Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Em memória de Marília Mendonça

Redação

Em memória de Marília Mendonça

Redação

Marília Mendonça, a Rainha da Sofrência e ícone do feminejo, nasceu em 22 de julho de 1995, em Cristianópolis, no interior de Goiás. Deu início à carreira musical aos 12 anos, época que começou a compor canções já no estilo ’sofrência’, como ’Minha Herança’, cantada pela dupla João Neto e Frederico.

Marília Mendonça foi de compositora a uma das principais cantoras do Brasil em um curto espaço de tempo, liderando o movimento do feminejo, que invadiu o sertanejo - espaço majoritariamente masculino - com a perspectiva das mulheres. Com suas letras sinceras marcadas pelo romance, e tudo o que o amor não deveria ser, Marília marcou uma geração.

Antes de se tornar famosa, suas letras se tornaram concorridas e sucessos na voz de estourados cantores sertanejos, como ’Até Você Voltar’ e ’Cuida Bem Dela’, de Henrique e Juliano; ’Calma’, de Jorge e Mateus; ’Ser Humano ou um Anjo’, com Matheus e Kauan; e até na voz de Cristiano Araújo, que também faleceu em um acidente, a canção ’É Com Ela Que Eu Estou’.

Seu reconhecimento como cantora só venho após participar do DVD da dupla Henrique e Juliano, cantando a música de sua autoria ’Flor e o Beija-Flor’. O sucesso da parceria gerou todo o entusiasmo necessário para alavancar o seu primeiro DVD, em 2015, um marco em sua carreira.

No YouTube, Marília Mendonça tem o maior canal do segmento de música sertaneja, com mais de 20 milhões de inscritos e se tornou a primeira artista brasileira a atingir a marca de mais de 11 bilhões de visualizações – já ultrapassando 13 bilhões. Por onde passava a "rainha da sofrência" levava uma multidão de fãs apaixonados pelo sertanejo. Em Belo Horizonte, na gravação da música "Graveto", Marília chegou a arrastar mais de 100 mil pessoas para a praça da Estação, no Centro da cidade, num show avisado com um dia de antecedência. O show, que foi realizado gratuitamente, fez parte da turnê "Todos os Cantos" que, a princípio, seria gravada nas 27 capitais do país, no entanto, como a cantora engravidou, a turnê foi suspensa. Logo depois veio a pandemia e o projeto não foi concluído.

Marília já ganhou um Grammy Latino, em 2019, na categoria Melhor Álbum de Música Sertaneja. Venceu também o Prêmio Multishow de Música Brasileira por três anos: 2018, 2019 e 2020. O Troféu Imprensa foi ganhado em 2017 e 2018. Além do Meu Prêmio Nick por Live do Ano em 2020, quando teve a transmissão mais assistida simultaneamente de todos os tempos, com mais de 3 milhões de pessoas.

Marília Mendonça morreu na tarde do dia 5 de novembro de 2021, em um acidente aéreo após a queda de um avião de pequeno porte em uma cachoeira na Serra de Piedade de Caratinga, no região do Vale do Rio Doce, que levava a cantora, seu assessor, o tio que a acompanhava nos shows, além de piloto e co-piloto. Não houve sobreviventes. A cantora faleceu aos 26 anos, deixando um filho de 1 ano e 9 meses, fruto de seu relacionamento com o também compositor e cantor Murilo Huff, com quem namorou por cerca de três anos entre idas e vindas; além de um irmão e a mãe, conhecida pelo público pelas declarações de gratidão feitas pela artista.

Nós do Esquerda Diário nos solidarizamos com sua família e fãs.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Marília Mendonça]   /   [Carcará - Semanário de Arte e Cultura]   /   [Arte]   /   [Música]   /   [Cultura]

Redação

Comentários