×

Eleições | Derrota histórica da direita: Gustavo Petro, novo presidente na Colômbia, o que significa?

Esse é um resultado que expressa o ódio à direita como um todo, não apenas ao Uribista, que já foi expresso no primeiro turno. Rodolfo Hernández, que tentou se mostrar como um forasteiro, também era visto como parte dessa velha direita colombiana. Petro assume em 7 de agosto.

segunda-feira 20 de junho | Edição do dia

No momento da redação deste artigo, no momento de conhecer quase todas as assembleias de voto, Gustavo Petro soma mais de 11 milhões de votos, colhendo não só o seu fluxo eleitoral, como também concentrou o voto do mal menor pelo ódio à direita diante de um cenário de grande polarização.

Quanto às regiões, o Petro prevaleceu, além de Bogotá, em toda a costa caribenha, costa do Pacífico e parte da Amazônia (Putumayo, Amazonas, Vaupés e Guainía). Quanto aos percentuais em várias das principais capitais do país, Gustavo Petro venceu em Barranquilla (64,16%), Cartagena (67,46), Cali (63,76) e Bogotá (58,59). Enquanto isso, o candidato de direita, Rodolfo Hernández, conquistou os votos de Medellín (62,55%) e Bucaramanga (73,58).

Neste domingo Gustavo Petro vence com grandes expectativas para amplos setores da população em quem semeia esperança. Essas eleições foram realizadas sob o espectro das rebeliões de 2019 e 2021 que confrontaram o Governo de Iván Duque e o regime político. Uma explosão social sem precedentes em um país onde as tensões internas se acumulavam junto com a deterioração acentuada das condições de vida de milhões de pessoas, acelerando todo um processo que resultou na irrupção do movimento de massas que abalou toda a Colômbia. Desde a explosão social, o candidato do Pacto Histórico era o mais bem posicionado para capitalizar o desconforto da revolta e isso se expressou tanto no primeiro turno quanto na votação deste domingo.

A vitória de Petro corta uma etapa inteira em um país onde a direita tradicional nunca perdeu as rédeas políticas, mantendo historicamente seu alinhamento com os Estados Unidos e constituindo um de seus principais bastiões na região.
Desde o primeiro turno e ainda mais nas urnas, os olhos da América Latina estavam voltados para as eleições presidenciais na Colômbia neste domingo, região marcada pela polarização, instabilidade e fragmentação política. Com este resultado na Colômbia, a tendência desta fraca segunda onda de governos de centro-esquerda e “populistas” que surgem como consequência do desvio de levantes e revoltas populares como o governo de Gabriel Boric no Chile, ou como resultado da crise política e social em si como Pedro Castillo no Peru.

O Petro surge também do desvio da revolta que começou em 28 de abril de 2021, com duração de vários meses e que se seguiu à explosão social de novembro de 2019. Desde então, o clima político deu uma guinada acentuada e consequentemente o eleitoral, para onde ele procurou canalizar a explosão social, temendo que uma queda abrupta do governo de Iván Duque abrisse uma crise sem precedentes e encorajasse o movimento de massas a ir por mais e não apenas a queda de um governo. Como escreveu Alejandro Gaviria, acadêmico e ex-candidato: “Há muito desconforto. Pode ser melhor ter uma explosão controlada com o Petro do que deixar o vulcão engarrafado. O país está pedindo uma mudança”.

Assim, o novíssimo presidente procurou permanentemente conter a revolta, muitas vezes com políticas de direita, lançando-se até mesmo contra aqueles que chamava de "os desordeiros", que não queriam sair das manifestações de rua. Pediu mais de uma vez que a greve fosse suspensa, ou, na falta disso, apenas os bloqueios, que davam no mesmo.

A caminho da presidência, Gustavo Petro, para se tornar mais potável, estabeleceu alianças políticas com setores tradicionais, movendo-se cada vez mais para o centro político. Para garantir seus votos à esquerda e porque há um setor importante que o questiona por sua adaptação política, Petro optou por ter Francia Márquez como sua candidata a vice-presidente, a mais bem posicionada, e que mesmo durante a consulta eleitoral obteve um grande número de votos, de forte ascendência e apoio aos movimentos populares e sociais.

Diante do resultado das eleições legislativas de março deste ano, Gustavo Petro terá que criar amplas coligações nas duas câmaras do Congresso para governar fortalecendo alianças com setores mais tradicionais, já que nas últimas eleições legislativas não conseguiu uma forte representação, ainda que tenha crescido em assentos.

Nesse sentido, Petro já antes das eleições afirmou que pediria um grande acordo nacional:

“Se eu ganhar as eleições, vou pedir um grande acordo nacional com uma arquitetura baseada em diálogos regionais vinculantes. E, sem dúvida, toda essa liderança do centro, e mesmo Álvaro Uribe ou aqueles que designarem, serão convocados para o diálogo que o presidente convocará em busca das reformas.”

Assim, Petro antecipou que até o próprio Uribismo seria convocado, independentemente de este setor concordar com o chamado, o chamado de Petro é todo simbolismo político. Francia Márquez, a nova vice-presidente, também afirmou na rede Caracol que assim que os resultados eleitorais fossem conhecidos, eles pediriam um pacto nacional, incluindo o setor de Álvaro Uribe.

Como escrevemos em um artigo durante as eleições do primeiro turno, a Colômbia deve se ver no espelho do Chile com a eleição de Gabriel Boric. O novo presidente chileno, que concentrava grandes expectativas em um povo e uma juventude que estava nas ruas, não demorou dois meses para frustrar as esperanças de amplos setores com seus acordos com o establishment, o regime político e os militares chilenos. Não mudou praticamente nada, não tirou os presos da revolta, mas avançou na militarização da Araucanía, reprimiu as marchas juvenis, não permitiu o uso do dinheiro da AFP com base nas necessidades populares. Em suma, uma viagem fugaz que não mudou nada na situação do povo do Chile, o que o levou a perder rapidamente 20 pontos de popularidade. Petro não será menor.

Por isso dizemos que a luta pela conquista das demandas populares que deram origem à rebelião social continua e está nas ruas. A classe trabalhadora e as grandes maiorias populares, juvenis, camponesas e indígenas só podem contar com sua própria força.

Não haverá solução para a questão da terra, para as grandes demandas dos povos originários, das comunidades afrodescendentes, para o problema estrutural da habitação, da saúde, da educação, das demandas históricas da classe trabalhadora, do problema que açoita à juventude com desemprego crônico, da fome de milhões, dos massacres perpetrados pelas Forças Armadas assassinas e suas quadrilhas paramilitares, dos pagamentos vergonhosos da dívida externa que está nas mãos do FMI e da submissão do imperialismo, senão com o povo trabalhador organizado e mobilizado com total independência política e de classe.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias