×

Atos Bolsonaristas | Empresas participantes de ato na Esplanada já foram denunciadas por trabalho análogo a escravidão

Diversas Empresas que participaram da invasão bolsonarista na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF), já foram denunciadas por se envolverem em conflitos agrários, ambientais e por trabalho análogo à escravidão.

quinta-feira 9 de setembro | Edição do dia

IMAGEM: Vinicius Sassine/Folhapress

Na última terça-feira, foram realizados diversos atos bolsonaristas pelo país, organizados não só por Bolsonaro, mas também por setores patronais em diversas cidades e Estados. Dentre eles, o ato na Esplanada dos Ministérios em Brasília (DF), que teve suporte financeiro e organizativo por parte de empresas bolsonaristas.

Essa relação foi expressa e “publicitada” através de diversos caminhões ostentando marcas dessas empresas nas áreas destinadas ao público na Esplanada. Mas, o alinhamento com o bolsonarismo por parte delas, também se expressa por diversas práticas execráveis que foram denunciadas ao longo de sua história.

Saiba Mais: Bolsonaristas invadem Esplanada dos Ministérios com conivência da polícia

Uma dessas empresas é a Dez Alimentos, conhecida como uma das maiores empresas que processam o tomate no Brasil. A empresa pertence ao empresário Paulo César Chiari e seus sócios, que já foram processado por colocarem seus funcionários rurais em condições análogas à escravidão.

Além de denúncias de trabalho escravo, seus organizadores também possuem outros crimes apontados em suas mãos, como a empresa Sidersa, que é uma das siderúrgicas denunciadas como responsáveis pela destruição do Cerrado em Minas Gerais, assim como pela expropriação de terras de povos tradicionais.

O comparecimento ostentoso dessas marcas nada mais que escancaram os interesses de Bolsonaro, a precarização, a exploração. Como parte se seu projeto autoritário, visa responder e contemplar os anseios mais desumanos do agronegócio, expresso pelo histórico dessas diferentes empresas, cujos crimes seguem sendo enquadrado cada vez dentro dos marcos legais, conforme se retrocedem os direitos dos trabalhadores, dos povos originários e das leis que visam proteger o meio ambiente.

Leia Também: Com apoio do agronegócio caminhoneiros fazem locaute pró-Bolsonaro




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias