Economia

PRIVATIZAÇÃO DA PETROBRAS

Empresários lucram milhões com informação privilegiada sobre ações de Bolsonaro na Petrobras

O lucro através de informação privilegiada, chamada de “insider trading” na bolsa de valores, teria ocorrido antes de Bolsonaro alterar o presidente da Petrobras para um general.

terça-feira 2 de março| Edição do dia

Imagem: Suamy Beydoun/AGIF/Estadão Conteúdo

Enquanto especuladores na bolsa de valores vendiam seus papéis em massa com a notícia de troca no comando da empresa, ganhos com operações atípicas ocorreram, suspeita-se que por uso de informação privilegiada.

O lucro foi de aproximadamente R$ 18 milhões com a operação fraudulenta na bolsa de valores de São Paulo, B3. Segundo Malu Gaspar, colunista do O Globo, a operação partiu de uma mesma corretora. As informações tem sigilo bancário, pois a lei brasileira protege os ricos fraudadores.

Tullet Prebon foi a corretora que realizou as operações. Na legislação brasileira, é a raposa que vigia o galinheiro e os nomes dos detentores das ações não podem ser divulgados. A ANBIMA, agencia reguladora dos fundos de investimento no país realiza uma “auto-regulação”, sem que o estado ou a população interfira no processo de escolha dos diretores.

Duas grandes transações ocorreram com uma opção, utilizada por especuladores para ir contra ou a favor a cotação de uma determinada empresa. A venda que estava em segunda-feira dia 22 – a R$ 26,50, porém na quinta feira, dia 18, estava a R$ 29,27. Portanto, quem fizesse a aposta da queda mediante a compra por opção, esperava que as ações caíssem pelo menos 8% para obterem o valor combinado.

Naquela mesma tarde, às 16h45, Bolsonaro se reuniu com seus aliados mais próximos no governo, entre eles Guedes, Braga Netto e Heleno. Entre o fim dessa reunião às 17h44m e 19h foi realizada a maior compra de ações da história da Petrobras, segundo reportagem do O Globo:

“Vinte minutos depois que a reunião acabou, às 17h35m do dia 18, houve uma primeira aquisição de 2,6 milhões de PETRN265. Em mais nove minutos, às 17h44m, foi feita mais uma compra, desta vez de 1,4 milhão de títulos. Juntas, as 4 milhões de opções custaram 160 mil reais aos compradores.”

Na segunda, as ações caíram 20,1% e a Petrobras perdeu 28,2 bilhões de reais em valor de mercado. Enquanto isso, a PETRN 265 faturou alto.

As ações compradas por R$ 160 mil reais podem ter rendido a seus donos até R$ 18 milhões – um lucro de 11.125%.

Assim como o general Silva e Luna recém empossado e Bolsonaro, esses especuladores buscam a privatização e lucram com ela. Se confirmada que foi utilizada informação privilegiada, é certo que a mesma saiu de dentro da alta cúpula do governo. Os mesmos não só atacam os trabalhadores, com demissões, surtos de covid-19, privatizações de fatias consideráveis da empresa, como privilegiam a setores capitalistas (ou diretamente a si mesmos) com a especulação.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Petroleiros   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Petrobras   /    Privatização da Petrobras   /    Privatização   /    Economia

Comentários

Comentar