USP

Empresa terceirizada INTERATIVA quer demitir dezenas de trabalhadoras da limpeza da FOUSP

Na manhã de sexta-feira, seis trabalhadoras terceirizadas da limpeza foram surpreendidas com o recebimento de um aviso prévio de demissão. Posteriormente foi se tornando público o interesse da empresa INTERATIVA em demitir até terça-feira 20 trabalhadoras da Faculdade de Odontologia.

sábado 23 de janeiro| Edição do dia

A alegação da empresa é de que o contrato que eles possuem com a Secretaria de Educação do município se encerraria agora em fevereiro e, com isso, a INTERATIVA não teria o que fazer com os quase 200 funcionários que prestam serviço de limpeza em dezenas de escolas da capital. Como estes funcionários possuem estabilidade até maio deste ano, devido a MP 936, a INTERATIVA havia tomado a decisão, então, de demitir trabalhadores de outros postos para realocar parte desses funcionários nesses locais.
Ou seja, diante de uma situação negocial entre a INTERATIVA e a Prefeitura de São Paulo, a INTERATIVA resolver descarregar os custos do prejuízo sobre a FOUSP e as trabalhadoras terceirizadas e suas familias, que teriam que arcar com esse ônus pela via dos seus empregos.

A administração da FOUSP se manifestou contrária a essa medida e fez a proposta para o representante da empresa de que somente fossem demitidas aquelas trabalhadoras que, por qualquer motivo particular e pessoal, quisessem ser demitidas. O que constatou se tratar de sete (7) trabalhadoras. 

Infelizmente, porém, a atitude da INTERATIVA tem sido de uma intransigência sem tamanho. Em primeiro lugar, ao convocar na manhã de sexta-feira, arbitrariamente, 6 trabalhadoras para o RH, efetivando o aviso prévio sem qualquer reunião ou negociação. Ao fim da tarde, mesmo após se reunir com a administração da FOUSP e saber a posição do SIEMACO (Sindicato das trabalhadoras terceirizadas) e do SINTUSP (Sindicato dos trabalhadores da USP) também contrários a qualquer demissão involuntária, a INTERATIVA seguiu mostrando que não parece disposta a ceder um milímetro dessa posição, e propôs uma reunião para terça-feira às 8h da manhã.

As trabalhadoras terceirizadas, reunidas em assembleia na tarde de sexta, decidiram que não irão aceitar que nenhuma colega de trabalho seja demitida contra a sua vontade, e irão aguardar dessa reunião de terça-feira um compromisso da empresa de que as únicas demissões que acontecerão serão das sete trabalhadoras que assim decidiram, para, somente assim, voltarem ao trabalho sem ameaça de serem demitidas.

Durante toda a pandemia, as trabalhadoras da limpeza foram as que mais estiveram colocando suas vidas em risco, se expondo pra manter todo o ambiente limpo. Sempre foram elas que minimizaram os riscos de contaminação para os outros colocando em risco a sua própria saúde e das suas famílias. Foram as trabalhadoras da limpeza responsáveis por garantir em tempo recorde as condições para que todo o projeto de reabertura da clínica permitisse que os estudantes do último ano pudessem estar atendendo já em dezembro. E agora, o preço que pagam por terem se doado durante todo esse período é serem descartadas pela empresa sem qualquer preocupação com a situação de vida delas. Absolutamente injusto e revoltante!

Chamamos todos os estudantes, professores e funcionários da Faculdade de Odontologia e da USP a prestarem toda solidariedade às trabalhadoras terceirizadas nesse momento e se somarem na defesa dos seus empregos. Que nenhuma trabalhadora seja demitida contra a sua vontade!!!




Tópicos relacionados

Demissões   /    Terceirização   /    USP

Comentários

Comentar