Sociedade

EDUCAÇÃO

Em meio ao colapso da saúde Leite sanciona lei que torna educação como serviço essencial

Eduardo Leite (PSDB) sancionou na tarde dessa terça-feira (23) lei votada no dia 16 (na terça passada) pelos deputados gaúchos que torna o ensino público e privado como atividades essenciais, abrindo precedente para derrubar a liminar que impede a abertura das escolas durante a bandeira preta e o colapso sanitário.

terça-feira 23 de março| Edição do dia

Embora a lei não obrigue o retorno presencial das aulas de imediato, tornar a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o apoio pedagógico atividades essenciais é uma sinalização para avançar na flexibilização dos protocolos. Em meio ao caos sanitário gaúcho, com 107% das UTIs lotadas,mais de 17 mil mortos por covid-19 no estado, aumento exponencial do contágio, ameaça de falta de oxigênio nos hospitais, Leite reabre o comércio e quer reabrir escolas como depósitos de crianças para que os trabalhadores possam ser melhor explorados.

Independente do que os deputados e o governador que vivem outra realidade decidem, quem está na linha de frente da saúde e da educação é quem tem que decidir quando e como o retorno das aulas presenciais deve ocorrer. As vidas valem mais do que o lucro de meia dúzia de empresários que Leite e os deputados representam. É preciso organizar os Conselhos Escolares em cada escola para efetivar a gestão democrática das escolas, cada comunidade, junto com os profissionais da saúde e da educação devem decidir em assembleias quando o retorno é possível e em que condições.

Leia também: É preciso enfrentar a barbárie sanitária no RS com a força da classe trabalhadora




Tópicos relacionados

Colapso da saúde   /    Retorno inseguro das aulas presenciais    /    Retorno presencial de aulas   /    Crise do Coronavírus   /    Crise capitalista   /    Crise na Educação   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Crise gaúcha   /    Sociedade   /    Educação   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar