Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Mariátegui: o comunismo das “muchedumbres”

Juan Dal Maso

Mariátegui: o comunismo das “muchedumbres”

Juan Dal Maso

Notas para uma discussão sobre a concepção marxista (e mariateguiana) da política.

Em um texto conhecido de 1857, o poeta francês Charles Baudelaire escreveu:

Não é qualquer um que é dado para tomar um banho de muchedumbre [1]: desfrutar da muchedumbre é uma arte; e só pode haver uma festa de vitalidade, às custas da raça humana, aquela a quem uma fada inspirou em seu berço o gosto do disfarce e da máscara, o ódio do lar e a paixão da viagem.

O tema das multitudes e muchedumbres [2] dominou grande parte da literatura europeia e do pensamento econômico e social daquela época por um longo período. Seja para buscar nelas a legitimidade de um poder ou a possibilidade de transformação, ou pensar em como fazê-las voltar para os subúrbios dos quais nunca deveriam ter saído, ou tomá-las como um objeto estético (fascinante e perigoso ao mesmo tempo, no estilo da fixação, nesses pampas, de Borges com o tema da barbárie), as massas estavam lá e foram a expressão da sociedade no processo de mudança.

Por razões óbvias, é um tema igualmente presente no marxismo e particularmente no pensamento de José Carlos Mariátegui. A irrupção das massas, característica da situação histórica que se abre com a Primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa, marca a empreitada de suas reflexões e elaborações sobre uma ampla gama de assuntos. Unidos pelo sinal de uma mudança de época, revoluções nacionais e revoltas abrem caminho para uma prática política de massas que marca os limites da democracia liberal e apresenta uma alternativa tanto a ela quanto ao fascismo. Mas também afetam as mudanças vivenciadas pela literatura e pelas artes. Essa confluência de processos pode ser vista muito claramente em La Escena Contemporánea, mas também nos múltiplos escritos de Mariátegui.

Mariátegui usa repetidamente o conceito de muchedumbre e, embora sem ter uma sistematização teórica específica ou explícita, significa algo específico [3]. Muchedumbre é uma palavra que tem a mesma raiz latina que a multitud. O conceito da multitud tem sido utilizado pelo autonomismo, especialmente por Antonio Negri, como uma noção oposta por princípio à de povo, que nas concepções burguesas clássicas seriam a base do Estado. Mas também a multitud às vezes é usada como um substituto para o conceito de classe ou como a forma de sua reconfiguração, em função de uma leitura das mudanças do capitalismo impostas a partir das teorias do "capitalismo cognitivo".

No caso de Mariátegui, a muchedumbre tem um significado relacionado, mas diferente. A muchedumbre não se opõe necessariamente ao povo enquanto este pode ser sujeito da luta anti-imperialista (embora Mariátegui tire conclusões dos processos, especialmente da revolução chinesa de 1925-27, a partir da qual ele termina definindo a impossibilidade da burguesia nacional de uma luta anti-imperialista, para a qual há uma maior diferenciação interna do povo e sua reorganização de acordo com a divisão das classes, mas sua validade como categoria). Também não aparece como uma substituição ou reconfiguração da classe. Para Mariátegui, a muchedumbre é a forma pela qual os povos oprimidos e o proletariado estouraram no cenário político mundial, unindo lutas nacionais e luta de classes [4].

Declassés, povo conservador e muchedumbres

Mariátegui prestou atenção especial aos romances alemães sobre a Primeira Guerra Mundial. Levemos em conta seu comentário sobre Los que teníamos doce años (título espanhol do livro de Ernest Glaesser Jahrgang, de 1902). Na crítica que escreveu sobre este romance, ele mostra-o como uma expressão de uma geração que tinha 12 anos quando a guerra eclodiu e viveu-a como uma experiência estranha e que diante da crise e da tarefa reconstrutiva do primeiro período pós-guerra "não quer que sua experiência seja estéril". Este romance também mostra a experiência do pequeno-burguês desclassificado, que para Mariátegui é uma expressão da crise do capitalismo e que contrasta com a representação bucólica da pequena burguesia e da pequena cidade colocada em prática pelo populismo literário na França.

Em meio ao processo de "estabilização capitalista", a indústria do populismo literário representou o povo como uma soma de pequenas e pitorescas histórias, longe dos dramas existenciais da falência dos sentidos operados pela guerra, bem como das exigências da luta de classes em que o proletariado revolucionário estava engajado. Para ajudar a consolidar uma situação conservadora, que melhor maneira de apoiar a ideia de um povo conservador?

Diante da figura do pequeno-burguês desclassificado, e do povo conservador pintado de forma naturalista conformista, a prosa de Mariátegui nos oferece as muchedumbres. Muchedumbres que não define teoricamente, mas que estão lá. Eles são objeto de ação histórica e, ao mesmo tempo, interlocutor da intelectualidade marxista e comunista. Em sua palestra de 1923 na Universidade Popular de González Prada sobre Internacionalismo e Nacionalismo, ele apresenta às muchedumbres da nova época aberta pela guerra e pela Revolução Russa:

Um ideal caprichoso, uma utopia impossível, por mais belas que sejam, nunca move as muchedumbres. As muchedumbres se animam e se apaixonam por aquela teoria que constitui um objetivo próximo, um objetivo provável; àquela doutrina que se baseia na possibilidade; àquela doutrina que não é senão a revelação de uma nova realidade em progresso, de uma nova realidade a caminho. Vejamos, por exemplo, como surgiram as ideias socialistas e por que as muchedumbres se apaixonaram por elas.

Deve-se notar que Mariátegui viu não apenas a possibilidade da confluência entre as muchedumbres e o socialismo, mas também a força do fascismo, no qual Mussolini "é um tipo volitivo, dinâmico, verboso, italianismo, singularmente dotado para agitar massas e excitar muchedumbres" e, portanto, constituir um movimento reacionário, mas massivo. Entre muitas outras diferenças com a concepção de Mariátegui, as muchedumbres do fascismo serão regimentadas, mas massas atomizadas.

Três coisas caracterizam muchedumbres: paixão, realismo e ação. Mas também a persistência em existir diante de uma cultura e de uma sociedade que os ignora. É o que afirma Mariátegui em sua leitura retrospectiva da obra de Manuel González Prada, da qual destaca sua concepção de muchedumbres e multitudes, em seu texto sobre O Processo de Literatura, que faz parte de seus 7 Ensaios sobre a interpretação da realidade peruana.

As muchedumbres estão lá, fora da sociedade oficial, mas disposta a ouvir qualquer um que saiba falar com ela, ela está dispersa, mas pode deixar de ser assim (como foi a aposta de Mariátegui para o desenvolvimento do movimento indígena do Peru em relação à luta do movimento sindical e como as multidões foram lançadas em escala mundial). E, ao contrário de González Prada, Mariátegui vê aquele momento histórico da passagem das muchedumbres dispersas para as muchedumbres compactas, desde as muchedumbres passivas até aqueles que estão em movimento.

Foi assim que colocou em “El íbero-americanismo y el pan-americanismo”:

O íbero-americanismo precisa de um pouco mais de idealismo e um pouco mais de realismo. Precisa se consubstanciar com os novos ideais da América Indo-Ibérica. Ela precisa se inserir na nova realidade histórica desses povos. O pan-americanismo repousa sobre os interesses da ordem burguesa; O íbero-americanismo deve contar com as muchedumbres que trabalham para criar uma nova ordem. O íbero-americanismo oficial sempre será um ideal acadêmico, burocrático, impotente, sem raízes na vida. Como o ideal dos núcleos renovadores, ele se tornará, em vez disso, um ideal beligerante, ativo e multitudinário.

Acrescentamos então uma característica fundamental das muchedumbres em movimento: a luta por uma nova ordem, que una (ou pode ou deva unir) a luta de classes do proletariado em escala internacional, com as novas gerações que no Peru propõem a redenção indígena e anti-imperialista.

Muchedumbres, socialismo/comunismo e movimento real

Em sua polêmica contra o livro de Henri de Man, Além do Marxismo [5], Mariátegui tomou vários ângulos de discussão, com ênfase especial na capacidade do marxismo de ser contemporâneo e não contemporâneo ao mesmo tempo em relação às tendências filosóficas e teóricas dos primeiros anos do século XX. Questionando se o marxismo poderia ser identificado com uma concepção científica, Mariátegui reivindicou o realismo de Marx, o que o levou a procurar se apoiar na ciência para demonstrar que a luta pelo socialismo tinha bases materiais nas contradições da sociedade capitalista. E aqui as muchedumbres aparecem novamente, marcando a continuidade da luta pelo socialismo, em um sentido semelhante à imagem traçada por Engels do proletariado alemão como herdeiro da filosofia clássica alemã, em relação à discussão sobre filosofia moderna e marxismo:

O compromisso daqueles que, como Henri de Man, condenam sumariamente o marxismo como mero produto do racionalismo do século XIX não pode, portanto, ser mais precipitado e caprichoso. O materialismo histórico não é precisamente materialismo metafísico ou filosófico, nem é uma Filosofia da História, deixada para trás pelo progresso científico. [...] A crítica marxista estuda concretamente a sociedade capitalista. Enquanto o capitalismo não for definitivamente desmantelado, o canon de Marx permanece válido. O socialismo, ou seja, a luta para transformar a ordem social de capitalista para coletivista mantém essa crítica viva, a continua, a confirma, a corrige. [...] Marx está vivo na luta pela realização do socialismo travado no mundo por inúmeras muchedumbres, animadas por sua doutrina. O destino das teorias científicas ou filosóficas, que ele usou, superando e transcendendo-as, como elementos de seu trabalho teórico, não compromete de forma alguma a validade e vigência de sua ideia. Esta é radicalmente estranha à fortuna mutável de ideias científicas e filosóficas que a acompanham ou imediatamente a precedem no tempo.

As muchedumbres, então, com seu movimento social e político, marcam a continuidade da teoria marxista e do projeto socialista. Aqui deve-se notar que Mariátegui não teve a oportunidade de conhecer o texto da Ideologia Alemã, publicado na íntegra em 1932 (Mariátegui morreu em 1930) e, tanto quanto nosso conhecimento, nem teve acesso ao primeiro capítulo, que foi publicado em russo em meados dos anos 20 do século passado. É aqui que Marx e Engels fazem uma definição relacionada à de Mariátegui:

Para nós, o comunismo não é um Estado que deve ser implantado, um ideal ao qual a realidade deve ser submetida. Chamamos o comunismo de movimento real que anula e supera o estado atual das coisas. As condições desse movimento se desprendem da premissa atualmente existente.

Como Emmanuel Barot apontou, apesar dessa contraposição entre o movimento ideal e o real, Marx e Engels definem o comunismo em outros lugares em sua obra como um objetivo a ser alcançado, "a associação razoável de homens livres em uma sociedade sem classe", ou seja, eles apresentam uma ambivalência entre "comunismo-fim" e " comunismo-movimento" [6].

Voltando a Mariátegui, o mais notável é que propõe uma formulação muito semelhante à de Marx e Engels, mas sem tê-la conhecido diretamente e isso, por sua vez, está ligado à persistência do conceito de muchedumbres como sujeito de ação política. A continuidade da teoria se dá na prática política de massas (aqueles que se tornam ativos no exercício dessa prática política).

Muchedumbre, classe e auto-organização

Tínhamos dito no início que a muchedumbre de Mariátegui não é um substituto para a classe, mas uma forma que a classe adquire e a unidade da classe com os povos oprimidos, quando eles entram em movimento.

A ligação entre muchedumbre e classe é muito claramente apresentada na mesma polêmica com Henri de Man que discutimos anteriormente, sobre o sentido heroico e criativo do socialismo. Lá, Mariátegui explica que o tema do marxismo não são as massas consideradas como grupos de desorganizados indefesos e desorganizados, mas uma classe produtora que pode se levantar para a compreensão dos grandes problemas sociais e políticos e de dirigir a sociedade (aqui pesa a marca soreliana do pensamento de Mariátegui também). A estruturação no mundo da produção é um fulcro material para uma política revolucionária, mas é necessário um processo de constituição da classe trabalhadora como sujeito revolucionário a partir de sua própria experiência:

O socialismo ético, pseudo-cristão, humanitário, que está a tentar se opor ao socialismo marxista, pode ser um exercício mais ou menos lírico e inócuo de uma burguesia fadigada e decadente, mas não a teoria de uma classe que chegou à maioria, superando os objetivos mais altos da classe capitalista. O marxismo é totalmente estranho e contrário a essas especulações altruístas e filantrópicas medíocres. Os marxistas não acreditam que o empreendimento de criar uma nova ordem social, superior à ordem capitalista, incumbia de uma massa amorfa de párias e oprimidos, guiados por pregadores evangélicos do bem. A energia revolucionária do socialismo não se alimenta de compaixão ou inveja. Na luta de classes, onde residem todos os elementos do sublime e heroico de sua ascensão, o proletariado deve subir a uma "moralidade dos produtores", muito distante e distinta da "moralidade dos escravos", da qual seus professores morais gratuitos de moralidade, horrorizados com seu materialismo, insistem extraoficialmente em fornecê-lo. Uma nova civilização não pode emergir de um triste e humilhado mundo de hilotas [7] e miseráveis, sem título ou mais aptidão do que os de seu hilotismo e miséria. O proletariado não entra na história politicamente, mas como classe social; no momento em que ele descobre sua missão de construir, com os elementos próximos pelo esforço humano, moral ou amoral, justo ou injusto, uma ordem social superior. E a essa capacidade ele não chegou por milagre. Adquire-o colocando-se solidamente no campo da economia, da produção. Sua moralidade de classe depende da energia e heroísmo com que atua neste campo e na medida em que conhece e domina a economia burguesa.

Aqui não se fecha, mas sim se completa, o ciclo muchedumbre/classe e classe/muchedumbre ao qual devemos acrescentar, no tom do "movimento real", a questão da auto-organização.

Mariátegui já havia destacado a novidade histórica do "Estado soviético", ou seja, o Estado operário baseado nos sovietes, como uma nova forma de democracia em massa que superou as limitações da democracia liberal em crise e constituiu a única alternativa ao fascismo, instituindo através dos sovietes a unidade das tarefas executivas e legislativas [8]

Uma observação muito semelhante à que contrastava a moralidade dos produtores ao "povo de hilotas" feito em seus 7 Ensaios sobre a importância da auto-organização indígena:

A solução para o problema do índio tem que ser uma solução social. Seus realizadores devem ser os próprios índios. Esse conceito leva a ver no encontro dos congressos indígenas um fato histórico. Os congressos indígenas, distorcidos nos últimos anos pelo burocratismo, ainda não representavam um programa; mas suas primeiras reuniões sinalizaram uma rota de comunicação aos índios das várias regiões. Os índios não têm vínculo nacional. Seus protestos sempre foram regionais. Isso contribuiu, em grande parte, para o seu desânimo. Um povo de quatro milhões de homens, cientes de seus números, nunca se desespera com seu futuro. Os mesmos quatro milhões de homens, desde que sejam apenas uma massa inorgânica, uma multidão dispersa, são incapazes de decidir seu curso histórico.

Assim, a demanda pelo "comunismo inca" e sua continuidade nas tradições comunitárias indígenas como algo convergente com a luta socialista do proletariado moderno, está organicamente ligada à visão de Mariátegui sobre o papel das muchedumbres na política do período entre guerras, sua ligação com a questão da classe e o comunismo como um movimento real.

Algumas conclusões

Temos apontado nesse sentido a existência do conceito de muchedumbres em Mariátegui, utilizado principalmente no plural e ligado à questão da classe e à luta de classes. Também propomos que as muchedumbres se apresentem como uma alternativa aos pequeno-burgueses desclassificados da inteligência crítica, mas sem esperança, e do povo conservador do populismo literário francês. Ressaltamos que as muchedumbres, para Mariátegui, reúnem uma série de características que as transformam em agentes da política revolucionária contemporânea: uma base material no mundo da produção (caráter de classe), uma dinâmica de mobilização, uma identificação entre os próprios objetivos e o projeto socialista e, portanto, uma correlação entre o pensamento teórico e a ação social e política. Associamos essas questões à importância da auto-organização, que Mariátegui associa à instituição dos sovietes ou conselhos operários, que emergiram do próprio mundo da produção. Nesse contexto, a questão das muchedumbres implica a concepção do comunismo como um movimento real.

Essas reflexões possibilitam pensar sobre o problema da política a partir de uma perspectiva marxista. Ao contrário das posições predominantes na esquerda e na inteligência progressista das últimas décadas focadas na supervalorização do discurso político, o pensamento de Mariátegui, como o de Rosa Luxemburgo, Lênin, Trotsky, Gramsci e tantos outros marxistas do século XX, está focado na dinâmica da mobilização em massa e sua capacidade criativa em todos os campos. E ao contrário do autonomismo, que utiliza a categoria de multitud relacionada à da muchedumbre, mas como substituto ou reformulação do conceito de classe, para Mariátegui corresponde a uma dinâmica que a classe trabalhadora e os povos oprimidos estabelecem em sua luta; o comunismo não existe aqui e agora, mas só pode ser construído com base no confronto e destruição do capitalismo. Um comunismo das muchedumbres cada vez mais necessário diante de um sistema cada vez mais destrutivo e bárbaro.

Tradução: Noah Brandsch


veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1NdT: ver nota 2

[2NdT: Optamos por deixar os termos na linguagem original do artigo, o espanhol, na falta de palavras que, na tradução, pudessem diferenciar ambos os conceitos. Na ciência política, há uma diferença entre "muchedumbres" e "multitudes", sendo a primeira a abundância de pessoas ou coisas, e a segunda a diversidade de pessoas que atuam de modo conjunto e alienado para conseguir um objetivo em comum.

[3Aproveito para agradecer a Martín Bergel pela troca fugaz sobre este tema, o que me ajudou a esclarecer qual seria mais tarde a proposta deste artigo.

[4Para uma leitura da multitud como uma dinâmica da classe em luta , veja Montag, Warren, “Aprendiendo de las masas: Trotsky en el Circo Moderno”.

[5NdT: Tradução de Más allá del marxismo

[6Barot, Emmanuel, Marx en el país de los soviets o los dos rostros del comunismo, Bs. As., Ediciones IPS, 2016, p. 35.

[7NdT: os hilotas eram os servos na antiga sociedade grega. Diferentemente dos escravos, os hilotas eram propriedade do Estado

[8Ver o artigo sobre Lenin “Conductor de muchedumbres y pueblos” en Mariátegui, José Carlos, Política Revolucionaria, Tomo I, Caracas, Fundación Editorial El Perro y la Rana, 2010, p. 229.
CATEGORÍAS

[Luta indígena]   /   [comunismo]   /   [América Latina]

Juan Dal Maso

Comentários