o Hamas ainda mantêm um importante índice de dissuasão, com o qual seguir com sua política em territórios como Gaza. Isso é importante pelo número de foguetes que eles lançaram no início do conflito e que nas primeiras quatro ou cinco horas chegaram a cerca de 230 lançamentos. O que é algo muito importante em termos de dissuasão e exposição de força que o movimento Hamas também possui.

A maioria desses foguetes é detectada pelo Domo de Ferro, que é o sistema anti-mísseis de Israel. Mas isso também implica que existe um arsenal com o qual o Hamas está possibilitando o que eles chamam de resistência ao cerco por parte das forças israelenses.

O que significa chamar reservistas? É uma exibição de propaganda de política psicológica para tentar concentrar a coesão nacional na mídia. Cria uma espécie de panorama onde se vê que o Estado está em crise, está em perigo e faz disso uma questão nacional e um sentimento com o qual Israel possa justificar ainda mais o cerco militar de Gaza.

Uma das grandes preocupações é que isso possa se estender a áreas onde já existem protestos, em mais de 50 cidades ao redor dos territórios palestinos ocupados. E isso, é claro, também implica um medo extra em relação ao que está acontecendo em Gaza, de que não vai apenas ficar lá. Em vez disso, diferentes formas de expressão política, por parte de Israel e sobretudo expressões de caráter militar, também atingem os territórios ocupados e a violência se espalha nessas áreas.

Isso também vai depender do nível de negociação que está ocorrendo na arena internacional. Mas acima de tudo também o acompanhamento que a sociedade internacional está dando aos palestinos. É muito importante que agora a mídia esteja dando o nome de Intifada digital ou Intifada de Jerusalém, para que esta se transforme em uma intifada e realmente sacuda o cenário político que estamos vendo na região.

Deve haver um acompanhamento da sociedade internacional da opinião pública internacional. Este acompanhamento deve ser seguido por uma reclamação de violações dos direitos humanos por parte das FDI e, acima de tudo, um apelo para parar de uma vez por todas algo que tem prejudicado os palestinos e a região por muitos anos, que é a política de construção de assentamentos.

Nos últimos dez anos, houve um aumento substancial nos despejos e assentamentos israelenses. Refiro-me a aproximadamente 700.000 novas colônias que estão sendo construídas ao redor dos territórios ocupados. E em meio a essas construções detectam-se pessoas com ideologia de extrema direita que a todo o tempo estão causando conflitos com os palestinos nos espaços públicos, em suas casas, etc. O que agrava o discurso de ódio que é tão perigoso em tempos de crise. E mais se houver uma pandemia e uma nova exacerbação de eventos com o que estamos vendo em Gaza.

Os grupos extremistas judeus estão atacando os palestinos? Qual é o papel da extrema direita israelense? Netanyahu está usando essa conjuntura para permanecer no poder? O que a "esquerda" está fazendo sobre isso?

Esta é a coisa mais perigosa que considero atualmente dentro da política de colonização israelense. O papel que a extrema direita está desempenhando dentro de Israel, essa facção política que aspira a ter um Israel estritamente como um Estado judeu, que aspira a uma judaicização cada vez mais clara de cidades como Jerusalém; que aspira a desarabizar e desislamizar qualquer parte do espaço público e inclusive os chamados públicos como foi o caso do partido Beitenu (Casa Judaica), para eliminar os palestinos como um ato de heroísmo nacional.

Essa extrema direita, que é ainda mais extremada que o próprio Likud onde está Netanyahu, é praticamente quem está possibilitando essas altercações em espaços públicos, clamando pela queima de casas palestinas, atacando palestinos também nas vias públicas. Com isso, obviamente os palestinos também reagem com violência, gerando grandes coalizões de pessoas no espaço público, que muitas vezes são interrompidas pelas forças de ordem israelenses. Que por natureza eles tendem a defender os cidadãos israelenses, independentemente do conflito dos caídos ou dos assassinatos que ocorreram lá. Isso tem sido sistemático e lamentavelmente é o histórico desde praticamente o processo de Oslo.

Quando o processo de Oslo institucionaliza a ocupação, que é como a própria crítica palestina o viu e leu, todo um processo de assentamentos começa e não parou. As pessoas que estão vindo morar em casas ou bairros palestinos geralmente são pessoas às vezes, até mesmo, de outros países que vão estudar hebraico ou de uma fundação do Estado de Israel que os contata. Eles vêm para povoar esse tipo de terra, onde geralmente entram em conflito direto com os palestinos.

Por outro lado, a esquerda israelense é um aspecto político interessante que clama um pouco mais pelo diálogo, que clama um pouco pela solução dos dois estados, um pouco mais apegado ao discurso ocidental de resolução de conflitos. No entanto, a força política que a esquerda teve é ​​mínima. Agora ela é um ator-chave para formar um governo de unidade. Mas, na realidade, ele não tem sido um ator que pode colocar sua própria posição sobre o conflito na agenda parlamentar, na agenda de segurança nacional.

A extrema direita tem sido mais influente, culpando os palestinos pela crise econômica, ou mesmo pela covid, quando se sabe que veio principalmente da conexão internacional que tem Tel Aviv, então os contágios passaram para os trabalhadores palestinos que vão e vem intermitentemente para Israel. É um grande problema, especialmente para os israelenses que vivem nos territórios ocupados na forma de assentamentos.

