Sociedade

Diana Assunção: "Revogação da LSN, liberdade já e punição aos culpados da tortura à Pilha"

Reproduzimos aqui declaração de Diana Assunção, dirigente nacional do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT) sobre o escandaloso caso de tortura a um militante do PT em base à reacionária Lei de Segurança Nacional.

sexta-feira 30 de abril| Edição do dia

Ontem veio à tona o absurdo caso detortura do militante do PT, Rodrigo Pilha, que em março, junto com mais três ativistas, foi preso por estender uma faixa escrito “Bolsonaro genocida”, se referindo à condução negacionista e catastrófica da pandemia pelo presidente da extrema direita.

É absurdo que em base à Lei de Segurança Nacional tenham prendido pessoas por pendurarem uma faixa. O escândalo só se aprofunda quando soubemos que também torturaram Pilha na prisão, relembrando os tempos reacionários da ditadura militar. Sabemos que a LSN é uma lei que segue vigente como resquício da ditadura, utilizada inclusive nos anos de governo do PT, mas que passou a ser usada mais vezes desde que Bolsonaro assumiu a cadeira presidencial, com vários inquéritos abertos.

A tortura contra Pilha, militante do PT preso, coloca a urgência da revogação da LSN e punição dos culpados. Não podemos aceitar esse nível autoritário da extrema direita que persegue, prende e tortura trabalhadores, a juventude e militantes de esquerda que questionam Bolsonaro e sua política.

Nos solidarizamos com Rodrigo Pilha, exigindo justiça e a urgente revogação da Lei de Segurança Nacional que não só Bolsonaro e Mourão, mas todo o regime do golpe institucional se apoiam nesse momento de crise sanitária, econômica e social. Para isso, é preciso que as centrais sindicais, como a CUT e CTB, dirigidas pelo PT e PCdoB, se coloquem em movimento, organizando nossa indignação e nossa luta para que possamos derrubar todos os inquéritos abertos e exigir punição dos culpados e torturadores!




Tópicos relacionados

LSN   /    BolsonaroGenocida   /    Tortura dos militares   /    Golpistas   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Sociedade

Comentários

Comentar