Política

Conferência PTS

Conferência Nacional do PTS: o novo papel do La Izquierda Diario Multimídia

Veja os debates e propostas que a Conferência Nacional do PTS irá abordar sobre o papel que os nossos meios digitais têm a desempenhar para intervir na luta de classes, ser um organizador coletivo e dar um grande salto na influência das nossas ideias perante uma crise que se aprofunda.

Fernando Scolnik

Buenos Aires | @FernandoScolnik

segunda-feira 14 de dezembro de 2020| Edição do dia

Com a publicação no La Izquierda Diario das teses sobre a situação política nacional e os desafios para a construção de um partido para triunfar os explorados , iniciamos a preparação da próxima Conferência Nacional do PTS, a realizar-se nos dias 11, 12 e 13 de dezembro. Nesta nota que publicamos também damos conta do progresso da luta de classes nas últimas semanas, e os desafios para a construção de uma corrente classista e militante no movimento operário.

Neste artigo apresentamos uma contribuição para discutir com os delegados de todo o país o papel do La Izquierda Diario no próximo período: como dar um novo salto na influência na política nacional de nosso meio ambiente no quadro de um aumento das mazelas dos setores mais explorados pela crise, o crescimento da luta de classes e o início da experiência com o novo governo, e ao mesmo tempo como avançar como um "organizador coletivo" do nosso partido, centralizando a agitação, a propaganda e a intervenção na luta de classes. Tais desafios abordamos como parte de um trabalho internacionalista em conjunto com nossa rede internacional de jornais em 14 países e 8 idiomas.

Influenciar a política nacional

Diante da grande mídia dos poderosos, tanto de oficiais quanto de opositores de direita, o La Izquierda Diario , há mais de seis anos, vem se desenvolvendo como uma experiência inédita, sendo o primeiro jornal digital da esquerda argentina e latino-americana. Em todos esses anos, tentamos levar a um nível muito mais ambicioso o objetivo de sair dos pequenos círculos aos quais as publicações de esquerda tradicionalmente se dirigiam, e modestamente acreditamos que tivemos sucesso.

As dezenas de milhões de visitas que o La Izquierda Diario recebe a cada ano (incluindo picos como as quase 5 milhões de acessos que tivemos apenas no mês de abril), entre outros dados, explicam isso. Somam-se a essa influência as centenas de milhares de seguidores que temos no Facebook, Twitter e Instagram e a partir deste ano no YouTube, onde a grande experiência multimídia deu lugar à construção de um canal que dobrou o número de seguidores e tem centenas de milhares de visualizações por mês.

No entanto, uma marca de origem de La Izquierda Diario sempre foi o compromisso com a inovação permanente. É por isso que em 2020, apesar das dificuldades impostas pela pandemia, lançamos um forte projeto multimídia com programação ao vivo e sob demanda, com noticiários diários apresentados por Patricio del Corro, Jésica Calcagno, Lucho Aguilar, Tomás Mascolo, Lucía Ortega, Lía Pesaresi, Sol Bajar, além de grandes equipes de produção, como parte de uma oferta audiovisual com programas temáticos também sobre mundo do trabalho, cultura, economia, juventude, história, internacional, saúde, entre outros. Uma produção de grande qualidade em que mais de 200 colegas de diferentes ramos participaram num trabalho coletivo, na frente e atrás das câmeras, que inclui, além da redação central, equipes jornalísticas de várias províncias. Ao mesmo tempo, adicionamos novas iniciativas, como os boletins de Fernando Rosso, Pablo Anino, Celeste Murillo (que conduzem nosso programa de rádio El Círculo Rojo que sai todos os domingos na Radio con Vos), e os de Diego Iung, Javier Nuet e Matthias Flammenman, durante um ano que também teve altos picos jornalísticos como a investigação do caso Facundo Astudillo Castro de Daniel Satur , ou uma cobertura notável da luta Guernica por Catalina Ávila, Lucho Lucero, Javier Brat, Macarena Guzmán, entre outros. Ao mesmo tempo, a publicação regular, todos os domingos, de Ideas de Izquierda continua a ser uma grande conquista, um notável semanário de ideias marxistas onde se destacam colegas como Juan Dal Maso, Ariane Díaz, Esteban Mercatante, Matías Maiello, Paula Bach, Guillermo Iturbide, Iván Baigún e Pablo Anino, que entrevistaram e publicaram notas de dezenas de intelectuais de Argentina e do mundo todo, abordando em profundidade questões sobre economia e política internacional, cultura, movimento operário, as contradições do avanço tecnológico, a destruição do meio ambiente, entre outros temas.

Mas a verdade é que enfrentamos novos desafios. Na próxima etapa, em plena eclosão da crise e com um salto da luta de classes, será levantada a possibilidade de que uma ruptura por parte da esquerda de setores de massas aconteça, já que essas massas vivenciam um governo peronista que já começou a aplicar uma política de ajuste que durará anos e que seguirá um acordo com o FMI. E para cumprir tal acordo esse mesmo governo está disposto a reprimir os trabalhadores e as lutas populares, como se viu em Guernica. De La Izquierda Diario , queremos contribuir para o desenvolvimento dessa experiência com uma estratégia e um programa para que os capitalistas paguem pela crise.

Este quadro não é isento de contradições. Enquanto a influência do LID se espalhou nos setores mais precários da classe trabalhadora - mostrando o "cotidiano das ocupações" de terras e moradias em diferentes partes do país, defendendo os moradores contra as difamações de outros jornais - , se espalhou também entre os jovens que se organizam para que suas vidas não sejam descartáveis, entre os que começam a sair às ruas por salários e contra as demissões, ou nas lutas pelo meio ambiente. Por outro lado, devemos perceber que setores do progressismo que muitas vezes acompanharam e divulgaram nossas reclamações contra o governo Macri no passado agora não estão dispostos a "compartilhar" com a esquerda as críticas ao partido que votaram, mesmo sendo em muitos casos contra a repressão em Guernica ou o ajuste aos aposentados. Maiores confrontos de classe junto com o debate político e ideológico serão necessários para que isso mude.

Um "organizador coletivo"

Sabemos que, ao contrário dos meios de comunicação comerciais, La Izquierda Diario é uma grande empresa socialista do PTS feita por milhares de pessoas que tomam como seu a expressão de suas lutas, desejos e denúncias.

É um trabalho coletivo feito por todo o PTS, apoiadores e lutadores, conseguindo assim publicar quase 2.500 notas e vídeos por mês, feitos tanto na redação como, principalmente, com a contribuição de milhares de colegas em todo o país que enviam tanto elaborações políticas quanto depoimentos, crônicas e denúncias de locais de trabalho, estudo, e bairros, o que mostra o verdadeiro caráter de um jornal militante.

Em outro nível, existem dezenas de milhares de companheiros que lêem e milhares que escrevem, divulgam notas e vídeos em seus locais de trabalho, de estudo, na vizinhança e entre seus familiares e amigos.

É uma espécie de leninismo 2.0 que aproveita as tecnologias mais modernas para colocá-las a serviço da ampla difusão das ideias e lutas de esquerda a milhões de pessoas todos os meses, ao contrário dos tem pensamentos sectários que e tem preferência pela papelada limitada (como alguns grupos de esquerda argumentaram), que é reacionário no sentido literal do termo, uma vez que é um retrocesso em relação aos avanços tecnológicos que a esquerda pode usar em sua estratégia revolucionária. Já foi demonstrado que a relação com milhares de apoiadores (não só virtuais mas também no cara a cara com uma periferia que interage não só pela recepção de materiais mas também pela leitura, compartilhamento e escrita sobre os mais diversos temas), em um momento de revolução tecnológica das conversas por zoom, essa relação se fortalece imensamente com os modernos recursos tecnológicos, ao contrário do que pensam os defensores do jornal tradicional de papel e aqueles que pensam que um jornal como o nosso é apenas para influenciar o opinião pública, o que, naturalmente, é um objetivo central. Mas seria um erro não ver que ao mesmo tempo serve para multiplicar a influência e o contato virtual permanente com um vasto universo, impensável em sua magnitude com os antigos jornais de papel.

O descontentamento, a revolta e as aspirações de um setor da classe trabalhadora travados pelas lideranças burocráticas, dos jovens que mais sofrem com o desemprego e a pobreza, das mulheres corajosas que lutam pela moradia e pelos seus direitos, tudo isso começa a tomar nossa mídia como se fosse sua.

Para continuar desenvolvendo este aspecto fundamental do jornal militante, propomos assumir os seguintes níveis:

• A partir do que foi conquistado, queremos atingir setores muito mais amplos em cada local de trabalho, estudo e cada bairro de forma regular e sistemática, a começar por aqueles que hoje acompanham o PTS em atividades diversas, como eventos partidários ou plenárias abertas, e em diferentes processos de luta e organização. Nesse sentido, e como um ótimo ponto de partida, alguns exemplos interessantes são os de fábricas e estabelecimentos onde regularmente (com algo entre duas a quatro notas semanais) atingimos amplos setores de trabalhadores e jovens , como em uma empresa de alimentos na zona Norte, onde os militantes chegam a duzentos trabalhadores que fazem parte do La Izquierda Diario e no qual se propõem a avançar ainda mais nos setores que apóiam nossa lista sindical contra a burocracia. Ou o caso da Universidade de La Matanza , onde em média cada militante atinge 10 alunos e jovens precários por semana, universo que também pode ser ampliado com a utilização de artigos ideológicos do jornal. O La Izquierda Diario também tem desempenhado um papel de discussão política sistemática entre os trabalhadores da "linha de frente" da pandemia: os trabalhadores da saúde, onde nossa mídia é utilizada para o acompanhamento e discussão da política com um amplo setor por ter ganhado papel de destaque desempenhando uma importante função de denunciar o que muitos meios de comunicação se recusam a refletir, como a hipocrisia de chamá-los de "essenciais" mas devem continuar a realizar suas tarefas em condições precárias, com falta de equipamentos de proteção e muitos outros problemas. Nesse sentido, o LID na saúde tornou-se este ano uma grande ferramenta também para abrir e multiplicar as relações políticas em inúmeros hospitais. Também em empresas estatais e municipais, lugares que são e serão afetados pelos planos de ajuste do governo nacional, dos governos provinciais e do FMI, os camaradas distribuem amplamente vários conteúdos do jornal e especialmente as principais discussões da política nacional, os ataques às pensões, e os planos de ajuste em geral. Por outro lado, nos acontecimentos mais importantes da luta de classes, o exemplo de Guernica já citado onde La Izquierda Diario teve um papel central na divulgação do conflito, enfrentando as mentiras dos poderosos e sendo um grande instrumento organizador para a luta e também para aproximar as ideias de esquerda, também de outras partes do país como Centenário, em Neuquén ou da Grande Buenos Aires, nossos correspondentes nos informam que em diferentes casos, o LID tornou-se "O" jornal de cada ocupação, sendo o meio de comunicação reconhecido como o que cobria as demandas das famílias com depoimentos, as notícias dos municípios e cada etapa das lutas, alcançando amplo reconhecimento como ferramenta ao lado dessa luta e permitindo, assim, abrir relações políticas sistemáticas.

A partir desses exemplos importantes (aos quais poderiam ser acrescentados mais ainda de todo o país), queremos discutir na Conferência Nacional do PTS levando isso até o fim: queremos generalizar e sistematizar a experiência que muitos militantes já têm, que é propor a todas as pessoas que conosco mantém relações para que recebam semanalmente material escrito ou audiovisual para aprofundar os principais fatos da realidade ou debates sobre a estratégia e programa do PTS e sobre os “sensos comuns” impostos pelas classes dominantes, e não apenas nas lutas imediatas que se levantam a todo o momento. Queremos que receber nossa agenda seja uma decisão consciente de cada companheiro. Cada equipe partidária deve selecionar este material semanalmente, o que por sua vez colocará as principais discussões políticas que emergem desse diálogo no centro da militância. Tal prática sistemática constitui um desafio central para dar um grande salto no uso do La Izquierda Diario como instrumento de construção partidária, em um momento político decisivo no que diz respeito às tarefas preparatórias para a próxima ascensão da luta de classes.

• Em outro nível, queremos avançar para que cada vez mais companheiros tomem em suas mãos a divulgação de La Izquierda Diario entre seus conhecidos. É uma tarefa de primeira ordem, partindo do caráter militante do nosso meio, que luta "apenas" com entusiasmo e esforço por apresentar nossas idéias, contra os recursos milionários dos canais de televisão, rádios e jornais das classes dominantes.

• Por último, um papel fundamental será desempenhado por todos aqueles que continuam a juntar-se à produção de notas ou vídeos para o nosso jornal, tanto a fornecer conteúdos como a serem cronistas que refletem o que se passa nos diferentes locais de trabalho, estudo ou bairros (ver secção).

Da militância em cada um desses níveis, está surgindo uma nova prática partidária que deve ser desenvolvida até o fim. No calor da luta de classes e da experiência política com o governo, para avançar ainda mais e ganhar maior influência política e ideológica em milhares de trabalhadores e jovens (combate às pressões ao sindicalismo e ao movimentismo em geral) como, no caso de quem escreve e divulga o nosso jornal, surge uma nova geração de militantes partidários.

Uma rede de milhares de correspondentes para refletir a luta de classes em todo o país

Uma breve passagem pelo nosso jornal deixa algo em evidência: são centenas de processos de luta e organização dos trabalhadores, mulheres e jovens que estão escondidos pela maior parte da grande mídia. Guernica foi um ponto de inflexão neste processo, e estamos orgulhosos de ter contribuído qualitativamente com nossa mídia para divulgar essa luta e desmascarar as mentiras dos poderosos, mas também de ter ajudado com La Izquierda Diario a organizar essa luta, que continua até hoje, e para aproximar as ideias de esquerda de seus moradores militantes. Esse é um grande exemplo a dar para todo o país, num cenário em que a luta de classes crescerá.

Nesse contexto, um dos grandes desafios do La Izquierda Diario no próximo período será maximizar uma de nossas características originais: ser a mídia que mostra em maior quantidade e com maior qualidade todas essas lutas, dá voz a quem a grande mídia silencia e ser a mídia que denuncia os inimigos dos explorados e oprimidos: governos, burocracias, empresários, forças de segurança, líderes religiosos.

Por isso, uma aposta fundamental perante o que está por vir será multiplicar a nossa rede de correspondentes, ter informação que vem de baixo, "de boas fontes", sobretudo o que se passa nos locais de estudo, no trabalho e nos bairros. Essas são informações que temos interesse em mostrar e que os poderosos querem esconder ou manipular. Apostamos em uma rede que tem olhos e ouvidos por toda parte para que nosso jornal se encha de milhares de crônicas e reclamações que só podem ser encontradas em La Izquierda Diario. E, com isso, apostar na ampliação da nossa rede de celulares que, como se vê em Guernica e em outras lutas, são essenciais para transmissões ao vivo e direcionar o que está acontecendo, no lugar certo, na hora certa.

Ao mesmo tempo, teremos uma política especial e buscaremos novos caminhos para atingir os setores mais precários da classe trabalhadora com nossos conteúdos, especialmente os jovens, com os formatos adequados para este setor, um uso direcionado de redes sociais e materiais para Whatsapp. A Juventude do PTS e a Rede de Trabalhadores Precários que nasceu este ano, reunindo milhares de jovens que buscam acabar com a flexibilização e o desemprego, são chamados a desempenhar um papel central também na próxima etapa do La Izquierda Diario como ferramenta que serve para fortalecer essas lutas, construir uma juventude revolucionária e um partido para vencer (ver nota sobre a construção da RED).

A luta pelas ideias do marxismo contra os "sensos comuns" impostos pelas classes dominantes

Crises como as que vivemos atualmente, nacionais e internacionais, trazem mudanças nas formas de pensar e, portanto, são oportunidades para os marxistas questionarem os sensos comuns impostos pelas classes dominantes como um dos mecanismos para manter sua dominação. A naturalização da exploração capitalista, a renúncia a condições de vida miseráveis, a necessidade de optar "pelo mal menor" que condena a classe trabalhadora à degradação de suas condições de vida, a divisão dos explorados e oprimidos, a opressão gênero e "raça", entre muitos outros. Para isso, eles têm todos os tipos de organizações e intelectuais que reproduzem esses sensos comuns, e são os principais adversários que devemos enfrentar se pretendemos construir uma alternativa revolucionária para que os trabalhadores e os pobres não continuem a pagar pela crise. Por isso está na ordem do dia redobrar a luta pelas ideias do marxismo, contra qualquer utopia reformista que procure convencer que é possível acabar com a exploração e a opressão, ou mesmo combater a catástrofe ambiental ou as guerras, sem acabar com este regime social.

Nesse sentido, a partir do La Izquierda Diario temos participado ativamente desses debates, tanto com nosso citado suplemento dominical Ideias de Izquierda , quanto com as 18 edições publicadas de #IdeasUniversidad realizadas por uma nova geração de dezenas de jovens intelectuais, e com o Campus Virtual , o Suplemento teórico do Ideas Universidad , do nosso canal de História no Youtube , da divulgação das publicações das Ediciones IPS , dando origem ao surgimento de dezenas de novos jovens intelectuais que são uma importante conquista do nosso partido. No entanto, temos que melhorar a articulação entre esses conteúdos ideológicos e as respostas políticas cotidianas que se expressam no jornal, bem como transformar nossas produções ideológicas em um instrumento ofensivo das idéias do marxismo entre o meio intelectual e nas universidades do país.

Ao mesmo tempo, queremos convocar a colaboração aberta e o debate entre professores, intelectuais e militantes de esquerda (tanto do PTS quanto dos independentes), sobre como continuar incorporando uma nova geração de jovens marxistas, a fim de multiplicar o conteúdo da luta ideológica divulgar e atualizar as armas da crítica ao longo da semana, em diversos formatos escritos e audiovisuais que visam atingir setores da intelectualidade, mas também popularizar as ideias do marxismo na vanguarda da classe trabalhadora.

Luta política e sinergia com as figuras públicas do PTS e milhares de militantes de todo o país

O La Izquierda Diario, como uma publicação promovida pelo PTS na Frente de Izquierda Unidad, é complementado e fortalecido pela atuação de Nicolás del Caño, Myriam Bregman e importantes lideranças públicas de todo o país. Nesse sentido, damos a mesma luta política, pelas mesmas ideias e promovendo as mesmas lutas, desde o site do jornal mas também nas redes sociais de cada uma das nossas figuras e dos nossos grupos.

Nos próximos meses, que também serão percorridos por uma forte luta política nas ruas, mas também no Congresso Nacional e nos mandatos contra os planos de ajuste, e devido ao início da campanha eleitoral contra o governo e a oposição de direita, temos proposto avançar numa maior sinergia que fomente na mesma batalha os milhões que visitam o nosso jornal todos os meses com as centenas de milhares de seguidores das nossas figuras públicas nas redes sociais e os milhares de militantes em todo o país. Toda essa força, desdobrada para golpear como um único punho, pode instalar ideias e batalhas decisivas para milhões de pessoas no cenário nacional.

Mais do que nunca, é necessário contribuiur para a construção de uma corrente internacionalista

Como propusemos nos documentos da Conferência que publicamos em La Izquierda Diario, a crise capitalista, agravada pelas terríveis consequências da gestão burguesa da pandemia que lançou dezenas de milhões de pessoas no desemprego, ou na queda de salários, tem um caráter global. No calor desse processo, fenômenos políticos de diferentes características se desenvolvem em todo o mundo, e processos de luta de classes se reiniciam, como pode ser visto em lugares tão díspares como Índia, França, Chile, Estados Unidos, Colômbia e Peru.

Mais do que nunca, se propõe a construção de uma corrente internacional com um programa revolucionário e internacionalista, e a Rede Internacional La Izquierda Diario aponta a esse objetivo, que é promovido pela Fração Trotskista - Quarta Internacional e que é publicado em 14 países e em 8 línguas, na América Latina, Estados Unidos e Europa. Por isso, no próximo período queremos redobrar a cobertura de todos os processos políticos e de luta de classes ao redor do mundo, ao mesmo tempo em que contribuímos, com urgência crescente, para tirar conclusões no calor dos debates políticos, programáticos, e estratégicos.

Introdução de novas lógicas, formatos e métodos de trabalho

Para realçar os objetivos mencionados neste artigo, propomos a introdução de alterações no La Izquierda Diario com base no conselho de nossa equipe técnica e alguns especialistas que consultamos. Nosso método é usar as tecnologias e formas de organização mais avançadas, para colocá-las a serviço da difusão das idéias dos revolucionários.

Entre as mudanças deste tipo que faremos, algumas a citar são:

  • Uma nova lógica de produção multimídia, avançando na integração em uma única página na web de todo o conteúdo escrito e audiovisual (incluindo nosso programa de rádio El Círculo Rojo que sai na Rádio con Vos); também agregando cada vez mais agilidade e quantidade de respostas imediatas em formatos multimídia para cobrir instantaneamente as questões do momento, que se combinam com a produção de materiais com mais profundidade de análise, opinião, documentários e luta ideológica, para continuar construindo um grande canal no YouTube, que já conta com quase 58.000 inscritos, e impactando todas as redes sociais ( La Izquierda Diariotem 256.000 seguidores no Facebook, 79.000 no Twitter, quase 85.000 no Instagram, etc.); e desenvolver cada seção do jornal como multimídia, com diferentes taxas de resposta e elaboração, tanto na escrita quanto no audiovisual.
  • Apostar no salto na construção de La Izquierda Diario como uma mídia de “primeira leitura”, onde opinião, análise, pesquisa e resposta política se combinam com uma grande produção de “notícias de última hora” que dão conta da realidade noticiosa instantaneamente, lutando do ponto de vista da esquerda minuto a minuto contra as fábricas de ideias das classes dominantes.
  • Avançar para o desafio de ser uma mídia de grande amplitude temática. Ou seja, junto com os eixos temáticos de La Izquierda Diario (política nacional e internacional, economia, luta de classes, gêneros e sexualidades) promover outros setores já existentes, e construir novos, para ter produções de grande quantidade, qualidade e personalidade sobre cultura, meio ambiente, urbanismo, ciência e outros, para os quais fazemos amplos apelos para agregar colaboradores. Em algumas dessas áreas, partimos de anos de acúmulo de militantes e apoiadores que elaboram essas questões.
  • Lançar um processo de mudanças no design de La Izquierda Diario, tanto no PC quanto no celular, para adaptar a estética e a funcionalidade do site aos novos desafios políticos e jornalísticos levantados neste documento.
  • Ampliar a equipe de redes sociais para poder abordar com maior profundidade a complexidade crescente tanto das características específicas de cada plataforma quanto a necessidade de multiplicar a produção de conteúdo por elas, apostando em novos saltos em cada uma delas.



Tópicos relacionados

Conferência do PTS   /    PTS   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar