Política

Enfermeiras: na linha de frente contra o coronavírus

O coronavírus está avançando e são os enfermeiros que, junto com os médicos, estão na primeira linha de combate infecção. No entanto, se ouve pelo mundo todo a demanda por melhores condições de trabalho.

sexta-feira 27 de março| Edição do dia

Não é novidade que a pandemia causada pelo COVID-19 desencadeou uma crise de saúde. O colapso no sistema de saúde foi gerado, por um lado, por medidas preventivas não tomadas no prazo e, por outro, pela precariedade de um sistema de saúde que era subfinanciado lenta mas constantemente pelas políticas governamentais neoliberais.

Sendo esse o caso e com os contágios já maciços, são os enfermeiros e todos os profissionais de saúde que estão mais expostos ao coronavírus. No Estado espanhol, por exemplo, 10% das pessoas infectadas são profissionais de saúde.

É importante notar que os enfermeiros são uma categoria majoritariamente feminina. Segundo a Organização Mundial da Saúde, eles representam 70% da força de trabalho em saúde e cobrem 80% das necessidades de cuidados.

E embora, devido à pandemia, suas reivindicações tenham alcançado maior visibilidade, vale ressaltar que não é a primeira vez que exigem melhores condições de trabalho e melhores salários, na forma como as contratam, na necessidade de um sistema de cuidado infantil para poder deixar seus filhos e filhas enquanto trabalham, uma série de direitos pendentes que, diante dessa emergência de saúde, são essenciais.

Existem países onde o COVID 19 se expandiu exponencialmente, como no Estado espanhol. A saturação do sistema de saúde foi denunciada pelos mesmos enfermeiros logo após o início do contágio em massa. Sua afirmação era concreta: mais pessoal e mais material.

Enfermeiras espanholas defendem mais material

Outro dos países europeus onde o vírus atinge sem descanso está na Itália. É difícil encontrar um adjetivo que descreva o cenário em que os enfermeiros deste país devem desempenhar suas tarefas.

Houve um testemunho em primeira pessoa que abalou o mundo: a imagem da enfermeira Alessia Bonari com o rosto marcado pela tira do queixo e pelos óculos que no Instagram escreveu: "Estou fisicamente cansada, o jaleco faz você suar e uma vez vestida, não posso mais ir ao banheiro ou beber por seis horas", disse ela, observando que "como todos os meus colegas, que estão na mesma situação há semanas","estou psicologicamente cansada". "Isso não nos impedirá de fazer nosso trabalho como sempre fizemos".

A situação do sistema de saúde italiano é tão desesperadora que 29 médicos já morreram de contágio pelo coronavírus. E, embora todas as mortes sejam dolorosas, é muito difícil aceitar o que aconteceu com a enfermeira Daniela Trezzi, 34 anos, que, exausta por suas longas horas no hospital e depois de saber que havia contraído COVID-19, cometeu suicídio no mesmo hospital em que provavelmente ajudou a salvar a vida de centenas de pessoas.

Essa situação extrema levou as próprias enfermeiras a liderar uma campanha pedindo uma greve do tipo "façam isso por nós", pois não podem abandonar suas tarefas.

Neste lado do Atlântico, as condições para as trabalhadoras não são muito diferentes. Por exemplo, no Peru, a enfermeira Marlene Vargas realizou uma conferência de imprensa onde denunciou inúmeras deficiências no sistema público de saúde. A resposta do governo foi impedi-la com a desculpa de não ter seguido o protocolo de segurança e a distância social necessária.

Essa medida tentou ocultar o que a enfermeira Vargas estava relatando: jornada de trabalho superior a 12 horas, falta de equipamento de proteção, mobilidade restrita para que eles consigam chegar aos centros de saúde. O Peru está entrando na terceira fase do contágio, um estágio em que os pacientes precisarão de camas e respiradores artificiais. Algo que está longe de ser garantido.

No Chile, a situação é muito semelhante em termos de sistema de saúde, com a exceção de que o governo Sebastián Piñera implementou um toque de recolher noturno e, paradoxalmente, de manhã, os trabalhadores viajam nos meios de transporte superlotados. Isso gerou uma reação dos diferentes setores da indústria e mineração que organizaram comissões de higiene e segurança para exigir dos empregadores medidas básicas para evitar contágio entre trabalhadores e suas famílias.

Por sua vez, na cidade de Chiapas, no México, também estão denunciando a falta de suprimentos, medicamentos e equipamentos de proteção necessários para enfrentar a pandemia.

Como dissemos no início, a pandemia expôs não apenas a deterioração dos serviços de saúde como resultado de políticas neoliberais, mas também a situação de insegurança laboral em que os enfermeiros sofrem desempenhar suas tarefas, por exemplo.

A ideia de que as enfermeiras são as "heroínas" dessa pandemia foi instalada na mídia. Seu trabalho foi evidenciado como indispensável, mas talvez devamos analisar se muitos discursos na mídia, procuram, de fato, "romantizar" as condições que os próprios trabalhadores denunciam, a insegurança laboral que os coloca em risco e que nenhum governo assumiu.

Enfermeiras estão na primeira linha, mas o grupo de trabalhadoras e trabalhadores da saúde e mostram quem sustenta a saúde pública.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Política

Comentários

Comentar