Mundo Operário

COMLURB

Direção da Comlurb segue perseguindo e ameaçando garis

A Comlurb continua a expor os trabalhadores ao contágio e a perseguir e punir quem denuncia esses absurdos, como o gari Bruno da Rosa.

segunda-feira 3 de agosto| Edição do dia

Durante a Pandemia os trabalhadores da linha de frente do Rio de Janeiro vem passando por maus bocados, estão literalmente numa guerra sem as armas adequadas, como é o caso dos garis da Comlurb. Viemos denunciando a meses aqui portal Esquerda Diário a partir de relatos de trabalhadores da Comlurb a degradante situação que passavam com falta de Equipamentos de Proteção, o que levou a inúmeros casos confirmados e inclusive mortes que a direção da empresa esconde.

Desde começou a pandemia vários garis vem denunciando as péssimas condições de trabalho, o gari Bruno da Rosa recentemente fez um vídeo denunciando essa situação e sofreu perseguição direta da direção da empresa, foi suspenso por 5 dias numa atitude absurda dessa direção que persegue grevistas e todos aqueles que lutam contra as condições precárias de trabalho na pandemia.

O vereador Babá, da CST-PSOL, mostrou durante uma sessão na Câmara Municipal do Rio o relato do gerente sobre a suspensão injusta sofrida por Bruno, onde reconhece que a punição vem “de cima pra baixo” e que ele gerente apenas assinou a mando da chefia. O caso é grave, trata-se de uma punição da diretoria jurídica da empresa sobre um trabalhador que pedia melhores condições de trabalho, escancarando o objetivo político de perseguir um gari que denunciou as péssimas condições de trabalho, além de intimidar todos aqueles que também sofrem com essas condições e desejam denunciá-las.

A PERSEGUIÇÃO ESTÁ PROVADA!

Com um áudio recebido essa manhã pelo nosso gabinete, o gerente de Piedade, Marcos Aurélio confessa que o gari Bruno da Rosa foi punido com uma ordem de cima pra baixo e que foi uma represália à sua denúncias.

Encaminharei a íntegra do Áudio para análise e espero que os verdadeiros culpados nessas história sejam responsabilizados por essa perseguição vergonhosa contra um gari.

Essa prática de perseguir quem luta por direitos se tornou uma prática dentro da COMLURB, principalmente depois que passaram a transformar a empresa num cabide de emprego de vereadores e amigos do prefeito.

Escute até o final!!!

Publicado por Vereador Babá em Quinta-feira, 30 de julho de 2020

Os garis são parte da linha de frente ao coronavírus, um trabalho extremamente essencial e tratado para ser não-visto pelas pessoas, como trabalhadores invisíveis. São trabalhadores com filhos, mães, pais que se expõem rotineiramente muita das vezes sem o mínimo auxílio dos seus chefes. Eles relatam também haverem diversas mortes por coronavírus entre os trabalhadores que são ocultadas pelas chefias da empresa. Também ocorrem mortes nas famílias dos trabalhadores, tudo isso ocultado para não gerar alarde entre os trabalhadores.

Enquanto as chefias da empresa, com diversos cargos comissionados, de pessoas colocadas lá por influência e jogo político, ganhando seus salários de mais de 10 mil reais os trabalhadores seguem com seus baixos salários, extremamente insalubre e desassistido. Esse desprezo com a vida dos trabalhadores é uma das marcas de como o racismo e o desprezo com a classe trabalhadora atua. Por ser uma categoria hegemonicamente negra podem ser tratados como ninguém. É essa a visão da burguesia fluminense dos garis. Por isso nós do Esquerda Diário e do Movimento Revolucionário dos Trabalhadores repudiamos todas perseguições políticas da direção da Comlurb e exigimos a suspensão imediata da punição ao gari Bruno da Rosa.




Tópicos relacionados

COMLURB   /    Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar