Mundo Operário

SINDICALIZAÇÃO DA AMAZON

Direto do depósito da Amazon em Bessemer

Os esforços e o apoio à sindicalização do depósito da Amazon em Bessemer não estão limitados apenas aos seus trabalhadores. A partir dos relatos de nossa companheira Tatiana Cozzarelli do Left Voice, o site em inglês da rede de jornais La Izquierda Diario, vemos Motoristas de Uber, trabalhadores da saúde e jovens residentes de Birmingham, Alabama se solidarizarem.

segunda-feira 29 de março| Edição do dia

Foto: Trabalhadores da Amazon protestam em Nova York, em fevereiro. ERIK MCGREGOR / LIGHTROCKET VIA GETTY IMAGES

Já se passaram três dias do dia 25/03/2021 no Alabama e peguei um Uber novamente. Desta vez, estou indo para Bessemer, que fica a cerca de 30 minutos de Birmingham, na frente do depósito da Amazon. Havia um ato na noite de terça-feira que estava ansiosa para assistir.

Eu entro no Uber e sou comprimentada por um homem usando uma máscara da bandeira americana. Meus radar anti-imperialista começam a apitar, mas então ele diz “boa tarde” e eu ouço seu sotaque. Oriente Médio, talvez? Mas definitivamente tinha sotaque. Eu me pergunto como é ter aquele sotaque no Alabama. Eu me pergunto se é por isso que ele está usando aquela máscara.

Começamos a conversar e adivinha só: ele não é apenas motorista de Uber. Ele também dirige para a Amazon e Whole Foods. Ele é um imigrante do Oriente Médio que está no Alabama há 40 anos. Ele tem 65 anos e deveria estar aposentado, mas precisa dirigir para “só” sobreviver. “É claro que os trabalhadores da Amazon precisam de um sindicato”, afirma enfaticamente. “O Uber também precisa de um sindicato! É muito fácil para eles explorarem e não temos segurança alguma ”, diz ele. Os trabalhadores do Uber são contratados sem carteira assinada, sem proteção no local de trabalho, saúde ou outros “benefícios”.

Ele me disse que trabalhar na Amazon é terrível. A Amazon recentemente deixou de usar a UPS para fazer sua logística migrando uma estrutura de contratantes independentes. Eles também usam Amazon Delivery Service Partners (DSP), que são pequenas empresas de serviço de entrega “independentes” compostas por frotas de 20 a 40 vans. Eles ainda usam motoristas Amazon Flex, que fornecem seus próprios carros e são pagos no final da rota de entrega. Esses trabalhadores são ainda mais precários do que os trabalhadores dos depósitos, dificultando não apenas a sindicalização do setor, mas também a aplicação de proteções ao salário mínimo e à legislação trabalhista básica.

Em ambos os casos, os trabalhadores recebem metas super altas e rotas determinadas por um algoritmo que faz os motoristas trabalharem em um ritmo desumano. Como explica a jornalista Lauren Kaori Gurley, os motoristas são forçados a dirigir para norte e para sul sem parar para não perder tempo - alguns motoristas até foram atropelados e mortos enquanto lutam para cumprir as metas da Amazon. Esses são “alguns dos empregos menos protegidos e mais brutais”, ela argumenta.

Meu motorista do Uber me disse: “Meu corpo realmente dói. Não sou mais tão jovem e não posso andar por aí com pacotes pesados. Isso realmente cansa seu corpo. É por isso que não trabalho mais lá. ” Ele me explica que a Amazon está assumindo o controle do Alabama. Na verdade, outro depósito está sendo inaugurado em uma cidade próxima. “Talvez se esse galpão se sindicalizar, ajude os demais a se sindicalizarem e conseguirem melhores condições de trabalho. Talvez possa até ajudar motoristas como eu. ”

Quando chegamos na Amazon, é difícil ver o depósito inteiro. Mas pelo que posso dizer, é enorme. E o estacionamento? Já vi estacionamentos menores para salas de concerto. Penso nos trabalhadores que precisam percorrer todo o armazém para ir ao banheiro. Penso nos trabalhadores que precisam andar toda a extensão do depósito várias vezes ao longo do dia enquanto enchem as caixas. Os trabalhadores são predominantemente negros e sofrem não apenas de racismo sistêmico, mas também de hiperexploração, como os negros sofreram ao longo de toda a história. Eu penso em como a Amazon fiscaliza o intervalo entre a tarefa dos trabalhadores -um período em que eles não estão verificando mecanicamente os pacotes. Cada movimento é rastreado e os trabalhadores que ficam abaixo de um “limite de produtividade” são disciplinados ou demitidos. Quero que os trabalhadores saibam como estou com raiva pelas suas condições desumanas de trabalho e com a maneira como são forçados a sacrificar seus corpos e seu tempo para produzir riqueza para Bezos e a Amazon. Ficar do lado de fora com uma placa dificilmente é suficiente para expressar isso.

As ruas estão repletas de faixas de apoio ao sindicato. “Sem mudança, nada muda. Sindicatos sim! ” e “Mais fortes juntos. Vote Sim! ” Uma faixa mostra Stacey Abrams vestida como Rosy, The Riveter, em apoio ao sindicato.
O apoio de Abrams certamente chamou a atenção para a luta pela sindicalização. Mas o sinal dá a mensagem errada - uma mensagem que os sindicatos de todo o país transmitem aos trabalhadores. Repetidamente, eles dizem aos trabalhadores que seu poder vem dos políticos do Partido Democrata, que seu poder está nas urnas e que os trabalhadores estão desamparados sem o apoio dos políticos. Nada poderia estar mais longe da verdade. Os trabalhadores da Amazon são a fonte de lucro para uma das maiores corporações do país e os trabalhadores da Amazon fazem a economia nacional funcionar, entregando pacotes essenciais que incluem medicamentos, EPIs e outros suprimentos essenciais. Seu poder está em sua capacidade de reter seu trabalho, não em Stacey Abrams ou em qualquer outro político capitalista.

A base terá que lutar para que o sindicato seja uma força de combate independente, ao invés de uma ala do Partido Democrata. Se julgarmos pelo foco e exaltação de Abrams, bem como nas visitas de outros políticos do Partido Democrata, isso é um mau presságio para um futuro sindicato em Bessemer.

Há apenas cerca de uma dúzia de pessoas reunidas do lado de fora dos portões da Amazon. Está chovendo, mas as pessoas não se intimidam. Há um punhado de membros da Socialist Alternative, com cartazes pintados que dizem “Sindicalizem a Amazon, Sindicalizem o Sul” e faixas sindicais que dizem “Nossa Comunidade Apoia Trabalhadores da Amazon. Vote sim para os sindicatos! ” Há cerca de cinco funcionários do sindicato e o vice-presidente do sindicato, bem como algumas pessoas de uma organização sem fins lucrativos de justiça ambiental chamada SWEET Alabama, além de algumas pessoas que não são filiadas a nenhum grupo.
Pego minha placa e tento atravessar a rua. É uma estrada de quatro pistas movimentada e tenho que correr para chegar lá. Quando tento atravessar novamente, viro-me para dizer algo a um camarada e, quando volto, o sinal está verde e não posso atravessar. É uma das luzes mais rápidas que já vi.

E não é nenhuma surpresa. A Amazon pediu a Bessmer que mudasse o tempo dos sinais vermelhos do lado de fora de suas instalações para que os trabalhadores tivessem menos contato com pessoas como nós solidárias do lado de fora. A cidade acatou a petição. É um dos exemplos mais absurdos dos esforços que a Amazon está enfrentando para impedir o sindicato.

Eu fico na esquina e agito meu pôster enquanto as pessoas passam. Recebemos algumas buzinadas em solidariedade - alguns carros, alguns caminhões e um ônibus. Eu comecei a conversar com uma profissional de saúde de outro lugar no Alabama, que dirigiu até Bessemer para se solidarizar. Ela não está com nenhum grupo; ela é apenas uma trabalhadora que sentiu que era certo se solidarizar com os trabalhadores da Amazon. Logo, outro voluntário independente chega para nos dizer que temos que sair. Há quatro pessoas na nossa esquina e, aparentemente, há uma ordem que diz que apenas três pessoas podem se reunir em uma esquina. A Amazon, em coordenação com a polícia local, está sendo rigorosa quanto ao cumprimento da lei. Mais um exemplo das táticas de combate aos sindicatos da Amazon.

Caminhamos para outra esquina em meio a chuva e ao vento no meio da grama porque não havia calçada, e me pergunto se essa é outra lei que a Amazon fez o governo aprovar. Luzes dos semáforos, número de pessoas na esquina ... afinal, como explica Marx, o estado “nada mais é do que um comitê para administrar os assuntos comuns de toda a burguesia”. Eles podem até mesmo fazer com que eles mudem o horário dos semáforos.

Conforme os trabalhadores saem do armazém, alguns dão um aceno amigável e sorriem. Mas, na grande maioria, eles não nos dizem muita coisa e não há trabalhadores do lado de fora com a gente. Eu me pergunto se isso é por causa do medo da repressão - a Amazon tem feito tudo para lutar contra o sindicato. Eles estão gastando US $ 10.000 por dia em uma empresa privada que busca minar os sindicatos. Eles puxam os trabalhadores para reuniões anti-sindicais no trabalho e colocam cartazes anti-sindicais no banheiro. Eles ameaçaram os trabalhadores com a perda de seus empregos e estão ligando e mandando mensagens de texto para cada trabalhador com retórica anti-sindical.

Não sei como é o funcionamento interno deste movimento sindical - e estou aqui para descobrir. Mas eu sei que a maioria é de cima para baixo, o sindicalismo empresarial. É o que a maioria dos sindicatos se tornou: uma ala do Partido Democrata que se recusaram a lutar contra as demissões e a austeridade. Este não é um motivo para desistir completamente dos sindicatos, mas precisamos lutar para tomar eles de volta. Temos que entender que essa luta de sindicalização na Amazon é uma primeira batalha importante, não toda a guerra. Só ter um sindicato não é o suficiente; tem que ser dirigido pelos trabalhadores, para os trabalhadores. Isso significa que a base do sindicato deve exigir que as decisões sejam tomadas pelas bases, não pelos líderes sindicais no topo. Significa que os trabalhadores devem exigir um sindicato que lute também pela comunidade que o apoiou ao longo dessa luta.

O que é bonito nessa luta é que há muito apoio da comunidade, como escrevi em outro artigo. Hoje, na manifestação, conheci um jovem de Birmingham que concordou em dar uma entrevista. “Esta é uma das maiores coisas que acontecem em Birmingham e tem potencial.” Ele continua dizendo: “Quando ouvi pela primeira vez sobre todos os esforços da Amazon para suprimir isso e todas as táticas de intimidação sindical, foi uma loucura. Eu só sinto que os funcionários realmente precisam saber que são apoiados."

Faltam apenas alguns dias para a contagem dos votos no dia 29 de março. Saberemos em breve se a campanha sindical foi bem-sucedida. Todos estão otimistas, desde os funcionários do sindicato até a população em Birmingham.
Após cerca de duas horas de pé do lado de fora, a chuva aumenta e junto com o vento. Meu cartaz praticamente derreteu em minhas mãos. Pego uma carona com camaradas de volta para nosso Airbnb e olho pela janela para Bessemer. Há casas fechadas com tábuas e algumas que parecem ter sido incendiadas. Há casas destruídas e carros velhos enferrujados nos gramados. O salário mínimo aqui é de apenas US $7,25 a hora e é culpa tanto dos democratas quanto dos republicanos. É claro que o neoliberalismo, o racismo institucional e os legados da escravidão, Jim Crow e da segregação estão vivos nesta comunidade predominantemente negra. Mas também está claro que a história da resistência negra está viva e bem, desde o legado sindical radical do Alabama e o Movimento dos Direitos Civis até agora, potencialmente, o primeiro sindicato da Amazon no país.

Embora, é claro que conquistar um sindicato não vá desfazer as condições de deterioração da classe trabalhadora, especialmente da classe trabalhadora negra, que o neoliberalismo condenou à pobreza e à precariedade, seria um passo importante no caminho da luta da classe trabalhadora por melhores condições e um pedacinho do que é nosso. Não é suficiente - temos um mundo inteiro pelo qual lutar. Mas é um começo.

Sem dúvida, esse movimento sindical está criando um debate local e nacional sobre as profundas desigualdades do capitalismo e a necessidade de nos solidarizarmos contra os gigantes que nos oprimem. É convencer os jovens a demonstrar solidariedade na chuva e os trabalhadores da Amazon em todo o país a buscar sindicalizar seus locais de trabalho.

Quando saí, o jovem com quem falei ainda estava lá fora, na chuva - sem guarda-chuva, mas com toneladas de energia. “No Sul, não há muita solidariedade entre a classe trabalhadora e sinto que precisamos mais disso.” Isso parece apenas o começo.




Tópicos relacionados

Estados Unidos da América   /    Left Voice   /    Sindicatos   /    Amazon   /    Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar