×

CPI da Covid | Dono da Precisa nega articulação com Barros e mantém silêncio em respostas no depoimento

Francisco Maximiano, sócio-administrador e dono da Precisa Medicamentos, intermediária nas negociações da compra da vacina indiana Covaxin pelo governo Jair Bolsonaro, está neste momento sendo ouvido pela CPI da covid.

quinta-feira 19 de agosto | Edição do dia

Foto: Jefferson Rudy - 19.ago.2021/Agência Senado

O empresário, também sócio da Global Gestão em Saúde, que, segundo o Ministério da Saúde, enganou o governo federal em um negócio de R$ 20 milhões feito em 2017 por medicamentos jamais entregues, respondeu com silêncio a maioria das perguntas feitas pela CPI no dia de hoje.

Silêncio este que é possibilitado pelo habeas corpus concedido pelo STF em Junho, que o permitia manter o silêncio em relação à perguntas que ele considere incriminatórias, estratégia que Maximiano tem usado para não responder a maioria das perguntas.

Em relação a pergunta sobre se houve articulação com o deputado Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro, no que se refere à elaboração de uma emenda que permitiu que vacinas aceitas pelas autoridades sanitárias indianas pudessem obter a mesma autorização no Brasil, emenda apresentada pelo próprio deputado, o dono da Precisa respondeu negativamente, afirmando que por mais que conhecesse Barros, não houve negociação sobre a elaboração e apresentação da emenda.

Quando questionado se intercedeu ou solicitou que o presidente Jair Bolsonaro interferisse na negociação da Covaxin com o governo indiano, Maximiano também se utilizou do silêncio.

Leia também: CPI aprova quebra de sigilo de Ricardo Barros e diversos bolsonaristas




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias