×

Argentina | Crise após derrota eleitoral: cinco ministros kirchneristas oferecem suas demissões

Roberto Salvarezza, Luana Volnovich e Fernanda Raverta, entre outros, também se juntaram ao Ministro do Interior. Todos eles fazem parte do setor de Kirchnerista do governo. Antes, a mesma coisa havia acontecido no gabinete da Província de Buenos Aires.

quarta-feira 15 de setembro | Edição do dia

Nesta quarta-feira, depois do meio-dia, ficou conhecido que o Ministro do Interior, Eduardo Wado de Pedro, apresentou sua demissão ao presidente argentino Alberto Fernández. Ele não foi o único oficial próximo ao kirchnerismo a fazê-lo. Outros funcionários nacionais como Luana Volnovich (chefe do PAMI), Fernanda Raverta (Anses), Roberto Salvarezza (Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação) e Jorge Ferraresi (Ministro do Desenvolvimento Territorial e Habitat) também pediram demissão.

Anteriormente, em sintonia com as decisões tomadas a nível nacional, na Província de Buenos Aires todos os membros do Gabinete do governador Axel Kicillof (protegido político de Cristina Kirchner) haviam atuado da mesma medida.

Estas decisões vêm no contexto da forte crise política que as eleições de domingo passado significaram para a Frente de Todos, coalizão de governo peroista/kirchnerista, que foi derrotada em nível nacional - e em distritos importantes como a Província de Buenos Aires - pela oposição de direita, Juntos por el Cambio.

O anúncio dessas demissões está acompanhado por fortes rumores de demandas de mudanças de gabinete pela ala kirchnerista do governo. A exigência seria que o presidente finalmente fizesse uma mudança que incluísse a demissão do Ministro da Economia Martín Guzmán e do Chefe de Gabinete Santiago Cafiero. No entanto, estas ainda são versões e não são pedidos claros.

No que parece ser uma manobra calculada, estes anúncios vêm depois que o Ministro da Economia apareceu ao lado do Presidente Alberto Fernández na apresentação de uma lei para incentivar a produção de combustíveis. Naquele ato, Guzmán e o presidente defenderam a necessidade de chegar a um acordo com o FMI.

Este fato, por si só, refuta a relocalização eleitoral que o governo nacional tem tentado alcançar após a derrota de domingo. Uma relocalização que implica o eventual anúncio de medidas sociais como paliativo à crise social. No entanto, confirmar a tentativa de chegar a um acordo com o FMI implica respeitar os planos de ajuste do FMI. O pagamento desta dívida é incompatível com as necessidades populares.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias