Internacional

Estados Unidos

Democratas e Republicanos entram em acordo sobre a "ajuda" miserável aos trabalhadores dos EUA

Nove meses depois, o Congresso dos Estados Unidos dará 600 dólares para as famílias e 300 dólares adicionais, em caso de desemprego. O Congresso diz: “Que comam brioche.”

quinta-feira 24 de dezembro de 2020| Edição do dia

Foto: Susan Walsh/AP

Segundo a mitologia popular, Maria Antonieta proferiu a frase icônica ao saber que a população francesa nem tinha pão para comer. Antonieta, rodeada de luxo e já um símbolo odiado da monarquia, disse que as pessoas deveriam "comer brioche".

Acontece que a citação é uma tradução ruim e não há evidências de que Maria Antonieta alguma vez a tenha dito. Mas a história sobreviveu ao longo dos séculos porque sempre nos deparamos com elites inabaláveis ​​que expressam seu desprezo e indiferença pelas lutas dos setores mais oprimidos.

Nesta semana, “Que comam brioche” foi um dos treading topics do Twitter.

Isso porque outro projeto de estímulo finalmente foi acertado, nove meses após a aprovação do primeiro. Com o aumento dos casos de Covid, o aumento do desemprego e o fim das moratórias de despejo, a classe trabalhadora dos Estados Unidos precisa urgentemente desse alívio.

Em resposta à crise, o Congresso aprovou apenas 600 dólares em pagamentos diretos - metade do valor dos cheques de 1.200 dólares, dados na primavera - e mais 300 dólares adicionais de auxílio desemprego, por semana.

Este é um projeto de lei de 5.000 páginas e que ninguém no Congresso pôde ler antes da votação. Trump, por sua vez, se posicionou contrariamente.

Os valores insignificantes desse apoio vêm de um Congresso onde mais da metade dos membros são milionários: o patrimônio líquido da líder da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, ultrapassa 140 milhões de dólares, enquanto o do líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, vale 22,5 milhões de dólares.

600 dólares é aproximadamente o preço do sapato feito sob medida do secretário de Comércio, Wilbur Ross, que ele usou no discurso de Trump, no Congresso. Seu patrimônio líquido é estimado em 2,5 bilhões de dólares.

A pandemia deixou claro que os membros do Congresso estão longe de ser os únicos com riqueza exorbitante - os bilionários estão ganhando terreno. A família Walton, proprietária do Walmart, ganhou 48 bilhões de dólares desde março. Jeff Bezos arrecadou 90 bilhões de dólares durante a pandemia, enquanto mais de 2.000 trabalhadores da Amazon foram infectados com Covid. Bezos poderia dar a cada funcionário da Amazon 105.000 dólares e ainda ser tão rico quanto era em março. Mas é claro que o Congresso não pretende tributar os mais ricos para ajudar a pagar a crise atual. Ao invés disso, fingem que não há dinheiro para a classe trabalhadora.

Enquanto a classe trabalhadora receberá pagamentos insuficientes, o projeto de lei prevê dar bilhões para as empresas e a redução de impostos para despesas com refeições corporativas. O Congresso também acaba de aprovar o orçamento do Pentágono em 740 bilhões de dólares, dando aos militares mais do que eles pediram em algumas áreas. Além disso, o Congresso aprovou um novo projeto de lei para construir o muro da fronteira, no valor de cerca de 1,38 bilhão de dólares.

No entanto, Nancy Pelosi afirma que este cheque de $600 é uma "quantidade significativa de dinheiro". Este é o Congresso dizendo: "Comam brioche".

600 dólares não são suficientes para pagar o aluguel de um mês na maior parte do país.

A população precisa de um alívio significativo do aluguel. Quase 12 milhões de locatários deverão, em janeiro, uma média de $5.850 em aluguel atrasado e serviços públicos. Cerca de 29% das famílias negras e 17% dos locatários hispânicos estavam com os aluguéis atrasados. Um estudo realizado há alguns meses relatou que, na cidade de Nova York, 25% dos locatários não pagavam o aluguel desde março.

Outros têm projeções ainda mais terríveis. A Newsweek afirma que, sem ajuda, 35% dos estadunidenses podem perder suas casas nos próximos dois meses.

Embora os números do desemprego pareçam estar diminuindo, na medida em que a economia se abre, o crescimento do emprego está desacelerando. Apenas 245.000 empregos reapareceram em novembro, o ritmo mais lento desde o início da recuperação. Restaurantes e varejistas estão cortando empregos e fechando pequenas empresas.

As pessoas sem documentos, em particular, estão em apuros: embora estejam desproporcionalmente representados no comércio de alimentos, portanto, com maior probabilidade de ter perdido sua renda, não receberão nenhum benefício do auxílio da pandemia. Eles também não podem se inscrever para assistência governamental. Até mesmo trabalhadores documentados passam fome no país mais rico do mundo, uma política criada durante o governo Clinton e expandida sob Trump, que bloqueia o acesso aos Green Cards aos imigrantes legais, e assim, provavelmente, aceitarão qualquer ajuda do governo. Este novo projeto de lei da Covid tem como objetivo fornecer ajuda às pessoas sem documentos, embora não seja claro como isso será implementado.

Uma em cada oito pessoas nos Estados Unidos relatou que, às vezes ou frequentemente, não tinha comida suficiente para comer na última semana. Isso significa que 26 milhões de americanos adultos sofrem de insegurança alimentar, de acordo com dados de uma pesquisa do Census Bureau, no início de novembro. Esse número aumentou para um em cada seis adultos em famílias com crianças. Vinte e dois por cento das famílias negras relataram ter passado fome na semana passada, mais de duas vezes e meia a taxa dos estadunidenses brancos.

Outro ponto chave ausente no projeto de lei é a assistência aos governos estaduais e locais, embora o Congresso já tenha discutido incluir 160 bilhões de dólares para esse fim. Isso significará demissões, cortes e austeridade em nível local. Projeta-se que os governos estaduais e locais enfrentem um déficit de meio trilhão de dólares até 2022. Ao contrário do governo federal, esses governos são obrigados por lei a equilibrar seus orçamentos e não podem tomar empréstimos para compensar o déficit. Isso significa que o estímulo federal será combinado com duros ataques nos setores mais baixos da classe trabalhadora e oprimida.

Na cidade de Nova York, já havia a ameaça de demitir 9.000 trabalhadores do transporte público. Na University of New York City, milhares de professores já foram demitidos. Estes são apenas os primeiros exemplos do que certamente será um longo caminho brutal de austeridade local.

Os Democratas aprovaram um plano mais ambicioso na Câmara dos Representantes antes de concordarem com os Republicanos, sobre o valor de 600 dólares. Concordaram sem qualquer tipo de luta, e agora esses milionários “representantes do povo” vão para suas mansões. Este é o mesmo Congresso que deu bilhões de dólares para corporações desde o início da pandemia, corporações que já começaram a despedir trabalhadores.

Embora democratas progressistas como Ilhan Omar, Alexandria Ocasio-Cortez e Bernie Sanders tenham falado eloquentemente e corretamente sobre a piada que é esse projeto de ajuda, ainda são membros de um partido que não quer nem dar migalhas à classe trabalhadora. Hashtags como #StimulusOrStrike e #GeneralStrike (referindo-se à greve geral) têm sido tendência no Twitter. No entanto, esses "socialistas" do Partido Democrata não fizeram esse chamado, muito menos organizaram seus milhões de seguidores para uma luta real.

Na pandemia, os políticos capitalistas de ambos os partidos mostraram que estão dispostos a sacrificar a classe trabalhadora a favor dos lucros, que têm sido muito grandes. Enquanto os trabalhadores lutam, tanto os Republicanos quanto os Democratas dizem: "Que comam brioche".

Mas eles devem estar um pouco nervosos. Afinal, Maria Antonieta foi submetida à guilhotina quando as massas se cansaram e iniciaram uma grande revolução. Como o movimento Black Lives Matter demonstrou neste verão, nós, trabalhadores, somos capazes de grandes feitos e levantes.




Tópicos relacionados

Democratas   /    Republicanos   /    seguro desemprego   /    Desemprego   /    Internacional

Comentários

Comentar