×

REPRESSÃO POLICIAL | Combate a pandemia ou racismo? Polícia do Rio pede prisão de 14 artistas do funk

Polícia Civil do Rio de Janeiro solicitou a prisão de MC Poze, Markinho do Jaca, Negão da BL e mais 11 por realização de bailes funk na pandemia. Uma medida totalmente autoritária para reprimir o povo negro nas favelas cariocas.

terça-feira 2 de março | Edição do dia

Fonte: Jovem Pan

A Polícia Civil do Rio de Janeiro pediu à Justiça a prisão cautelar de 14 pessoas apontadas como responsáveis por organizar bailes funk durante o período do carnaval deste ano. Entre os indiciados estão os MC Poze e Negão da BL, além de quatro DJs, incluindo Markinho do Jaca. Trata-se de uma verdadeira perseguição do Estado a músicos funkeiros nas favelas cariocas.

Usam de forma demagógica as aglomerações para criminalizar o povo negro. Bolsonaro promove aglomerações nas praias de Santa Catarina às ruas de Rio Branco no Acre, torcedores ricos fazem aglomeração para assistir a final da Libertadores dentro do estádio, empresários obrigam trabalhadores usarem ônibus lotados todos os dias... mas parece que o "combate às aglomerações" por parte do Estado tem classe social e cor definida: pretos e pobres são os perseguidos. O presidente nega a pandemia e avança em uma política assassina, mas os perseguidos pela polícia são os negros da favela.

Os indiciados responderão pelos crimes de infração de medida sanitária preventiva, epidemia e associação ao tráfico de drogas. Isso porque, segundo a polícia, a investigação apontou que o "Carnaval do Jaca", "Pedra Folia", "Acari Folia" e "Baile do Castelar Especial de Carnaval" foram realizados em áreas abertas nas comunidades sob controle de grupos criminosos dessas regiões. Mais uma medida para criminalizar os músicos, associando-os diretamente ao tráfico sem terem provas concretas. Algo totalmente absurdo.

Também é pura demagogia punitivista indiciar os responsáveis pelo os bailes funk no Rio por gerarem aglomerações. Durante meses o governo do Estado manteve a economia aberta, fazendo os trabalhadores seguirem trabalhando, pegando transporte público lotado e se expondo ao vírus. O governo ficou sem ter políticas efetivas de combate à pandemia. Ainda se negou a tomar medidas para comprar vacinas para a população, enquanto o vírus segue circulando, ainda mais perigosos com as novas cepas que estão sendo descobertas.

Tudo isso não passa de pretexto para reprimir ainda mais a juventude e o povo negro que segue sofrendo a política assassina e racista do Estado do Rio que segue matando todos os dias negras e negros nas favelas.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias