×
Rede Internacional

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA | Contra ataques de Bolsonaro e reitoria todos ao ato em defesa dos terceirizados da UnB

Em meio à pandemia os trabalhadores terceirizados da UnB são os que mais estão sofrendo as consequências dos ataques da reitora Marcia Abrahao que tendem a se aprofundar com os cortes nas Federais feito por Bolsonaro e Mourão em aliança com o Centrão. Nós do Esquerda Diario e da juventude Faísca prestamos nosso total apoio e solidariedade as trabalhadoras e trabalhadores terceirizados da UnB e chamamos todes a que também estejam no ato que será realizado nesta quarta (16) em frente a reitoria, às 16h.

terça-feira 15 de junho | Edição do dia

Mesmo sendo uma das tantas categorias essenciais que ao longo da pandemia não teve direito a realização de quarentena, os vigilantes da UnB se veem mais uma vez em meio a uma situação revoltante. Não bastasse o medo de trabalhar e se expor ao vírus, que já vitimou 3 desses trabalhadores durante o período, os vigilantes tem que sofrer com os ataques das empresas terceirizadas, chegando até a demissão ilegal de 23 trabalhadores do grupo de risco.

Leia mais: Os Vigilantes da UnB estão morrendo: a culpa é de Bolsonaro, os golpistas e a Reitoria!

Essa é a gota d’água de uma sequência de ataques que incluem cortes dos salários, calotes nos vales alimentação e transporte, salários pagos pela metade, até trabalhadores que sequer tem carteira assinada e contracheque. Ataques que se somam a relatos anteriores da falta de condições sanitárias mínimas para os trabalhadores, como o fornecimento de álcool gel e máscaras. Relatos semelhantes também chegam dos setores de limpeza e vigilância, na qual as empresas terceirizadas atacam os trabalhadores com demissões, assédio e perseguições.

Leia mais: “Violação de direitos é sistemática”, diz vigilante da UnB em ato por trabalho digno

Frente a essa situação revoltante de enormes ataques aos terceirizados, a posição da reitoria da UnB é lavar as mãos de suas responsabilidades. Uma postura esperada da reitora Márcia Abrahão, que não só incentiva a precarização do trabalho por meio da terceirização, mas que conta no currículo com a demissão de 500 trabalhadores terceirizados em 2018.

Todos estes ataques são também reflexo dos cortes que Bolsonaro-Mourão, junto do Congresso, dos militares, STF fizeram nas universidades federais. A UnB já não possui verbas para investimento, ou seja, não há mais dinheiro para investir na pesquisa, extensão e inovação da universidade. Houve também um corte de 4,6% das despesas ligadas a bolsas de pesquisa, assistência estudantil e pagamento das empresas terceirizadas.

Mas não é de hoje que denunciamos esta situação, como mostramos nesta matéria no ano passado foram várias as ameaças de demissão o que mostra que a precarização cada vez maior é uma política de longa data da reitora Marcia Abrahão. Denunciamos a morte de vigilantes que neste ano em meio ao pico de infectados e mortos pela COVID seguiam sem sequer contar com os EPI’s e testes.

Por isso tudo, é fundamental cercar de solidariedade a mobilização dos vigilantes que está sendo chamada para amanhã, 16/06, às 16h. Estudantes, professores e trabalhadores técnico-administrativos efetivos precisam se somar a esse chamado em defesa da dignidade, dos empregos e da vida desses trabalhadores. Basta dessas situações de humilhação e ataques que as empresas terceirizadas e reitorias impõe aos terceirizados, é preciso lutar pelo fim do trabalho precário na universidade a partir da imediata efetivação de todas e todos terceirizados sem a necessidade de concurso público, acabando com a fragmentação imposta para separá-los dos efetivos.

Por isso, fazemos um amplo chamado a todos os estudantes, aos CAs, as organizações de esquerda do movimento estudantil, em especial a atual gestão do DCE, para organizar desde a base, por cada sala de aula, uma profunda aliança com os trabalhadores em defesa dessas bandeiras. Essa mobilização pode ser um ponto de apoio para fomentar a unidade das 3 categorias rumo ao 19J, contra todos os ataques sobre a UnB, mas também contra os ataques fora da universidade, pelo Fora Bolsonaro e Mourão e por vacina para todos. Essa unidade poderia ser construída através de uma assembleia geral de toda a universidade que impulsionasse uma forte mobilização para esse dia.

Todo apoio a luta dos trabalhadores terceirizados!
Todos ao ato amanhã em frente a reitoria da UnB às 16h!




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias