Educação

UFRGS

Contra o desligamento dos cotistas da UFRGS! Pela matrícula integral de todos os estudantes!

Estudantes do curso de psicologia da UFRGS fazem abaixo assinado contra os desligamentos de cotistas que o interventor de Bolsonaro, o reitor Carlos Bulhões, está fazendo na universidade em meio a pandemia. Veja abaixo o texto e o link para assinar o formulário.

sábado 5 de junho| Edição do dia

Em plena pandemia, no contexto do já excludente ensino remoto emergencial, o reitor interventor Carlos Bulhões emitiu um processo de desligamento de dezenas de cotistas da UFRGS com matrícula provisória, numa medida arbitrária e que concretiza o plano de elitização das universidades federais. Assine e envie para todas e todos que você conhece na universidade. Nenhum cotista a menos!

Os cortes que Bolsonaro anunciou às federais também fazem parte desse projeto de privatização e sucateamento do ensino e das condições de vida dos estudantes e dos trabalhadores. Aqui na UFRGS, a situação precária dos cotistas e os indeferimentos são uma herança da gestão de Rui Oppermann, que implementou a matrícula precária com o aval da justiça golpista. E hoje, a gestao de Bulhões, apoiado no CONSUN, leva isso à frente, impedindo com que vários jovens estudem, tornando praticamente impossível para o estudante cotista entregar todos os documentos necessários para provar que é cotista. O absurdo dessas exigências chega ao ponto de a universidade exigir a uma aluna que ela tivesse declaração de renda de seus irmãos de 8 anos, com prazos muito curtos para conseguir os documentos. Outro caso absurdo foi de outra aluna que ficou mais de 1 ano e 3 meses ameaçada de ser expulsa da ufrgs. A reitoria não avisou previamente sobre os documentos que ela precisaria apresentar e ela descobriu com um prazo de entrega de menos de 24 horas, inúmeros novos documentos que eram requisitados. Tudo isso quando ela estava em luto devido ao enterro de um parente próximo, e mesmo assim tentando entregar todos os documentos que pôde. Mas nada disso foi suficiente, porque a burocracia acadêmica é quem decide quem vai estudar na UFRGS e quem vai ser expulso.

Isso é um claro ataque às cotas, para que os filhos da classe trabalhadora não tenham acesso à universidade pública. Por isso, nós estudantes de Psicologia e todos que assinam essa carta chamamos os estudantes, professores, técnicos e trabalhadores terceirizados a se unir numa campanha pelo direito de matrícula integral de todos os estudantes da UFRGS, contra Bulhões e reitoria que historicamente indefere cotistas. Como parte disso, chamamos os Centros e Diretórios Acadêmicos e também o DCE a fazer parte e impulsionar essa campanha, batalhando pela organização dos estudantes pra que a nossa força mude essa situação, e não confiando apenas em processos jurídicos que já estão ganhos para a reitoria.

Assine e compartilhe o formulário!




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Intervenção Federal   /    UFRGS   /    Cotas étnico-raciais   /    Cotas Raciais   /    Educação

Comentários

Comentar