Economia

ECONOMIA

Demagogia bolsonarista: aumentar imposto e atacar trabalhadores para garantir Renda Cidadã

Bolsonaro e Guedes anunciaram que podem aumentar impostos para garantir as verbas para o Renda Cidadã. Arrancando dos pobres para dar aos mais pobres, a demagogia do governo é atacar para ter auxílio que o ajuda em sua aprovação.

segunda-feira 5 de outubro| Edição do dia

Depois do anúncio do governo, no dia 28, de que utilizariam dinheiro precatório e recursos do Fundeb para formar o programa social Renda Cidadã, que diz ser substituto do Bolsa Família, o dólar subiu e chegou a R$5,63 e especialistas apontaram que o governo poderia estar incorrendo na prática de pedaladas fiscais.

Para encontrar recursos para o programa Rendã Cidadã, Bolsonaro e Guedes querem acabar com o desconto de 20% no Imposto de Renda da Pessoa Física, concedido automaticamente a contribuintes que fazem a declaração simplificada. Com essa medida, 17 milhões de pessoas podem ser impactadas e o imposto aumentaria. Antes dessa mudança tinha sido cogitado também o abono salarial.

O governo agora estuda acrescentar recursos de outros programas sociais para poder formar o Renda Cidadã e abrir espaço no teto de gastos. Com a justificativa de dizer que o programa irá superar o valor do Bolsa Família, Bolsonaro e os ministros estão tirando fundos que são para a população de baixa renda, para satisfazer o ego de tentar ser melhor que outros governantes antes dele, quando na verdade isso afeta mais ainda a classe trabalhadora.

Todas as ideias de como financiar o programa passam por tirar dos trabalhadores e da educação básica ao invés de tirar dos grandes banqueiros e capitalistas. Bolsonaro se encontra numa encruzilhada onde precisa escolher entre manter o auxílio, que garantiu o aumento de sua popularidade, ou honrar seus compromissos com o imperialismo.




Tópicos relacionados

Renda cidadã   /    Economia   /    Auxílio emergencial   /    Paulo Guedes   /    Governo Bolsonaro   /    Jair Bolsonaro   /    Economia nacional   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar