Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Edgar Allan Poe: entre poemas, contos e corvos

Pablo Minini

Edgar Allan Poe: entre poemas, contos e corvos

Pablo Minini

172 anos após sua morte, uma boa oportunidade para se lembrar dele e recomendar a leitura.

Em 7 de outubro de 1849, Edgar Allan Poe morreu em uma enfermaria de um hospital em Baltimore.

Uma vez foi dito que o horror de suas histórias e poemas tinha influências dos alemães, ao que ele respondeu que o horror não vinha dos alemães, mas da alma. Uma coisa é certa é que ele viu o horror em sua própria alma e não correu seu olhar. Ele foi o primeiro a querer viver com a renda que a escrita lhe deu, mas ele não foi o primeiro a gastar toda essa renda com álcool.

Ele se reconheceu como poeta e entendeu que sua prosa era como um complemento, uma adição não tão importante. E ainda em 1841 ele escreveu Os Crimes da Rua Morgue e fundou os princípios da literatura policial. Seu personagem, Dupin, não era um detetive iluminado, mas um trabalhador consciente e racional que analisava dados e pistas. Ele delimitou os contornos do gênero de contos como o entendemos hoje.

E, como o bom Dupin, ele era um trabalhador intelectual em seus poemas. Em A Filosofia da Composição ele explica o trabalho para construir seu poema mais conhecido, O Corvo. Ele detalha o porquê da escolha de cada elemento: por que um corvo, por que preto, por que ficar em um busto de mármore de Palas (ou Atena, na maioria das traduções feitas para o português como a de Fernando Pessoa), por que a noite e a neve, por que Lenore, Nameless here for evermore (Sem nome aqui jamais!), por que o corvo repetia a palavra nevermore (nunca mais). Em relação a este último, ele diz que tinha que ser uma palavra sombria, sonora e reverberante. E ele encontrou. Toda sua análise fala de sua teoria da estética e da composição: sem musas, mas trabalho consciente e sustentado.

Alguns dizem que ele escreveu O Corvo porque seu parceiro estava doente. Digamos que ele previu a dor pela morte de sua amada e queria matar a Lenore do poema para que sua amada vivesse. Isso é olhar para o horror da própria alma.

Em 1845 ele escreveu O Demônio da Perversidade. Nele ele questiona a frenologia. Ele diz que os frenólogos tomaram como certo que as características da mente humana tinham a ver com os atributos de Deus: não se era mau, mas tinha a parte da bondade atrofiada. Mas Poe diz que foi metodologicamente incorreto, uma vez que houve um impulso que em alguns indivíduos foi totalmente desenvolvido e sua localização cerebral ainda não havia sido encontrada: perversidade.

Há indivíduos, diz Poe, que agem contra toda a razão buscando o próprio mal, não porque eles estão atrofiados ou não sabem como raciocinar, mas porque sua motivação é fazer o mal precisamente porque não é conveniente fazê-lo.

Suas dúvidas sobre a razão ou melhor, sua busca por um buraco negro na razão ocidental, guiavam sua estética. Numa época em que ele contava com avanços revolucionários na técnica, escritores de ficção recorreram ao horror que os avanços científicos poderiam produzir nos homens ou à persistência do mal e dos espíritos arcaicos (Holmberg é um expoente do primeiro, Lovecraft deste último, embora mais tarde que Poe). Poe era diferente: confiava na ciência, não no método científico; ele confiava nos avanços, não no uso que os humanos poderiam dar a ele.

O último trabalho de Poe foi um poema especulativo que combinava literatura e astronomia. Poe foi cauteloso com o método científico e usou algo que agora é conhecido como acaso científico, que para ele era uma certa forma de intuição. Embora cientificamente incorreto, o trabalho teve um sucesso: em 1849, Poe já falava que o universo deve ter nascido da explosão de uma partícula superdensa. Um século depois, nasce a teoria do Big Bang.

Ele também resolveu o paradoxo de Olbers. O que diz esse paradoxo? Dado um universo de estrelas infinitas, imóveis e uniformemente distribuídas, o céu noturno deve parecer totalmente branco e iluminado. Não é assim, claramente, porque vemos um céu negro com estrelas cravejadas e dispersas. Poe postulou que as estrelas eram realmente infinitas, mas havia algumas tão distantes que sua luz não chegou à Terra. Portanto, o universo tinha que ser maior do que aparentava ser.

Renovador do romance gótico, precursor do estruturalismo, teve um reconhecimento tardio. Em 7 de outubro de 1849, aos 40 anos, morreu após quatro dias de agonia. Na época, apontaram a causa ter sido uma inflamação cerebral, que na verdade era um eufemismo elegante para intoxicação alcoólica.

veja todos os artigos desta edição
CATEGORÍAS

[Legado artístico]   /   [Artistas]   /   [Carcará - Semanário de Arte e Cultura]   /   [Arte]   /   [Literatura]   /   [Cultura]

Pablo Minini

Comentários