Mundo Operário

PANDEMIA

Correios tem o maior lucro em uma década, mas não garante nem máscara aos seus trabalhadores

Enfrentando a pandemia de Covid-19 há mais de um ano, os trabalhadores dos Correios - parte da imensa população que seguiu sem direito ao isolamento social - ainda não recebem máscaras adequadas para trabalhar, se expondo ao vírus nas agências e nos Centros de Distribuição Domiciliar.

sexta-feira 21 de maio| Edição do dia

Foto: Sintect/SP

Além da quantidade insuficiente de máscaras que recebem por dia, os trabalhadores dos Correios relatam que a máscara é feita de um tecido fino e não tem vedação, tornando a sua utilização ineficaz e possibilitando a contaminação dos trabalhadores que vão de casa em casa fazer as entregas ou que atendem centenas de pessoas todos os dias nas agências.

Não bastasse à exposição ao vírus, e inclusive, a perda de colegas queridos de trabalho pela Covid-19, a empresa que continua funcionando em horário integral, tem sobrecarregado os trabalhadores, pois com intuito de privatizar e precarizar o trabalho e o serviço prestado, tem reduzido o quadro de funcionários e os seus custos, o que na prática também significa perda salarial e de direitos para os trabalhadores.

Segundo dados ainda não oficiais, os Correios tiveram um lucro líquido de R$ 1,53 bilhão em 2020, o melhor resultado em pelo menos uma década, enquanto seus trabalhadores que têm uma função essencial para a população, seguem trabalhando entre o medo da Covid-19 e o esgotamento físico e mental da sobrecarga de trabalho e da perda de colegas de anos de trabalho, além da assombrosa possibilidade de demissão, caso avance o projeto de privatização.

As centrais sindicais, em especial a CUT que dirige a FENTECT - Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares, precisa romper com a paralisia e organizar desde às bases os trabalhadores dessa categoria que tem uma importante tradição de luta, contra a privatização, mas também pela garantia desde já dos direitos dos trabalhadores, impulsionando comissões de higiene e segurança enquanto dure a pandemia e como parte de uma campanha nacional de vacinação para toda população.




Tópicos relacionados

Privatização dos Correios   /    COVID-19   /    Correios   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar