Política

Em meio a pandemia, ALESP gasta R$ 30 milhões com reformas

Enquanto os trabalhadores se aglomeram nos transportes públicos e se expõem ao vírus, os deputados estaduais poderão usufruir de auditórios novinhos em folha para hipocritamente pedir pelo isolamento social que os próprios negam para a população e irão ainda curtir um clima invernal antes de voltar para casa.

segunda-feira 18 de janeiro| Edição do dia

(Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Foram diversas obras feitas, sob a presidência do deputado Cauê Macris (PSDB) que agora é cotado para ser secretário da casa-civil de João Doria. Entre elas, a reforma do jardim de inverno localizado na garagem, que custou mais de R$ 800 mil.

Na reforma de três auditórios da casa, ao custo de mais de R$ 3 milhões, o edital determinava que todo o material usado deveria ser de “primeira qualidade”. Foram reformados também o estúdio da TV Alesp, se construiu um bicicletário e elementos de combate a incêndios.

Como se não fosse suficiente, está em fase de estudos, antes da abertura de licitação, a reforma de mais três auditórios que, segundo reportagem do jornal Valor Econômico, teriam custo de cerca de R$ 17 milhões.

Veja mais: ALESP mantém funcionários trabalhando para garantir lucro dos empresários

É uma grande ofensa aos trabalhadores que não tiveram acesso ao isolamento social, não tiveram testes massivos garantidos e que, graças à política do governo paulista, junto ao governo federal, o estado de São Paulo se aproxima de 50 mil mortos por Covid-19.




Tópicos relacionados

ALESP   /    privilégios   /    João Doria   /    PSDB   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar