Internacional

MOVIMENTO OPERÁRIO

Em toda a França, refinarias entram em greve em solidariedade à Grandpuits e pela manutenção dos empregos!

Na quarta-feira, as refinarias da Total entraram em greve em resposta ao apelo da CGT FNIC e dos grevistas da Grandpuits, em solidariedade à sua luta, mas também em defesa do emprego de todo o grupo.

quarta-feira 3 de fevereiro| Edição do dia

Foto: Karim Ait Adjedjou

“Normandia, Flandres, La Mède, Feyzin e Donges paralisaram esta manhã. Nenhum produto sai desses locais por 48 horas!" Nas redes sociais, Thierry Defresne, representante sindical central da CGT na Total, anunciou a boa notícia: as refinarias seguiram em grande parte o chamado à mobilização em solidariedade à Grandpuits e em defesa do emprego de todo o grupo.

Adrien Cornet, delegado da CGT na Grandpuits e líder da luta em curso, relata um número significativo de grevistas. “Normandia: 50% na refinaria e 40% na petroquímica; Flandres: 100%; La Mède: 40%; Feyzin: 100% refinaria, 60% na petroquímica e 70% no embarque.” Relatou no Twitter.

Esta mobilização bem sucedida segue o chamado da FNIC e da Grandpuits CGT para uma greve de 48 horas em solidariedade à luta das refinarias Seine-et-Marne. Nos últimos dias, como Adrien Cornet relatou na assembleia geral de ontem, uma equipe de grevistas visitou vários locais da Total para fazer este chamado e convencer seus colegas a fazerem o mesmo. “Temos que mostrar à Total que estamos unidos, aconteça o que acontecer. Não são apenas os grevistas da Grandpuits que eles têm à frente, são todos os caras de macacão que vão ficar com raiva. É isso que os assusta!” Adrien Cornet explicou aos refinadores na Normandia, antes de ir para Feyzin.

Conforme relatado pela Reuters, sobre o movimento: “A Total indicou que, após o chamado à greve, os embarques de produtos poderiam ser interrompidos em algumas de suas refinarias, acrescentando, entretanto, que continuaria a garantir o abastecimento de seus postos de trabalho e de seus clientes."

Este primeiro dia de greve de solidariedade é, de qualquer forma, um belo símbolo e uma demonstração de como as refinarias Grandpuits impactaram todos os trabalhadores em sua luta exemplar. No entanto, para dobrar a Total e se opor aos ataques dos patrões de forma mais ampla, será necessário ir além dessas 48 horas de paralisação em um só setor. Precisamos, de fato, de um verdadeiro plano de batalha para todo o mundo do trabalho, o que terá que ser defendido nas ruas no dia 4 de fevereiro.




Tópicos relacionados

CGT - França   /    Refinarias   /    Refinaria Grandpuits   /    Greve   /    Internacional

Comentários

Comentar