Houve algumas manifestações de judeus israelenses em apoio aos palestinos. O que isso pode significar? Pode ser estendido, considerando que recentemente houve manifestações de jovens israelenses contra o governo?

Isso não acontece apenas dentro de Israel, mas também fora de Israel. Existem judeus como aqueles que pertencem a organizações como a Jewish Voice for Peace, que é uma organização crítica da ocupação militar e das políticas de assentamento que expressou seu rechaço a este e outros casos de violência que ocorreram na história. Eles são os principais aliados que os palestinos têm quando se engajam em algum tipo de diálogo. Isto é muito interessante.

Existe também, por exemplo, a Organização Betselem para os Direitos Humanos. Ou políticos judeus dentro do governo dos Estados Unidos, que simpatizam com a Palestina, como Bernie Sanders, que também tem criticado em seu espaço político o que aconteceu agora em Gaza e Jerusalém.

Isso nos diz que há uma distinção profunda a ser feita entre o que é ser judeu e ser sionista. Nem todos os judeus são sionistas. O que está sendo atacado e criticado no momento não é o judaísmo como é, mas as políticas de ocupação e sionismo, que é a ideologia política em que se baseia a política israelense.

E também dizer que ser anti-sionista não significa ser anti-semita, que é um discurso amplamente utilizado por Israel para criticar todos aqueles que criticam o Estado de Israel, para ignorar tudo que critica o Estado de Israel.

O anti-semitismo não tem absolutamente nada a ver com o anti-sionismo, no sentido de que é no sionismo a ideologia política que sustenta essas políticas de ocupação.

Em termos de juventude, essas são questões que podem ser superadas com os judeus que fazem parte dessas organizações. Existem outros como Jam Lat na América Latina, que fazem esse tipo de ponte que exige um cessar-fogo imediato quando existem estes tipos de problemas. Mas, sem dúvida, a questão é que a grande maioria dos judeus que vivem dentro de Israel, que são pró-Israel e que são pró-sionistas, também estão muito apegados a esses discursos e esses discursos de extrema direita que discutimos anteriormente são muito vulneráveis.

Que impacto essa situação pode ter no governo Biden?

A questão é muito interessante porque Biden chega para se distanciar da política de Trump. No entanto, ele está se comportando da mesma forma ou pior, porque pelo menos Trump foi direto e franco. Esse presidente, com discursos ambivalentes, o que ele faz é dar apoio implícito a Israel.

A novidade é que, em meio à recente discussão do Conselho de Segurança, são os Estados Unidos que estão bloqueando o chamado de alerta a Israel do restante dos quatorze membros. Com isso, Biden também está bloqueando qualquer tipo de recurso de dentro das Nações Unidas.

Creio no retorno da confiança nos Estados Unidos como provável mediador (ou como tentam passar). É necessário e imprescindível enfatizar pontos importantes como o fim dos processos de ocupação, o fim da política de assentamentos e, sobretudo, a garantia do direito da Palestina à autodeterminação. Isso é improvável porque sabemos que a base social de Biden também é pró-Israel com base no que a AIPAC faz em Washington, mas pelo menos chegar a um cessar-fogo, que é o máximo que o governo Biden pode alcançar em diálogo com seus homólogos na Europa, então o problema de fundo persiste.

Será um cessar-fogo que pode permitir que a ocupação persista, as políticas de assentamento e a perda de territórios também se agravam com o tempo. Isso é basicamente o que vimos na história dos últimos quarenta anos e não acredito francamente que vá mudar a menos que a sociedade internacional faça um apelo extremamente amplo e poderoso que possa reverter esse tipo de política que Washington tem; e que são amplamente compartilhados por outros governos no Ocidente, como o próprio governo francês, que manteve o silêncio e impediu qualquer manifestação na França em solidariedade à Palestina.

Acho que o que temos que fazer agora é estar bem cientes das violações dos direitos humanos que podem ocorrer em Gaza. Reconhecer a liderança da juventude de 48, ou seja, da juventude palestina que vive em Jerusalém Oriental. Reconheçam que a violência que foi gerada no Sheik Jarrah foi mais um capítulo nas políticas de expropriação levadas a cabo pelo governo israelense, que apesar de ser levada a cabo pelo Tribunal, que se supõe ser um órgão independente do sistema político israelita, mas em última análise, opera sob as leis do Parlamento, que é uma entidade política que responde aos interesses nacionais do Estado de Israel. Portanto, é muito improvável que esse tipo de lei possa dar uma pausa ou uma janela para a solução do conflito.

O que tem a fazer é continuar a mostrar a assimetria do conflito, fazer a comunidade internacional perceber que este é um conflito que não pode mais continuar no século 21, que vivemos um problema extraordinário com a pandemia de Covid, também houve um apartheid sanitário por parte do Estado de Israel, que vacinou sua população e deixou os palestinos fora de sua política de vacinação.

Leia também: Entrevista com Simone Ishibashi: "O que está por trás do massacre israelense na Faixa de Gaza?"

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[#ResistePalestina]   /   [Palestina]   /   [Estado de Israel]   /   [Internacional]

Salvador Soler

Comentários