×

RETORNO INSEGURO | Covas reconhece que aulas presenciais criam focos de Covid, mas impõe abertura das escolas

Aulas presenciais poderão voltar após a Fase Emergencial no estado, prevista para acabar em 11 de abril, a menos que seja prorrogada. O próprio Covas admitiu que o retorno às aulas em São Paulo aumentou os focos de Covid.

quinta-feira 1º de abril | Edição do dia

(Foto: GovSP/Secom)

As aulas presenciais na cidade de São Paulo foram suspensas do dia 17 de março até 1º de abril, antecipando o recesso de julho. Agora a Prefeitura permite que escolas públicas e particulares voltem às aulas presenciais quando acabar a Fase Emergencial.

Leia também: Empresários da educação de SP exigem escolas abertas no período mais dramático da pandemia

Demonstrando todo seu cinismo e hipocrisia, Bruno Covas admitiu que as aulas presenciais representaram um aumento dos casos de Covid em São Paulo. “O que nós tivemos aqui na cidade de São Paulo no período de retorno às aulas foi o aumento da quantidade de focos de Covid" foram as palavras do prefeito. Mesmo tendo que reconhecer essa verdade que já era denunciada por professores, estudantes e outros trabalhadores das escolas, Covas mantém seu plano de retorno presencial.

Leia também: A força das trabalhadoras da saúde e educação na tragédia capitalista do Brasil de Bolsonaro

Ele se baseou no absurdo decreto de Dória que declarou a educação como serviço essencial, garantindo que as escolas possam ficar abertas em qualquer fase da pandemia. Por isso, a rede estadual poderá voltar às aulas presenciais a partir de 5 de abril, a depender da permissão das prefeituras.

Leia também: A comemoração cínica e interessada de Rossieli da “essencialidade” da educação




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias